OBSERVATÓRIO | Pesquisa Revela os Principais Motivos dos Acidentes
2067
post-template-default,single,single-post,postid-2067,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Pesquisa Revela os Principais Motivos dos Acidentes

Pesquisa Revela os Principais Motivos dos Acidentes


Pesquisa Revela os Principais Motivos dos Acidentes
WebMotors foi convidado para conhecer de perto o lançamento de a nova linha de pneus da Michelin. Denominado de Primacy 3, o composto promete ser mais eficiente em uma série de ocorrência.
Porém, um dos momentos mais interessantes da apresentação do novo “pisante” ficou por conta da explanação de José Aurélio Ramalho, diretor presidente da ONSV (Observatório Nacional de Segurança Viária), organização sem fins lucrativos preocupada com os altos índices de acidentes no trânsito brasileiro e que desenvolve ações de segurança viária e veicular.
Segundo Ramalho, o Brasil é um dos únicos países da América Latina que conta com uma legislação completa sobre o trânsito. Ou seja, consegue atuar no excesso de velocidade e de bebida, no uso do capacete e no do cinto de segurança, assim como no transporte de crianças. Contudo, o que falta é a fiscalização. “Para ter ideia só ¼ das cidades nacionais tem o trânsito municipalizado”, explica ele.
Outro item desmistificado pelo diretor é que a maioria dos acidentes, no Brasil, acontece em condições favoráveis para o motorista. Ou seja:
– 81% dos acidentes ocorrem em vias em boas condições;
– 60% dos acidentes ocorrem durante o dia;
– 67 % dos acidentes ocorrem em pistas secas;
– 66% dos acidentes que ocorrem em piso molhado são em retas.
Outros dados importantes da organização sobre os tipos de acidentes são:
– 25% são colisões traseiras;
– 18% ocorrem em saídas de pistas;
– 12% colisão lateral no mesmo sentido (mudança de faixa);
– 9% choque com algum objeto fixo.
Já os “culpados” por gerarem as principais ocorrências são:
– Excesso de velocidade, curta distância para o veículo da frente, não obediência das sinalizações, ultrapassagens equivocadas, sonolência do motorista, celular e o uso de drogas. Ramalho acrescenta que para cada 10 km a mais, empurrado no acelerador, mais 10 metros são necessários para “estancar” o automóvel.
Um dado que incomoda, está no fato de o Brasil (3º no ranking mundial de países com maior índice de acidentes fatais) registrar 4,5 acidentes com morte por hora, 110 acidentes por dia, totalizando 40.000 por ano.
WebMotors viajou a convite da Michelin. No decorrer da semana falaremos mais sobre a segurança viária.
Fonte: Webmotors

Sem comentários

Escreva um comentário