OBSERVATÓRIO | Congresso no Chile discute segurança viária
7859
post-template-default,single,single-post,postid-7859,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Congresso no Chile discute segurança viária

Congresso no Chile discute segurança viária

cisev-2

OBSERVATÓRIO apresentará nesta terça-feira quatro  trabalhos  selecionados pela comissão organizadora do evento

A importância da proteção e tratamento da lateral das rodovias (conceito rodovia que perdoa) foi tema abordado pelo presidente do Instituto Vial Americano, Jacobo Diaz Pineda, durante a abertura do V Congresso Ibero-Americano de Segurança Viária (CiSev), em Santiago, no Chile.

Organizado pelo Instituto Vial Ibero-Americano (IVIA) com apoio do governo do Chile, além de entidades ligadas ao governo espanhol, o CiSev tem como proposta a busca de experiências consensuais que possam ser trocadas em todo o continente ibero-latinoamericano no sentido da redução do expressivo número de acidentes fatais no trânsito na América Latina.

O OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária apresenta nesta terça-feira, 8 de novembro, no CiSev, quatro trabalhos selecionados pela equipe organizadora do Congresso, entre uma série de outros encaminhados por várias instituições.

Durante sua fala aos presentes, Pineda destacou, também, a importância de proteção aos usuários vulneráveis. Na palestra de abertura, que teve o tema Governos e Instituições comprometidas com a segurança viária, Gabriela Rosende, da CONASET –  Comission Nacional de Seguridad de Transito,  abordou a falta de sensibilidade em relação ao acidente;  as notícias de acidente já não chocam mais. Comentou sobre a criação do CONASET no Chile, cujo trabalho se baseia na interministralidade. O órgão chileno é um articulador entre os diferentes ministérios envolvidos na questão da segurança viária.

Em seu pronunciamento, Gabriela, abordou também as mudanças no processo de formação do condutor no Chile, com um novo material. A aprovação no processo de formação do condutor no país, segundo ela, baixou de 95% para 51% depois da implementação de um programa de formação do condutor mais rigoroso. A representante da CONASET falou ainda sobre algumas intervenções urbanas, como as zona de espera de motos (motobox) e destacou a necessidade de provimento de facilidades explícitas para pedestres para efetivar a redução de velocidade nas proximidades de escolas, além do aperfeiçoamento da legislação sobre álcool e direção

Representando a DGT  Direcion General de Tráfico, da Espanha, Monica Colás destacou o trabalho espanhol com indicadores de desempenho, ressaltando que ‘mesmo com o aumento da exposição (quilometragem percorrida), com o envelhecimento da frota (devido a crise) e com o envelhecimento da população, o número absoluto de mortes tem caído continuamente desde 1989 naquele país. O incentivo intenso ao uso de bicicletas deve ser acompanhado de medidas para proteger esses usuários.

Tratando da segurança viária na Argentina, Carlos Albeto Pérez,  da ANSV – Agencia Nacional de Seguridade Vial, informou que o surgimento da agência de segurança viária no país veio a partir de movimentos da sociedade civil organizada (a exemplo do Maio Amarelo e do próprio Observatório). No pronunciamento, Pérez falou sobre a importância de levantamentos de dados estatísticos adequados para  o planejamento de ações. E, ainda,  sobre um programa que incentiva que o pediatra de uma criança seja o vínculo entre ela e a segurança viária, juntamente com os pais, para que os transportes de maneira adequada.

A segurança viária no Peru foi abordada por Enrique Medri, do CNSV – Consejo Nacional de Seguridad Vial de Perú, que destacou a necessidade de criação de agências nacionais para tratar do problema e reduzir as taxas de acidentes e mortes nos países.  Também comentou sobre a importância dos conselhos regionais de segurança viária (estaduais, municipais ou distritais), todos articulados com o conselho nacional.  Nesse sentido, ressaltou  também a necessidade da criação de planos nacionais, regionais e municipais de segurança viária.

Representante do Banco Mundial no evento, Veronica Raffo, apontou  que de modo geral estamos muito distantes de atingir a meta de redução da Década Mundial de Ações de Segurança Viária, principalmente nos países de baixa renda, onde inclusive os números de mortes aumentaram nos últimos anos” e colocou três fatores chaves: o papel das instituições, sistemas seguros e o foco nas cidades/questões urbanas.

Nesta terça-feira, 8 de novembro, no segundo dia do CiSev, o  OBSERVATÓRIO apresentará dois cursos de Educação a Distância voltados à segurança viária, e que versam sobre atitudes positivas de pedestres e motociclistas (EAD Pedestre Atitude Positiva e EAD Motociclista Atitude Positiva). Ambos foram desenvolvidos pelo diretor-presidente do OBSERVATÓRIO, José Aurelio Ramalho e pelo diretor técnico do órgão, Paulo Roberto Guimarães, a partir da constatação do alto índice de mortes de pedestres e de motociclistas nas vias e nas rodovias brasileiras. Os cursos são curtos e didáticos, com duração de uma hora, e abordam questões do dia a dia.

O OBSERVATÓRIO mostra também no evento, dois artigos: “Una propuesta de registro estandarizado de acidentes de trânsito em Brasil” e “Mortalidad de ocupantes de motocicleta em Brasil: diagnóstico y estabelecimento de metas de recucción”, que têm entre os autores o professor doutor Jorge Tiago Bastos, professor da Universidade Federal do Paraná (UFPE) e voluntário do ONSV.

O primeiro trata da sugestão de um modelo padronizado de boletim de ocorrência de acidente de trânsito (BOAT) para rodovias e vias urbanas. A proposta parte da concepção do modelo da Polícia Rodoviária Federal, sobre o qual são realizadas algumas sugestões de adaptações e compatibilização para sua aplicação também em um cenário urbano, com enfoque na participação de usuários não motorizados.

Já o segundo, contém um diagnóstico em nível estadual sobre a mortalidade de motociclistas no país, além de propor uma metodologia para o estabelecimento de metas de redução do número de mortes de ocupantes de motocicleta em cada estado, com base em um exercício de “benchmark” entre os estados brasileiros.

Esta edição do CiSev  tem como tema ‘A Segurança dos Usuários Vulneráveis”.  O Congresso visa a apresentação e discussão de projetos que permitam avanço no cumprimento dos objetivos estabelecidos pela ONU (Organização das Nações Unidas), quando instituiu o período de 2011 a 2020 como Década de Ações para a Segurança Viária, e definiu a meta de redução, no período do número de acidentes em 50% em todo mundo.

Confira o calendário das apresentações:

Dia 8 de novembro – terça-feira

Horário: 9h10

Apresentação –  Artigo

Una propuesta de registro estandarizado de accidentes de tránsito en Brasil.

Autores: Jorge Tiago Batos Stephanie Karina Silva Zau, Maria Clara Suguinoshita, Rodolfo Augusto da Costa, Paulo Roberto Guimarães


Horário: 18h

Apresentação: Artigo

Mortalidad de ocupantes de motocicleta en Brasil: diagnóstico y establecimiento de metas de reducción. 

Autores: Jorge Tiago Bastos, Juan Pedro Luvizotti Orellana, Heitor Vieira, Paulo Roberto Guimarães


Dia 9 de novembro – quarta-feira

Horário: 10h

Apresentação: EAD

Curso de Ensino a Distância Pedestre Atitude Positiva

Autores:  José Aurelio Ramalho (Diretor-presidente do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária)  e Paulo Roberto Guimarães (Diretor técnico do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária)


Horário: 10h10

Apresentação: EAD

Curso de Ensino a Distância Motociclista Atitude Positiva

Autores: José Aurelio Ramalho, Paulo Roberto Guimarães

Sem comentários

Escreva um comentário