OBSERVATÓRIO | Observatório alerta sobre ilegalidade dos tachões e seus prejuízos
15172
post-template-default,single,single-post,postid-15172,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Observatório alerta sobre ilegalidade dos tachões e seus prejuízos

Observatório alerta sobre ilegalidade dos tachões e seus prejuízos


Observatório alerta sobre ilegalidade do dispositivo e seus prejuízos

Apesar de proibição, “tartarugas ou sonorizadores” persistem

no sistema viário, em todo o país

Se você é motorista já viveu o desconforto de trafegar sobre tachões nas ruas e avenidas da cidade, conhecidas popularmente como tartarugas ou sonorizadores; e já teve aquela sensação de grande trepidação ao passar por esse tipo de dispositivo e, de imediato, a desconfiança de que seu veículo poderia ser danificado; saiba que a sua desconfiança já foi confirmada até pelo CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito) que, desde 2009, proíbe as “tartaguras” no sistema viário.

A Resolução do CONTRAN que trata desse tema é a 336/2009, e prevê que as tartarugas deveriam ser banidas do trânsito há mais de seis anos. Mas basta circular pelo país para perceber que elas estão aí, em muitas vias e até rodovias, de forma irregular.

O resultado dessa ilegalidade são prejuízos para os condutores, para o poder público, pois elas também danificam o asfalto e, podem até causar acidentes e não preveni-los, como se propagava antes da manifestação do CONTRAN.

O IBRADEC – Instituto Brasileiro de Defesa da Cidadania – já reforçou a necessidade do cumprimento dessa medida, alegando os transtornos das tartarugas para os condutores e também ressaltou que a permanência desses dispositivos atentava contra a questão até educacional, relacionada ao desrespeito a uma legislação nacional.

Em Fortaleza, o tema entrou em pauta novamente neste ano. E os dispositivos vêm sendo combatidos por vereadores que usam nas suas justificativas não só a Resolução 336, mas também um parecer técnico do especialista em Gestão e Direito de Trânsito, Luis Carlos Paulino sobre essa matéria para o IBRADEC.

No parecer, Paulino argumenta que esses dispositivos são ilegais, antipedagógicos e, ainda, reforça que a sinalização desses equipamentos é equivocada, pois os motoristas são alertados dos sinalizadores como se fossem lombadas. “É usada a placa de advertência A18: (Saliência ou lombada) para sinalizar um obstáculo montado com tachões”. Segundo o especialista, “adverte-se para uma situação e a que se apresenta na via é outra bem diferente.”

Esse cenário também tem preocupado o ONSV (OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária), sobretudo, por não se tratar de um problema isolado ou localizado.

“Em todo o Brasil, é possível perceber a persistência das tartarugas na vias e com elas todos os riscos e o desrespeito à legislação de trânsito. Em muitos casos as próprias entidades de trânsito – acreditem – depois de seis anos não assimilaram a proibição”. Em postos da Polícia Rodoviária, os dispositivos ainda estão instalados, descumprindo a determinação do CONTRAN. Quem deveria ser modelo no cumprimento da Lei, acaba também “desprezando” a legislação de trânsito, critica o OBSERVATÓRIO.

Veja em resumo o que diz a Resolução:

A Resolução 336, de 24 de novembro de 2009, do CONTRAN, estabelece que: “a aplicação de tachas e tachões transversalmente à via como dispositivo de redutor de velocidade, ondulações transversais ou sonorizadores causa defeitos no pavimento e danos aos veículos [sendo, por isso,] proibida a utilização”.

Leia sobre esse assunto o artigo do especialista em Gestão e Direito de Trânsito, Luis Carlos Paulino aqui:


2 Comentários
  • Fernando Silva de Palma Lima
    Postado às 21:26h, 09 julho Responder

    A proibição dos tachoes não deve ser apenas transversal à pista de rolagem. Essas tachas cortam o pneu e causam acidente longe do local onde o mesmo foi cortado, tornando dificílima a comprovação da causa do acidente. Ao estado, compete SINALIZAR as rodovias e vias JAMAIS criar um OBSTÁCULO CAUSADOR DE ACIDENTES.

  • Joel Antunes da Conceição
    Postado às 14:07h, 20 Fevereiro Responder

    Como já citado acima pelo colega Fernando, a proibição dos tachões não deve ser apenas transversal à pista de rolagem, também no sentido longitudinal (utilizados em separação de duas vias).devem ser proibidos.
    Sou morador de Caraguatatuba -SP. Segunda feira dia 19/02/18 as 14:00h estava com meu veiculo trafegando pela avenida da praia, mais precisamente sobre a ponte do indaiá no sentido centro, a sinalização de separação das viias contrarias é feita com tachões, percebi que havia um deles solto e fora de posição, nesse exato momento um ônibus no sentido contrario ao meu passou sobre ele arremessando contra meu carro indo se chocar direto na coluna da porta acima do retrovisor.
    Eu estava com o vidro aberto, e por Deus, por frações de segundos, e por alguns cm, esse tachão não me atingiu a cabeça.

Escreva um comentário