Loader
Obrigatoriedade de 3 novos itens de segurança em automóveis é tema do programa Rádio Livre, da Rádio Bandeirantes, OBSERVATÓRIO comenta
23871
post-template-default,single,single-post,postid-23871,single-format-standard,bridge-core-2.3.6,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-22.2,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.2.0,vc_responsive

Obrigatoriedade de 3 novos itens de segurança em automóveis é tema do programa Rádio Livre, da Rádio Bandeirantes, OBSERVATÓRIO comenta

Obrigatoriedade de 3 novos itens de segurança em automóveis é tema do programa Rádio Livre, da Rádio Bandeirantes, OBSERVATÓRIO comenta

A partir deste ano, os automóveis deverão sair de fábrica com 3 novos itens de segurança obrigatórios, no Brasil: o cinto de três pontos, o encosto de cabeça para todos os assentos do veículo e oferecer ao menos um ponto de fixação para o Isofix para cadeirinhas infantis. José Aurelio Ramalho, diretor-presidente do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária comentou sobre essa obrigatoriedade durante o programa Rádio Livre, da Rádio Bandeirantes.

Segundo Ramalho, esses novos itens de fábrica melhoram a segurança automotiva, principalmente para as crianças, além disso, comenta: “O OBSERVATÓRIO trabalhou muito na questão do ABS e do Airbag. A hora que você unifica esses modelos, você reduz o custo de produção desse equipamento e por isso, hoje é uma coisa absorvida, inclusive, isso não faz com que o veículo sofra aumentos de valores e de custos elevados”, diz.

O diretor-presidente do OBSERVATÓRIO fala que essa obrigatoriedade permite o debate que leva o consumidor a buscar e exigir cada vez mais por modelos e itens que prezem pela segurança de seus usuários. Como ele cita: “Essa exigência vem pela busca do produto, hoje por exemplo, é quase impossível você vender um veículo sem ar condicionado”, avalia.

Ramalho encerra alertando sobre a necessidade de alertar a sociedade para a percepção de risco e que só assim, ela mudará o comportamento: “Se uma mãe soubesse que a 30 km/h., o filho dela pode vir a óbito, se você falar isso na porta de uma maternidade para uma mãe, orientar a sociedade, eu tenho certeza que ela não vai deixar o filho dela sem o cinto, sem a cadeirinha”, conclui.

Ouça o programa completo:

No Comments

Post A Comment