Loader
Começa a fase de desenvolvimento do Projeto Rodovias que Perdoam
25147
post-template-default,single,single-post,postid-25147,single-format-standard,bridge-core-2.3.6,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-22.2,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.2.0,vc_responsive

Começa a fase de desenvolvimento do Projeto Rodovias que Perdoam

Começa a fase de desenvolvimento do Projeto Rodovias que Perdoam

Células de trabalho formadas por entidades, governos e iniciativa privada começarão a formatar as propostas do 2º Seminário de Mobilidade Humana, Segura e Sustentável

Dando continuidade aos desdobramentos do 2º Seminário de Mobilidade Humana, Segura e Sustentável “Rodovias que Perdoam”, realizado em Brasília em setembro de 2019, será realizado no próximo dia 22 de julho, a partir das 10h, o webinar “Plano Setorial de Transportes Terrestres – Rodovias que Perdoam – Fase de Desenvolvimento”, promovido pelo Ministério da Infraestrutura e OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária. A transmissão será ao vivo por um canal a ser definido posteriormente.

A videoconferência terá a coordenação da Secretaria Nacional de Transportes Terrestres e há a expectativa que o ministro Tarcísio de Freitas faça a abertura. Além dele, participam dos cinco painéis previstos outros representantes do Ministério da Infraestrutura, DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), OBSERVATÓRIO e da UFPR (Universidade Federal do Paraná).

Na oportunidade será lançado as células de trabalho criadas para cada uma das dez propostas elencadas dentro do seminário. O projeto final para a construção detalhada para melhorar a segurança das rodovias brasileiras terá a participação de várias entidades como a Abeetrans (Associação Brasileira das Empresas de Engenharia de Trânsito), ABSeV (Associação Brasileira de Segurança Viária), da iniciativa privada e também de órgãos dos Governos nas três instâncias.

O plano de trabalho é composto pelos seguintes itens: as propostas dos participantes, as justificativas, os responsáveis pela elaboração do detalhamento das propostas, a data que cada etapa será entregue, os custos (se houver ou não) e os possíveis patrocinadores de estudos e pesquisas que eventualmente possam ser necessários e as observações para cada item, apontando as responsabilidades e a agenda de cada entidade e órgão.

A construção dos temas e as diretrizes estão alinhadas com “Metas Globais de Desempenho para a Segurança no Trânsito”, proposta pela ONU (Organização das Nações Unidas) e OMS (Organização Mundial de Saúde) dentro da Agenda 2020-2030. As propostas foram, segundo o OBSERVATÓRIO, construídas propositalmente generalista, para dar abertura e transparência para a contribuição das entidades do poder público, privado e sociedade civil, realizando o detalhamento de cada um dos itens apresentados.

As reuniões das células de trabalho terão início no próximo mês de agosto e serão todas on-line. A metodologia de trabalho será coordenada pelo Prof. Dr. Tiago Bastos e terá o apoio dos estudantes do Departamento de Engenharia da UFPR (Universidade Federal do Paraná).

Além disso, a construção do plano de ações irá buscar atender ao PNATRANS (Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito) e contará com o apoio da equipe do Ministério da Infraestrutura, por meio da Secretária Nacional de Transportes Terrestres, do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), da Câmara Temática de Engenharia de Tráfego e Sinalização de Trânsito (CTET) e da Câmara Temática de Transporte Rodoviário (CTTR), ambas do Contran (Conselho Nacional de Trânsito).

Segundo, José Aurelio Ramalho, diretor-presidente do OBSERVATÓRIO, “as ações coordenadas e integradas darão legitimidade ao que juntos iremos construir visando mudar a realidade da segurança viária no Brasil, uma vez que as diretrizes irão nortear uma política de Estado”, conclui.

No Comments

Post A Comment