OBSERVATÓRIO | OBSERVATÓRIO debate redução de velocidade em São Paulo
4110
post-template-default,single,single-post,postid-4110,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

OBSERVATÓRIO debate redução de velocidade em São Paulo

OBSERVATÓRIO debate redução de velocidade em São Paulo

Entidade defende a medida que amplia a preservação de vidas no trânsito

O diretor-técnico do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, Paulo Guimarães, representou a entidade no evento “Eu e você no trânsito”, dentro da Programação da Semana Nacional de Trânsito da Faculdade Zumbi dos Palmares, nesta quarta, dia 24 de setembro.

O evento discutiu o tema Mudança Social X Redução de Velocidade, com apresentação de dados estatísticos e ações mundiais para a redução de acidentes no trânsito, por meio desta medida.

A discussão teve a participação também do gestor de Tráfego da Central de Operações da CET-SP (Companhia de Engenharia de Tráfego) e professor de Segurança de Transportes e Tráfego e Projetos de Sinalização da Faculdade Zumbi dos Palmares.

Guimarães destacou os dados da violência no trânsito no Brasil que revelam que nossas vias matam mais que armas de fogo, fez paralelo dos números com tragédias que chocaram o mundo como desastres naturais, guerras e atentados.

Segundo o diretor do OBSERVATÓRIO, o trânsito brasileiro mata e sequela todos os anos o mesmo que cidades inteiras. “São 54 mil indenizações por mortes pagas pelo Seguro Obrigatório-DPVAT e mais de 440 mil para invalidez permanente”, registra.

Guimarães lembrou que essa é uma conta muito alta a ser  paga pela sociedade. “São custos sociais e emocionais inestimáveis. Mas ele exemplifica com alguns números. O Brasil gastou mais de 51 bilhões com os acidentes de trânsito em 2012, conta.

Ele destacou ainda o perfil dos acidentados, as condições em que ocorrem os acidentes (81% do total das ocorrências são em vias em boas condições) e 90% dos acidentes são causados pelo fator humano.

Mas para além de abordar o problema, Guimarães trouxe propostas de soluções, seja pelo esforço legal com legislações abrangentes no mundo que ampliam a segurança dos segmentos com adoção de equipamentos como o cinto, capacete, cadeirinha; seja por iniciativas como a redução de velocidade.

No caso das Marginais em São Paulo, todas as previsões de lentidões com a redução de velocidade não se confirmaram, argumenta Guimarães. “E o mais importante, pouco tempo após a medida, os resultados relacionados à redução de acidentes com vítimas, mortes e atropelamentos, comprovaram que um dos caminhos para a preservação da vida passa por tal medida.

O público presente na palestra também pode conhecer um pouco do trabalho e eixos de atuação do OBSERVATÓRIO (Estudos e Pesquisas, Ações de Educação, Dados e Informações e Advocacy), as ferramentas disponibilizas à sociedade e gestores para a construção de um trânsito mais seguro e ainda relembrou os avanços do Maio Amarelo em 2015.

Sem comentários

Escreva um comentário