Observadores Certificados

REBOQUE EM AUTOMÓVEIS: VOCÊ CONHECE AS REGRAS DE USO?

Observador Certificado explica sobre uso correto em reportagem do jornal digital GZH

Escrito por Portal ONSV

09 JAN 2024 - 09H29

O Jornal Digital GZH, do Rio Grande do Sul, tirou dúvida dos leitores sobre as regras para o uso de reboque em automóveis, depois que um leitor foi abordado e teve uma suposta irregularidade encontrada no engate do seu veículo. O professor Carlos Félix, do Departamento de Transportes da UFSM (Universidade Federal de Santa Maria) e Observador Certificado, foi um dos especialistas consultados pela reportagem para explicar o uso correto do equipamento.

Entenda o caso

No dia 23 de dezembro, um morador do Litoral Norte do Rio Grande do Sul foi abordado na RS-786, conhecida como Interpraias, devido a uma suposta irregularidade no engate para reboque do seu automóvel, um Vectra fabricado em 1998. O veículo não veio de fábrica com o dispositivo, mas segundo o manual, a instalação seria permitida.

Os engates têm como finalidade possibilitar o acoplamento de reboques como trailers, carretinhas e mini trailers. O componente é produzido em metal com uma esfera maciça que viabiliza a conexão com o elemento rebocado, além de uma tomada para o acionamento das funções elétricas.

A partir do relato deste motorista, que preferiu não se identificar, GZH procurou especialistas em mobilidade e autoridades para responder a alguns questionamentos pertinentes aos condutores que trafegam pelas rodovias gaúchas utilizando estes dispositivos, principalmente no período de veraneio, quando as famílias transportam mobília ou mesmo barcos rumo ao litoral. Veja em tópicos na sequência.

Quem pode conduzir veículo com reboque?

Segundo o CRBM-RS (Comando Rodoviário da Brigada Militar do Rio Grande do Sul), os condutores das categorias B, C e D podem conduzir a combinação de veículos desde que o carro (unidade tratora) se enquadre na respectiva categoria de habilitação e respeite a capacidade máxima de carga. Já a unidade acoplada — reboque, semirreboque, trailer ou articulada — deve ter menos de 6 mil quilos de peso bruto total.

O professor Carlos Félix, do Departamento de Transportes da UFSM (Universidade Federal de Santa Maria) e Observador Certificado, elencou algumas medidas de segurança que considera essenciais para trafegar utilizando o dispositivo acoplado:

Certificar-se de que a carga esteja dentro da capacidade do equipamento, bem como se assegurar de que o equipamento esteja devidamente engatado e que o acoplamento permita iluminação e sinalização.

Atentar para velocidade segura, ou seja, a velocidade não deve ser a mesma utilizada sem o equipamento. Deve-se reduzir a velocidade ao dirigir com um reboque. O aumento do peso e a resistência ao vento podem afetar a capacidade de frenagem e a estabilidade do veículo.

Manter uma distância de segurança adequada, atendendo às questões de legislação e regulamentações previstas no CTB (Código de Trânsito Brasileiro).

“Entendo que, ao seguir essas práticas e considerações, os usuários podem colaborar com a segurança viária e ajudar a garantir que o uso de reboques em automóveis seja seguro e que todos na estrada estejam protegidos”, afirmou o professor.

Os requisitos para instalação do engate para reboque estão previstos na resolução 937/22 do Contran (Conselho Nacional de Trânsito). O texto prevê, entre outras medidas, que os engates utilizados em veículos automotores com até 3,5 mil quilos de PBT (Peso Total Bruto) deverão ser produzidos por empresas registradas junto ao Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia).

Os fabricantes e os importadores dos veículos são responsáveis por informar ao Contran os modelos de veículos que possuem capacidade para tracionar reboques, além de detalhar no manual do automóvel a especificação dos pontos de fixação do engate traseiro e a indicação da CMT (Capacidade Máxima de Tração).

Leia a matéria completa: https://gauchazh.clicrbs.com.br/transito/noticia/2023/12/entenda-as-regras-para-o-uso-de-reboque-em-automoveis-clqokwmc5004j013na41c7n0p.html

Foto: olandsfokus / stock.adobe.com/Divulgação.

Observatorio_uber_detran_rn_promovem_blitz_educativa_em_natal
Matérias

OBSERVATÓRIO, Uber e Detran-RN promovem blitz educativa em Natal/RN

O OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, a Uber, o Detran-RN (Departamento Estadual de Trânsito) do Rio Grande do Norte, a STTU (Secretaria de Mobilidade Urbana) de Natal, o CPRE (Comando de Polícia Rodoviária Estadual), o BPTRAN - Batalhão de Polícia de Trânsito do Rio Grande do Norte, a Honda e a equipe de teatro realizaram uma blitz educativa na última quinta-feira (29), na Avenida Engenheiro Roberto Freira, zona Sul de Natal, no Rio Grande do Norte.

Artigo_OC_Mercia_Gomes_analise_de_acidentes_com_inteligencia_artificial
Artigos

Análise de Acidentes com Inteligência Artificial: Aprimorando a Segurança da Frota

A inteligência artificial vem transformando muitos setores, e não poderia ser diferente na gestão de frotas. Pesquisas indicam que a IA pode gerar um crescimento econômico de até R$ US$ 13 trilhões até 2023 (fonte: Conversion)

Recife_pe_sem_radares
Observadores Certificados

Recife/PE sem radares: pendências no processo licitatório prejudicam fiscalização de velocidade

O programa da Rádio Jornal Recife da última segunda-feira (26), destacou as mais de 100 avenidas e ruas da cidade de Recife, no Pernambuco, totalmente desprovidas de fiscalização de velocidade e mais de 60 equipamentos desligados devido a pendências no processo licitatório. O mestre em Inovação e Desenvolvimento para o Trânsito, especialista em Fiscalização e Segurança e Observador Certificado, Emanoel Silva, falou à rádio como fica a situação de pedestres e ciclistas em casos como esse.

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Portal ONSV, em Observadores Certificados

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.