OBSERVATÓRIO | OBSERVATÓRIO participa de audiência pública na Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados, em Brasília
23392
post-template-default,single,single-post,postid-23392,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

OBSERVATÓRIO participa de audiência pública na Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados, em Brasília

OBSERVATÓRIO participa de audiência pública na Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados, em Brasília

Aconteceu na terça-feira (26/11), na Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados, em Brasília (DF), a audiência pública que debateu as resoluções do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), e o projeto de lei do Poder Executivo (PL 3267/19) que altera o Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Entre os convidados, José Aurelio Ramalho, diretor-presidente do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, e o relações institucionais, Francisco Garonce estiveram presentes.

A comissão já aprovou a proposta que anula efeitos de resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) sobre o tema. A norma estabelece novas regras que entrariam em vigor até dezembro de 2022.

Francisco Garonce, relações institucionais do OBSERVATÓRIO, ressaltou que o desafio é promover uma mudança geral de comportamento. “Não podemos negligenciar a questão do fator humano para a segurança viária. E isso, está relacionado à educação, à formação para o trânsito”.

Segundo Ramalho enfatiza: “Se você pegar saúde, educação, moradia, emprego são problemas sociais que vão levar décadas para serem resolvidos, mesmo que eu tenha muito dinheiro. Agora, educação para o trânsito, não depende do presidente, de nenhum deputado, do governador, não depende do CFC, depende apenas da sociedade”.

Ramalho argumenta: “Em nome do OBSERVATÓRIO eu gostaria de agradecer o convite e mais uma vez faço um apelo, de que é emergente essa decisão para a nova formação do condutor. Que modelo será esse? A gente tem um trabalho de sete anos que não pode ser jogado fora. Eu acho que o Justino fez uma defesa muito clara e muito profunda do que aconteceu e a grande pergunta é: Por quê nós deixamos acontecer? Essa passividade que incomoda todos que estão nessa sala”, finalizando.

Assista à participação de José Aurelio Ramalho e Francisco Garonce:

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

 

Sem comentários

Escreva um comentário