Loader
OBSERVATÓRIO comenta alta de 64% nas mortes de ciclistas na cidade de São Paulo
23777
post-template-default,single,single-post,postid-23777,single-format-standard,bridge-core-2.3.6,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-22.2,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.2.0,vc_responsive

OBSERVATÓRIO comenta alta de 64% nas mortes de ciclistas na cidade de São Paulo

OBSERVATÓRIO comenta alta de 64% nas mortes de ciclistas na cidade de São Paulo

O número de óbitos entre ciclistas no trânsito da cidade de São Paulo subiu 63,6% em 2019, conforme dados do Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito de São Paulo (Infosiga). O OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária foi uma das entidades ouvidas pela reportagem do portal “Terra”, para comentar sobre o assunto.

Segundo a matéria, a alta no número de mortes pode estar ligada ao comportamento de risco de usuários de bicicleta, assim como, pelo aumento de serviços de entrega por bike. Conforme dados do Infosiga, o número de mortos em 2018, foram 22 ciclistas e em 2019, esse número subiu para 36.

Entre os mortos por categorias, houve queda de 13,8% no índice de óbitos entre motociclistas. Registrou-se 311 ocorrências em 2019, e 361, em 2018. Entre pedestres, houve 1,8% de registros a mais (de 374 para 381); entre pessoas em automóveis 1,8% a menos (de 108 para 106); óbitos em caminhão subiram de 2 para 15.

O diretor-presidente do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, José Aurelio Ramalho, defende investimentos em educação para o trânsito: “Há muita ciclovia e ciclofaixa na cidade, ou seja, foi oferecida infraestrutura, mas em nenhum momento alguém chegou e falou: ‘Tem que respeitar a lei de trânsito’.”

Ainda, segundo Ramalho, falta desenvolver “percepção de risco”, no trânsito de São Paulo – e não só para bicicletas. “Enquanto ele não perceber que corre perigo, não vai mudar”, diz.

O diretor-presidente do OBSERVATÓRIO enfatiza: “Não há nada a comemorar nos índices da cidade. São Paulo precisa de uma política pública clara, não de governo ou de partido, que indique qual vai ser a redução em determinado período e o que vai ser feito para isso”, encerra.

Leia a matéria em:

https://www.terra.com.br/noticias/brasil/cidades/mortes-de-ciclistas-sobem-64-em-um-ano-na-cidade-de-sao-paulo,04b06014326a37fadab473ec4628fc20i6nk7cn5.html

Foto de David McBee no Pexels

1 Comment
  • Guilherme
    Posted at 19:48h, 07 julho Responder

    De acordo com diretor da Infosiga “Há muita ciclovia e ciclofaixa na cidade, ou seja, foi oferecida infraestrutura, mas em nenhum momento alguém chegou e falou: ‘Tem que respeitar a lei de trânsito’.”???
    Ou seja sua opinião o culpado é o ciclista de ser atropelado?? Voce por acaso ja viu o estado dessas ciclovias e ciclofaixas?? sabe o quanto é perigoso, sem sinalização e com riscos de assaltos a maioria?? Todos esses fatores de retrocesso e abandono da política cicloviária, estão diretamente relacionados à sensação de insegurança, carência de incentivo e infraestrutura, que, consequentemente, gera acidentes. A conscientização e valorização dos ciclistas devem partir dos motoristas de veiculos motorizados, com redução de velocidade e sinalizações adequadas .
    É vergonhoso para a população saber que um diretor OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária tenha uma mentalidade tão iracional.

Post A Comment