OBSERVATÓRIO | Rio de Janeiro recebe Seminário “A Lei do Desmonte”, nesta quarta, dia 19
2941
post-template-default,single,single-post,postid-2941,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Rio de Janeiro recebe Seminário “A Lei do Desmonte”, nesta quarta, dia 19

Rio de Janeiro recebe Seminário “A Lei do Desmonte”, nesta quarta, dia 19


Rio de Janeiro recebe Seminário “A Lei do Desmonte”, nesta quarta, dia 19

ONSV integrará mesa de debates para abordar acidentes

Depois do sucesso da primeira edição do Seminário “A Lei do Desmonte, Acidentologia e Vitimação no Trânsito”, em São Paulo, na semana passada, agora mais dois eventos sobre essa mesma temática já estão programados para o mês de agosto.

Na próxima quarta, dia 19, o Rio de Janeiro recebe o evento organizado pela FENACOR – Federação Nacional dos Corretores de Seguros Privados e de Resseguros, de Capitalização, de Previdência Privada, das Empresas Corretoras de Seguros e de Resseguros), com o apoio da Escola Nacional de Seguros e FenSeg; e no dia 29 de agosto, sábado, Curitiba, também terá uma edição do seminário.

O Seminário no Rio de Janeiro será realizado, a partir da 15horas, no Windsor Atlântico, na Av. Atlântica, 1020, em Copacabana. O evento deve se estender até às 18h.

Nas próximas duas edições, o ONSV (OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária) integrará a mesa de debates. José Aurelio Ramalho, diretor da entidade, destacará o tema “Vitimação e Acidentalidade”.

O evento é destinado a corretores de seguros, executivos de seguradoras, autoridades do trânsito, meio ambiente e segurança pública para debater os efeitos da Lei Federal 12.977/14, também conhecida como “Lei do Desmonte”, em vigência desde o dia 20 de maio de 2015.

De acordo com o autor da Lei do Desmonte, o ex-deputado Armando Vergilio, a proposta do evento é debater, junto aos profissionais e autoridades, a formulação, estruturação e aplicabilidade da nova lei. assinala Vergilio.

Também presidente da Fenacor, Vergilio acrescenta ainda que a venda de peças ilegais é uma realidade do país que precisa mudar, pois afeta vários setores da sociedade, como segurança pública e o mercado de seguros.

O combate ao comércio clandestino de peças também deve diminuir os roubos e furtos. Em 2014, por exemplo, foram roubados ou furtados no Brasil mais de 516 mil veículos, o que representa uma média de 59 veículos roubados a cada hora, ou seja, um veículo roubado por minuto. Além disso, a lei regulariza as atividades de ferros-velhos.

Para o mercado de seguros, a expectativa é de que a lei promova redução dos índices de roubos e furtos de veículos no país. Outra vantagem será a possibilidade da criação de novos produtos voltados para veículos com mais de cinco anos de fabricação. Esse novo produto atingiria mais de 20 milhões de automóveis, que hoje trafegam totalmente desprotegidos, colocando em risco seus proprietários e terceiros, em caso de acidentes.

A participação no evento é gratuita, mas são necessárias inscrições antecipadas. Mais informações na Fenacor, pelo telefone 21 – 3077-4777 ou em seu site, no endereçowww.fenacor.org.br ou, ainda, junto à Escola Nacional de Seguros, no endereço: www.escolanacionaldeseguros.com.br

Sem comentários

Escreva um comentário