OBSERVATÓRIO | Painel – Saúde
4399
post-template-default,single,single-post,postid-4399,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Painel – Saúde

Painel – Saúde

Acidentes de trânsito – prevenir eventos e melhorar o atendimento são exigências

Os acidentes de trânsito são uma doença, mas como qualquer outra enfermidade, tem prevenção, afirma o médico Gustavo Fraga, especialista em Cirurgia do Trauma na Faculdades de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas – FCM-Unicamp e coordenador do Comitê de Prevenção da Sociedade Brasileira de Atendimento Integrado ao Traumatizado (SBAIT), que coordenará o painel Saúde, quarta etapa do Seminário Urbanidade, por uma mobilidade mais segura, nesta terça.

O painel deverá incluir discussões em torno das dificuldades enfrentadas em todas as etapas do pós-acidente – do atendimento pré-hospitalar (momento do socorro às vítimas ainda nas vias e no seu transporte); o atendimento hospitalar, que exige custos altíssimos para os tratamentos desses traumas, em razão da extensa lista de profissionais envolvida no atendimento, dos equipamentos e custos de internações e tratamentos); até a reabilitação (para os poucos que sobrevivem), mas sem esquecer de tocar nas políticas de prevenção, que evitariam o agravamento de um cenário que já é o de guerra, de calamidade.

Fraga destaca que falta tudo. “Faltam recursos em todas as etapas de atendimento, faltam investimentos na formação de profissionais e uma qualificação mais adequada para atender esse cenário de tragédia; equipamentos, medicamentos, as condições hospitalares são inadequadas; e mesmo no processo de reabilitação, ainda que o país tenha algumas ilhas de excelência tem o seu trabalho estacionado quando os reabilitados não conseguem reinserção social e não têm o direito à mobilidade garantido, pois não há acessibilidade também para essa legião de sequelados permanentes”, descreve o médico.

Esse painel terá como debatedores Deborah Carvalho Malta, diretora do Depto. de Vigilância de Doenças e Agravos não transmissíveis em Promoção da Saúde – Ministério da Saúde; e Ricardo Xavier, diretor-presidente do DPVAT; e Jerry Adriano Diaz, representando o deputado Hugo Leal.

 

Só para contextualizar a tragédia da violência nas vias, o trânsito brasileiro matou mais de 42 mil pessoas em 2013 , de acordo com o DataSUS. Já a Seguradora Líder/DPVAT pagou mais de 763 mil indenizações (somando mortes, invalidez permanente e despesas médicas) em 2014.

1Comentário

Escreva um comentário