Loader
“Não se trata de um vírus ou uma doença letal. No trânsito, é gente matando gente”
25958
post-template-default,single,single-post,postid-25958,single-format-standard,bridge-core-2.3.6,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-22.2,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.2.0,vc_responsive

“Não se trata de um vírus ou uma doença letal. No trânsito, é gente matando gente”

“Não se trata de um vírus ou uma doença letal. No trânsito, é gente matando gente”

Só em guerras ou crimes, pessoas matam pessoas e nessas situações a sociedade repudia e se mobiliza

O caderno Mobilidade do Estadão publicou na última sexta-feira (13/11), o artigo escrito pelo OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária sobre o Dia Mundial em Memória às Vítimas de Trânsito. Nele, José Aurelio Ramalho, diretor-presidente do OBSERVATÓRIO, faz uma análise sobre o atual cenário da segurança viária no Brasil e as dificuldades encontradas para atingir reduzir os altos números de sinistros de trânsito.

“Não se trata de um vírus ou uma doença letal. No trânsito, é gente matando gente. Só em guerras ou crimes, pessoas matam pessoas e nessas situações a sociedade repudia e se mobiliza. Essas notícias têm destaque e causam comoção. Mas, as ocorrências de trânsito que tiram a vida ou deixam severamente feridos milhares de brasileiros, não recebem o mesmo tratamento”, argumenta Ramalho.

Desde 1995, entidades não governamentais da Europa se uniram e escolheram o terceiro domingo de novembro para celebrar as vítimas das ocorrências de trânsito. A data foi adotada pelas Nações Unidas em 2005 e, desde então, o mundo todo celebra o “Dia Mundial em Memória às Vítimas de Trânsito”. Aqui no Brasil, alguns eventos marcaram o dia que, excepcionalmente este ano, coincidiu com as eleições municipais no País.

No último Relatório Global de Segurança Viária, publicado em 2018, a OMS (Organização Mundial de Saúde) afirmou que 1,35 milhão de pessoas são vítimas do trânsito todos os anos no mundo e que na faixa etária de 05 a 29 anos, esta é a principal causa de morte. Mais da metade dessas mortes ocorrem em países em desenvolvimento e as principais vítimas estão a pé, de bicicleta ou de motocicleta. O mesmo Relatório também mostra que as ações realizadas pelos países nos últimos anos para cumprir a meta 3.6 dos ODS (Objetivos do Desenvolvimento Sustentável) que prevê uma redução em 50% no número total de mortes no trânsito no mundo, está bem longe de ser alcançada.

Leia o artigo completo em: https://mobilidade.estadao.com.br/mobilidade-com-seguranca/dia-mundial-em-memoria-as-vitimas-de-transito/

Artigo publicado originalmente no caderno Mobilidade do Estadão, em 13/11/2020

Imagem: car crash em Picspree

No Comments

Post A Comment