OBSERVATÓRIO | Detran-MT e Sindicato dos CFCs visitam Observatório
1661
post-template-default,single,single-post,postid-1661,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Detran-MT e Sindicato dos CFCs visitam Observatório

Detran-MT e Sindicato dos CFCs visitam Observatório


Detran-MT e Sindicato dos CFCs visitam Observatório

Funcionários do Detran-MT visitaram nessa segunda-feira (28.07) a sede do Observatório Nacional de Segurança Viária em Indaiatuba-SP. A intenção foi conhecer os eixos de atuação da entidade e também analisar possíveis parcerias para melhorar a atuação do órgão Estadual em todo Estado de Mato Grosso.

O presidente do Detran, Eugênio Ernesto Destri gostou do banco de dados criado pelo Observatório para compilar as informações sobre acidentes de trânsito (S.O.M.A) e, a partir da análise das informações do SOMA, realizar ações nos pontos críticos do trânsito do Estado. “Há uma necessidade de evoluirmos”, afirmou Destri.

Assim como a maioria dos Detrans do país, a falta de informações dentro de um único banco de dados prejudica o direcionamento dos esforços para redução de acidentes. Para Argentina Nunes Soares, coordenadora da Educação para o Trânsito do Detran, “essa visão ampla que o Observatório tem sobre os acidentes ou sobre o trânsito de uma forma geral foi o que mais me encantou. Nosso objetivo maior é salvar vidas e, como nós já trabalhamos a sensibilização, uma parceria com o Observatório vai ampliar nosso trabalho”, afirma a pedagoga.

Além do presidente, formaram a comitiva a Argentina Nunes Soares e Rosane Gerda Prachthäuser Pôlzl, analistas do Serviço de Trânsito-Detran/MT e Djalma Nogueira de Souza, Presidente do SindCFC-MT.

Para Djalma, “há uma deficiência no ensino do condutor no Brasil. Nós precisamos de ampliar o conhecimento e a educação de quem está pelas ruas”. Além disso, todos acreditam que embasar o trabalho com dados confiáveis sobre onde, quando e com quem acontece a maioria dos acidentes é fundamental para agir onde está o problema.

 

Sem comentários

Escreva um comentário