Loader
Contran acata sugestão do OBSERVATÓRIO e revoga resolução que multa pedestres e ciclistas
20595
post-template-default,single,single-post,postid-20595,single-format-standard,bridge-core-2.3.6,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-22.2,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.2.0,vc_responsive

Contran acata sugestão do OBSERVATÓRIO e revoga resolução que multa pedestres e ciclistas

Contran acata sugestão do OBSERVATÓRIO e revoga resolução que multa pedestres e ciclistas

“A atitude tomada é acertada, visto que ainda precisamos oferecer a educação para o trânsito a todos, especialmente àqueles que nunca tiveram contato com o CTB”

O Contran revogou a resolução nº 706/2017, que previa a aplicação de penalidades por infrações de trânsito a pedestres e ciclistas. O Conselho acatou sugestão feita pelo OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária e entendeu que o assunto exige discussões que envolvem engenharia, educação e fiscalização de trânsito. “Antes de estabelecer sanções, deve-se promover efetiva campanha educativa para que todos os envolvidos no trânsito respeitem aqueles que são mais vulneráveis e que eles próprios saibam como ter uma atitude preventiva de acidentes”, posicionou-se o órgão. A fiscalização de pedestres e ciclistas, era prevista para ter início no dia 1º de março deste ano.

O OBSERVATÓRIO congratula o Contran pela revogação. “A atitude tomada é acertada, visto que ainda precisamos oferecer a educação para o trânsito a todos, especialmente àqueles que nunca tiveram contato com o CTB (Código de Trânsito Brasileiro)”, assevera José Aurelio Ramalho, diretor-presidente do OBSERVATÓRIO

Para o OBSERVATÓRIO, o principal motivo que ratifica a inviabilidade da medida diz respeito à ausência da Educação para o Trânsito nas escolas, determinação prevista no CTB, mas que ainda não recebeu a devida atenção do Poder Público.

Com as noções do que é o trânsito e o que ele representa no dia a dia, o cidadão tem condições de evitar situações de risco e, consequentemente, evitar infrações que podem ser imputadas também àqueles que realizam deslocamentos a pé ou de bicicleta.

“O caminho correto e natural é, primeiro educamos e posteriormente punimos aqueles que não venham a respeitar o que determina a lei.”, finaliza o diretor-presidente do OBSERVATÓRIO.

2 Comments
  • Alex Azevedo
    Posted at 13:04h, 07 março Responder

    São Paulo, segunda-feira, 16 de janeiro de 1995
    Próximo Texto | Índice

    Maluf obriga cinto também para ônibus;

    Esta matéria estampada há 24 anos na Folha, retrata “um pensamento louco”, que posteriormente fora espalhado Brasil afora.
    Caso esperássemos Campanhas Educativas à época, esta medida não seria adotada tão cedo. Antes que acreditem ser partidário de Maluf, vos afirmo que não sou. Apenas não acredito que numa estrutura fracionada com a qual convivemos, relativa ao Trânsito no Brasil, devamos aguardar que Estados lenientes e perdulários, venham a tomar iniciativas em prol dos cidadãos e/ou da coletividade.
    Então não acredito que num momento em que todos são chamados à responsabilidade, possamos esquecer estes “atores” que compõe sim o trânsito. Refiro-me a pedestres e ciclistas, que seriam instados a colaboradores para a melhoria do trânsito nacional, mas que agora com a revogação, serão mais uma vez tratados “como vítimas” e não assumirão as suas responsabilidades no processo.
    Todos em algum momento da vida são pedestres, condutores, ciclistas, entre outros papeis desempenhados no nosso caótico trânsito brasileiro. Deixar este ou aquele participante deste processo livre de responsabilidades e punição não vai colaborar em nada.

  • REINALDO LUIZ
    Posted at 00:12h, 09 março Responder

    Parabéns pela atitude do Observatório, os pedestres e ciclistas, não estão preparados para sofrer essas penalidades. O governo por sua vez, está atrás de arrecadação. Primeiro tem que trabalhar com campanhas educativas e fiscalização de orientação. Como não temos gestores administrativos. Morre por enquanto nisso. Revogado.

Post A Comment