Loader
Maio Amarelo 2020 no Estadão
24398
post-template-default,single,single-post,postid-24398,single-format-standard,bridge-core-2.3.6,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-22.2,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.2.0,vc_responsive

Maio Amarelo 2020 no Estadão

Maio Amarelo 2020 no Estadão

Em tempos de isolamento social, o Movimento que reúne a sociedade e pede boas práticas e respeito às leis de trânsito teve que se reinventar. O Maio Amarelo 2020 levará a importância de um comportamento seguro no trânsito de forma digital neste ano e as ações presenciais que marcam o Movimento devem ser realizadas em setembro.

As lições da pandemia e o Maio Amarelo foram tema do artigo desta semana do diretor-presidente do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, José Aurelio Ramalho, no caderno Mobilidade do jornal Estado de S Paulo. Ramalho mostra como deveríamos receber as notícias sobre as mortes e acidentes de trânsito, para mobilizar a sociedade em mudar o comportamento enquanto se desloca. “Perceba o risco. Proteja a vida”, é o tema do Maio Amarelo 2020 e que, cabe perfeitamente diante da pandemia do Coronavírus.

Leia o artigo completo em: https://mobilidade.estadao.com.br/meios-de-transporte/carro/as-licoes-da-covid-19-e-o-maio-amarelo/

 

Artigo publicado originalmente no Portal Mobilidades do Estadão: https://mobilidade.estadao.com.br/

2 Comments
  • HELIO DIAS DE SOUZA
    Posted at 13:24h, 06 maio Responder

    Gostaria de salientar que a importância de estarmos (a maioria) em distanciamento social devido à pandemia do COVID-19, milhares de condutores estão em suas casas e é o momento propício para que lembremos a todos, fazendo uma analogia, com o trânsito com as DISTÂNCIAS FRONTAL LATERAIS E TRAZEIRAS, para que se evite uma das maiores causas de ocorrências de trânsito que são as COLISÕES TRAZEIRAS e todos os demais cuidados que os CONDUTORES, MOTOCICLISTAS E PEDESTRES devem ter, para que não só a CURVA DO COVID, como também a CURVA DAS OCORRÊNCIAS DE TRÂNSITO, sejam achatadas.
    Hélio Dias de Souza – Rio de Janeiro – Observador Certificado ONSV-RJ.

  • Valter Ferreira da Silva
    Posted at 09:59h, 08 maio Responder

    Precisou-se de uma moléstia que abalasse o mundo, para que a curva de acidentes no trânsito baixasse há níveis que tanto lutamos e sonhamos em dias normais, em consequência disso também, vemos a curva descendente do valor do barril de petróleo, proprietário de carrões de luxo acastelado como um proprietário de bicicleta, nossa constituição diz que somos todos iguais, mais nunca conseguiu nos igualar de tal forma, grandes fortunas sendo abaladas, outros, aumentando como se não existisse crise. Com relação ao trânsito, poucos carros nas ruas, sem pedestres, ciclistas até mesmo animais domésticos; Porém, o que chama atenção, e não é uma percepção, as ruas continuam sendo habitadas pelos motociclistas, sendo estes, considerados pelas estatísticas, a categoria que mais se envolvem em acidentes, não é no minimo estranho? Diante deste quadro de pandemia, eles são essências, em dias normais, um problema para o trânsito e para as estatística, existem de direito e de fato mas os tretarcas e “administradores” de trânsito não os veem, quem sabe agora pós pandemia, vista que grandes jornais televisivos os enalteceram?
    Os profissionais em seus municípios por irresponsabilidade do executivo, estão numa anomia terrível, em dias normais sendo um trânsito segador, as estatísticas dentre eles, a curva não baixará, até o dia em que verdadeiramente o trânsito, seja administrado por técnicos que verdadeiramente tenha conhecimento na área e saiba o verdadeiro significado “EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO.

Post A Comment