OBSERVATÓRIO | Aumento no número de carros contribui para diminuição da mortalidade no trânsito
1925
post-template-default,single,single-post,postid-1925,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Aumento no número de carros contribui para diminuição da mortalidade no trânsito

Aumento no número de carros contribui para diminuição da mortalidade no trânsito


 Aumento no número de carros contribui para diminuição da mortalidade no trânsito

Com mais veículos nas ruas, velocidade cai, e acidentes são menos graves, diz especialista

Dentro das cidades, o contínuo aumento no número de carros e, consequentemente, a redução da velocidade, também pode ter contribuído para a redução nas mortes no trânsito.

“Com o aumento do volume de veículos, vias que não congestionavam antes estão ficando engarrafadas e a velocidade média diminuiu”, diz o diretor presidente do Observatório Nacional de Segurança Viária, José Aurélio Ramalho.

Com o trânsito mais devagar, o impacto das colisões são menores. “Isso não reduz o número de acidentes, mas o grau de lesão que poderia resultar em uma fatalidade diminui”, destaca Ramalho.

Em algumas cidades, além do crescimento na frota, o poder público também tem promovido a redução da velocidade permitida nas ruas, a fim de dar maior segurança principalmente aos pedestres. Em Vitória, por exemplo, o prefeito Luciano Rezende já admitiu estudar essa possibilidade.

O especialista diz que o fenômeno também já acontece em algumas rodovias nas proximidades das metrópoles.

EducaçãoRamalho frisa que, para haver real mudança, não basta tornar as leias mais rígidas. É preciso repensar a forma como os motoristas são orientados na época em que tiram a Carteira Nacional de Habilitação.

Ensinam que você deve usar o cinto de segurança e não beber antes de dirigir porque senão será multado e perderá pontos na carteira. O certo é conscientizar a pessoa de que ele estará colocando em risco sua vida e a dos outros se não respeitar isso”, explica Ramalho.

cda121114gz3201-1525526

Sem comentários

Escreva um comentário