OBSERVATÓRIO | Amarelo Piscante em São Paulo Preocupa Observatório
882
post-template-default,single,single-post,postid-882,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Amarelo Piscante em São Paulo Preocupa Observatório

Amarelo Piscante em São Paulo Preocupa Observatório


Amarelo Piscante em São Paulo Preocupa Observatório

O Observatório alertou a Câmara Municipal de São Paulo quanto à ineficiência da medida e aumento do risco de acidentes se for posta em prática a determinação aprovada pelo plenário no sentido de acionar o modelo de funcionamento amarelo piscante para todos os semáforos da capital paulista entre as 23 e as 5 horas, diariamente.

A medida teria o objetivo de reduzir o índice de assaltos nos cruzamentos. De acordo com José Aurélio Ramalho, presidente do Observatório, no entanto, trata-se de uma proposição que só faz aumentar os perigos existentes na noite.

Utilizado pioneiramente em 1868, na capital londrina, o semáforo é uma ferramenta de controle de fluxo de veículos que se provou eficiente ao longo da história, a ponto de ser hoje universalmente adotada.

O sinal amarelo piscante alerta o motorista, mas não exige que pare completamente o veículo, apenas que diminua a velocidade. Pode-se imaginar a situação quando em um cruzamento todos os veículos seguirem, sem serem coordenados pelo semáforo. Em uma cidade que tem mais de 8 milhões de veículos e literalmente funciona 24 horas, boa parte dos cruzamentos mais movimentados  se tornará praça de guerra e de desordem no trânsito.

Acesse o manifesto enviado à Câmara Municipal de São Paulo.

Sem comentários

Escreva um comentário