Loader
OBSERVATÓRIO comenta projeto para 2020, com o Programa Vida no Trânsito
23547
post-template-default,single,single-post,postid-23547,single-format-standard,bridge-core-2.3.6,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-22.2,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.2.0,vc_responsive

OBSERVATÓRIO comenta projeto para 2020, com o Programa Vida no Trânsito

OBSERVATÓRIO comenta projeto para 2020, com o Programa Vida no Trânsito

O II Fórum Vida no Trânsito que aconteceu em Salvador (BA), no dia 28 de novembro, e que possibilitou ao OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária (ONSV), revelar as ações práticas que desenvolve e contribuem para a segurança viária, também serviu para destacar as ações que serão desenvolvidas em 2020.

Conforme o relações institucionais do OBSERVATÓRIO, Francisco Garonce, comentou durante o evento, Salvador é uma das capitais que teve o melhor desempenho em termos de redução de acidentalidade, mortes e lesões no trânsito, e visando essa iniciativa da gestão local, o OBSERVATÓRIO apresentou o Programa EDUCA formalmente.

Segundo Garonce: “Estas ações foram inicialmente muito bem fundamentadas com a fiscalização em relação à engenharia, inclusive em relação em primeiros socorros às vítimas de acidentes de trânsito. As ações de educação ainda estavam sem um norte, então, aproveitamos essa oportunidade do seminário para mostrar o programa EDUCA. Explicar que é através dele que nós vamos conseguir mudar não só o comportamento, mas principalmente a atitude das pessoas e isso, só se faz através de processos educativos, em que os indivíduos não deixam de cumprir a lei para não serem punidos, e passam a cumprir porque internalizam o entendimento de que, a atitude segura no trânsito existe para proteger o indivíduo, a sociedade e a convivência harmônica. Esse eu acredito que seja o ponto mais alto”, enfatiza.

O relações institucionais revela que Programa Vida no Trânsito está na pauta de trabalho do OBSERVATÓRIO de 2020, para que o ONSV seja o elemento que agregue valor a esse processo. Garonce explica que o OBSERVATÓRIO dará assessoramento aos municípios que estiverem efetivamente interessados em participar do Programa Vida no Trânsito e que não participam por desconhecimento.

Garonce esclarece: “Ao mesmo tempo estamos trabalhando junto ao Ministério da Saúde para fazer com que as regras sejam esclarecidas e sejam colocadas de uma forma tal que os municípios participem, porque é um investimento muito bem feito pelo Governo Federal, uma vez que, aquilo que se investe em educação, ações de engenharia e de fiscalização na área de trânsito se revertem em uma economia que é muito maior, principalmente quando a gente fala das despesas relacionadas a internações e a tratamentos decorrentes dos eventos de trânsito”, conclui.

O Programa Vida no Trânsito (PVT)

O Programa “Vida no Trânsito” é a nomenclatura, no Brasil, do Projeto Road Safety in Ten Countries (ou “RS-10”), voltado à redução das mortes e lesões causadas no trânsito em 10 países, com o financiamento da Fundação Bloomberg e coordenação global da Organização Mundial de Saúde (OMS) e suas agências regionais. No Brasil, o Projeto é desenvolvido em cinco cidades: Belo Horizonte; Campo Grande; Curitiba; Palmas e Teresina e conta, além do suporte da Organização Pan-americana de Saúde (OPAS/OMS no Brasil), com o aporte técnico e financeiro do Governo Federal.

Coordenada pelo Ministério da Saúde conjuntamente com a OPAS, é acompanhada por uma Comissão Nacional Interministerial. O PVT, apoiado por parceiros  nacionais e internacionais, tem seu foco na redução das mortes e lesões graves no trânsito a partir da qualificação da informação, de ações planejadas, desenvolvidas e executadas intersetorialmente e na ênfase em dois fatores de risco: direção sob efeito de bebida alcoólica e velocidades incompatíveis, além de outros, a depender das particularidades locais.

No Projeto, as ações voltadas à redução da morbimortalidade no trânsito recorrem à Estratégia de Proatividade e Parceria (EPP) desenvolvido pela ONG parceira Global Road Safety Partnership (GRSP) e envolvem a interação de órgão gestores dos setores de saúde, trânsito, transporte e segurança pública mas também, em diferentes níveis, as áreas de educação, comunicação, planejamento, ministérios públicos, conselhos comunitários, entidades corporativas e outros segmentos da sociedade. A avaliação do Projeto Vida no Trânsito é coordenada pela Unidade Internacional de Pesquisas em Lesões da Escola de Saúde Pública da Johns Hopkins University, associada a três universidades brasileiras: UFMG, UFRGS e PUC-PR.

129 Comments
  • Juan Ramón Soto Franco
    Posted at 14:36h, 04 fevereiro Responder

    É importante e necessária a divulgação da metodologia e objetivos do Programa Vida no Trânsito. É evidente em muitos municípios o desconhecimento deste programa, e nisso certamente poderá contribuir o ONSV dando força com sua identidade para a divulgação mais abrangente do programa. Os encontros estaduais e o Fórum Nacional tem contribuído para divulgação das ações, projetos e outras medidas adotadas para aumentar a segurança no trânsito nos municípios que aderiram ao programa Vida no Trânsito e que merecem ser copiados.

  • washington felippe pereira
    Posted at 15:24h, 09 fevereiro Responder

    Um dos pontos mais importantes e que foi observado é que sem educação para o trânsito a gente percebe que a maioria dos condutores age de forma segura para evitar ser alvo da fiscalização. Falar no comprometimento através da educação e conscientização em busca de um trânsito mais seguro é elevar o conceito de cidadania criando artifícios que venham contribuir de forma mais efetiva para que nós tenhamos o trânsito que tanto sonhamos. A abrangência importante e de destaque como o “Programa Vida No Trânsito” precisa romper fronteiras e chegar a outros estados e municípios que venham agregar valor para índices cada vez menores de mortes e acidentalidade.

  • Claudio kalleder
    Posted at 16:48h, 10 fevereiro Responder

    O Programa Vida no Trânsito será de grande valia para que os municípios interessados articulem a aplicação de recursos em planejamentos e ações que tenham por objetivo identificar as características do trânsito e necessidades específicas de cada localidade.

    Um dos pontos mais importantes do programa é incentivar ações de educação. De fato, o trânsito é feito pelas pessoas, onde as encolhas individuais de cada um se refletem não individualmente sobre quem as tenha praticado, mas coletivamente. Os resultados das ações praticadas acabam envolvendo toda a coletividade, mesmo que indiretamente (gastos de R$ pelo SUS, dinheiro esse que poderia ser usado para a melhoria dos hospitais).

    Com a participação de todos – sociedade civil e governos – interessados em fomentar ações que diminuam os acidentes e seus impactos sociais, todos teremos benefícios. Um excelente Projeto, que deve ser expandido á todo o Brasil.

  • Luciane Ribeiro dos Santos de Moura
    Posted at 12:41h, 11 fevereiro Responder

    O Programa Vida no Trânsito contempla uma metodologia de trabalho com objetivos claros e precisos. Traz o tripé: educação, engenharia e fiscalização para ser trabalho em conjunto, além de mobilizar a sociedade em prol do trânsito, através de comissão intersetorial de segurança. Tem como objetivos elaborar planejamento conjunto de ações, envidar esforços no sentido de integrar outros órgãos, instituições e entidades parceiras para a realização do projeto, entre outros. Cascavel está no programa desde 2017 e estamos obtendo resultados quanto a melhoria no trânsito. Conseguimos participar ativamente com sugestões para o tripé, além de por em prática projetos.

  • JOSE ALFREDO BRANDAO E SOUSA
    Posted at 08:56h, 12 fevereiro Responder

    Muito bom. Vivemos num planeta globalizado, apesar das diferenças culturais de cada povo, de seus problemas, de seus modos de vida, território, ou seja, os problemas e dificuldades são de interesse de todos os seres viventes neste planeta. É preciso que os Governos entendam que a prevenção custa muito menos do que a remediação. Gastamos hoje no Brasil bilhões de reais para remediar as morbimortalidades no Trânsito. Conseguimos perfeitamente calcular estes custos através de planilhas, que demonstram os gastos no setor de saúde, da economia, dos transportes e principalmente, os custos da dor, da perda de pessoas da família, causando doenças muitas vezes invisíveis ao poder público, como a depressão. Cada pessoa morta, mutilada, incapacitada por acidentes de trânsito, interfere na vida de muitas outras pessoas. O projeto EDUCA se apresenta como uma inovação, principalmente para os municípios, posto que o futuro é o da municipalização do Trânsito, posto que fica mais fácil detectar problemas e soluções, pois se conhece de perto a cultura dos munícipes, seu modo de vida, suas peculiaridades, seus tipos de vias, sua geografia territorial, por fim, nosso país possui dimensões continentais e nada mais coerente do que administrar o trânsito em frações, para que o todo seja beneficiado. A solução mais óbvia é Educar desde a primeira escola, fazer com que os chefes do executivo e legislativo municipais se envolvam nesta missão, posto que trânsito é um fenômeno social, e ninguém consegue estar fora do mesmo. Conscientizar, promover o conhecimento para que haja a mudança de comportamento da população, onde os direitos coletivos sobressaiam mais que os individuais e o respeito seja mutuo, onde as regras sejam respeitadas e não temidas.

  • Pingback:OBSERVATÓRIO | OBSERVATÓRIO fala ao AUTOPAPO sobre desafios para diminuição de mortes no trânsito no país
    Posted at 09:00h, 12 fevereiro Responder

    […] década 2011-2020, no Brasil, tem como destaque a cidade de Salvador (BA), local onde aconteceu o II Fórum Vida no Trânsito. No encontro, o OBSERVATÓRIO revelou as ações práticas que desenvolve e contribui para a […]

  • LEANDRO CUNHA DA SILVA
    Posted at 11:31h, 12 fevereiro Responder

    É importante dar valor e destacar os locais onde a vida esta sendo valorizada no contesto do trânsito, mesmo sendo uma obrigação preserva-la, e Salvador deu um ponta pé inicial, despertando o desejo de que é possível diminuir as mortes e lesões no trânsito. Esses resultados positivos fundamentam o projeto para 2020 com o programa vida no trânsito, que vai ser muito útil na preservação da vida.

  • Amilton Reis dos Santos
    Posted at 14:31h, 12 fevereiro Responder

    Estou ansioso por me tornar um observador e poder estar junto ao poder publico da minha cidade, Nova Iguaçu/RJ, para implementar esses programas elaborados e implementados em outras cidade pleo Observatório Nacional de Segurança Viária Veicular.

  • MARCELO WILIANS NEMESIO
    Posted at 18:44h, 13 fevereiro Responder

    Ja que estamos chegando ao decanato promovido pela OMS onde vários países aderiram inclusive o nosso, para diminuição dos altos índices em mortandade de acidentes de transito, nada mais justo do que seguir esta ideia, onde estaremos somando com os demais representantes de forma a diminuir esses índices. Parabenizo a todos que irão participar.

  • Sidnei Araújo
    Posted at 23:52h, 13 fevereiro Responder

    O projeto EDUCA é magnífico, o difícil é conscientizar os gestores, principalmente na esfera municipal, que na maioria das vezes são pessoas indicadas politicamente sem conhecimento algum de segurança viária, descomprometido com a causa. Acredito que o prefeito deveria exigir que as pessoas de sua confiança se qualificassem para assumir a grande responsabilidade em ser uma autoridade de trânsito.

  • Carlos Henrique Ferreira de Mello
    Posted at 01:11h, 14 fevereiro Responder

    A transparência como as coisas são apresentadas dão maior credibilidade aos participantes do evento e ao patrocinador. Os Programas EDUCA e VIDA NO TRÂNSITO são claros na medida em que buscam investimentos em educação no trânsito e também exprimem um desejo de mudança não só no comportamento, mas principalmente nas atitudes das pessoas em relação a um trânsito mais seguro que proteja o indivíduo, a sociedade e a convivência harmônica entre condutores e pedestres, Afinal de contas, todos somos pedestres.

  • Valter Ferreira da silva
    Posted at 10:43h, 16 fevereiro Responder

    O programa é de suma importância para a sociedade num todo, no entanto, é de suma importância a conscientização de todos, condutores ou não, principalmente dos administradores do trânsito em âmbito municipal., fala-se tanto da educação para o trânsito, porém, ouço muito é discurso, na pratica, boas ações são colocadas de lado, muitas vezes privando pela fiscalização eletrônica e física.
    Sou defensor de um trânsito, igualitário de respeito mututo pelo uso do espaço publico, de forma ordeira e, começa lá no município, onde tudo acontece. Este projeto de cunho social e de extrema relevância, tiver adesão dos municípios será sucesso garantido.

  • FABIO MOUTINHO BUENO turma 3 obser. Certif.
    Posted at 19:14h, 16 fevereiro Responder

    É bom e estimulante ver programa como esse sendo divulgados e executados pelo Brasil. Precisamos de mais iniciativas como essa.

  • Sidnei Araújo
    Posted at 08:18h, 17 fevereiro Responder

    O Programa Vida no Trânsito (PVT) projeto muito bem elaborado e divulgado, é uma das soluções para diminuir os acidentes de trânsito, pois trabalha justamente a educação de todos os atores no trânsito. A tarefa com maior dificuldade, será a conscientização dos gestores público de transporte, trânsito e mobilidade urbana em abraçar esta causa.

  • Antônio Peixoto de Melo
    Posted at 21:53h, 18 fevereiro Responder

    Vejo que se faz necessário a divulgação do Programa Vida no Trânsito, assim também como outros projetos e ações do ONSV. Pude perceber que há desconhecimento por parte de profissionais e inclusive por prefeituras. Percebi isso quando trabalhei em várias cidades em Pernambuco ministrando cursos profissionais pelo SEST SENAT para condutores. Sinceramente tenho conhecimento bem recentemente sobre o EDUCA e outros produtos do ONSV.

  • Elmir Jorge Schneider
    Posted at 22:29h, 22 fevereiro Responder

    Trabalhar a educação para o trânsito de forma mais intensa junto com a sociedade e principalmente no ambiente escolar, pode ser considerado como um investimento para o poder público, na medida em que reduz de forma considerável as vítimas a médio e longo prazo. Estas vítimas que deixarão de usar o sistema único de saúde, pode ser transformado em economia quando o governo deixa de gastar com leitos hospitalares.

  • JOSE EDIVO PEIXOTO FILHO
    Posted at 13:49h, 25 fevereiro Responder

    Trabalhos tão relevantes como o projeto vida no trânsito- PVT carecem de ampla divulgação. É necessário que a metodologia seja também disponibilizada para que possamos replicar pelo resto do país ações tão relevantes que sem duvida reduzem os índices de acidentalidades.

  • Bruna de Oliveira Seiboth
    Posted at 18:05h, 25 fevereiro Responder

    Cada ação associada a reduzir os índices de acidentes no trânsito são validas. Cabe a coordenação do projeto conseguir uma boa divulgação para este e fazer com que motive as pessoas a participar, apoiar e aderir a causa.

  • ANTONIO CARLOS GOMES
    Posted at 07:37h, 26 fevereiro Responder

    bom dia o programa vida no transito foi criado com o intuito de reduçao de mortes e feridos causados por veiculos automotores.com participaçao efetiva da organização mundial de saude,no Brasil esta sendo coordenada pelo ONSV,engajando as cinco maiores capitais de grnade porte mais com foco em todos os municípios para vencer esta luta.

  • Mauro Silva - Recife/PE
    Posted at 21:47h, 29 fevereiro Responder

    Uma Curiosidade e que sempre me pergunto, porque essas coisas boas não se inicia aqui pelo Nordeste??? E acrescento mais uma questão, como o “Programa Vida No Trânsito” com tal relevância conforme descrito não iniciou-se por cidades com o maior números de vítimas no transito??? Já que tantos observam que sem educação para o trânsito agente padece e a maioria dos condutores age de forma rude e com desejo e vontade acima do normal para evitar ser alvo da fiscalização. Falar no comprometimento através da educação e conscientização em busca de um trânsito mais seguro se faz necessário iniciar-se no ensino fundamental. Mudar a grade curricular dos atuais curso de Atualização da Res.168 e padronizar um nivelamento dos instrutores teóricos.

  • HELIO DIAS DE SOUZA
    Posted at 22:03h, 29 fevereiro Responder

    O PVT que está sendo desenvolvido em cinco cidades brasileiras, além de divulgação, acredito que poderia ser desenvolvido em oustos municípios com morbimortalidade até mais alta do que esses cinco com mais urgência, pois as metas 2011-2020 que foram prorrogadas, não devem esperar mais por governantes que não se comprometem com o bem estar da sociedade em que vivem, esquecendo-se que esses, também estão inseridos no mesmo problema da sociedade que o elegeu.
    Precisamos provar com os números que aí estão e que oscilam de ano para ano com reduções quase insignificantes, que devemos fazer muito mais.

  • Samir Moussa
    Posted at 20:20h, 01 março Responder

    O Programa Vida no Trânsito é um projeto que todos os municípios devem ter o conhecimento da importância desse programa pois o maior objetivo é salvar vidas. Com em relação ao EDUCA eu tenho comentado com várias pessoas que o adulto a gente não educa mais mesmo ele sendo fiscalizado e até penalizado e concordo que a solução é a educação nas crianças começando com seus 8 anos e quando ele tiver 18 anos ele vai ter o verdadeiro conhecimento e a realidade do que é o Transito e já vai ter a noção para ser habilitado.

  • Priscila Sauthier
    Posted at 22:22h, 01 março Responder

    O Programa Vida no Trânsito, abraçado pelo Observatório, demonstra a preocupação com a segurança do trânsito; interagindo com órgãos e instituições nacionais e internacionais com o objetivo de engajar a maior parte dos estados e municípios possíveis em ações voltadas para a redução de acidentes de trânsito e educação da sociedade quanto ao tema.

  • Edenilton Barros Ferreira
    Posted at 10:38h, 02 março Responder

    COM O PROJETO VIDA NO TRÂNSITO, VEJO COM UMA GRANDE vitória PARA TODOS OS USUÁRIOS QUE TRANSITA NAS VIAS, A GRANDEZA DO PROJETO EM OFERECE PARA AS PESSOAS CONTEÚDO COM INFORMAÇÕES QUE PODE E VEM transformar A MANEIRA E APOSTURA DO CONDUTOR DE VEÍCULOS DIRIGIR PRINCIPALMENTE.
    ENTENDO QUE O PROJETO VIDA NO TRÂNSITO, JUNTO COM A PARTICIPAÇÃO DOS ÓRGÃO E EMPRESAS E PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE, NO MOMENTO QUE APRESENTAREM OS PROJETOS E OS BENEFÍCIOS QUE TRARÃO PARA QUER POSSAMOS A CADA PERÍODO CONTABILIZAR A DIMINUIÇÃO DE ACIDENTES E MORTE NO Trânsito DE CRIANÇAS,JOVENS,IDOSOS, COM O ÁPIS DE CONSEGUIR A PAZ NO Trânsito.
    VIDA NO TRÂNSITO, QUE SIRVA PARA PASSAR PARA TODOS OS USUÁRIOS A IMPORTÂNCIA DE SE CUMPRIR AS NORMAS E LEIS TER O ENTENDIMENTO E A COMPRESSÃO DO RIGOR DA LEIS DAS SINALIZAÇÕES COLOCADA DEVIDAMENTE, INCLUINDO A PARTICIPAÇÃO INTEGRAL DOS MUNICÍPIOS, COM PESSOAS QUE COMPROMISSADAS E DEREM CONTINUIDADES NOS PROJETOS E NAS ACOES DE EDUCAÇÃO PARA O Trânsito E NA REDUÇÃO DE ACIDENTES.

  • Diego da Silva marques
    Posted at 14:17h, 02 março Responder

    A cidade de Porto Alegre conta com os estudos do programa Vida no Trânsito, ao acompanharmos as análises percebemos que o estudo técnico executado pelo programa faz com que os órgãos de segurança responsáveis troquem informações e cada ve mais qualifiquem os resultados. Na coordenação de Educação para Mobilidade da EPTC Porto Alegre tem como base os resultados de perfil de vítimas obtidos pela análise do programa para criarem as campanhas educativas que são executadas pelo município.

  • Joaquim Alves do Carmo
    Posted at 20:49h, 02 março Responder

    Fico muito feliz com a parceria ente OBSERVATÓRIO e PVT, com certeza quem tem a ganhar é a população com um trânsito mais seguro. Os programas são muito parecidos, a soma dos esforços com certeza nos trará muitos benefícios.

  • Alex Pinheiro Sessim
    Posted at 15:51h, 03 março Responder

    O programa PVT é um projeto que devemos abraçar, pois ele torna mais próxima as ações a favor da educação no trânsito. Quando olhamos apenas para os números de acidentalidade no País ou Estado, parece uma realidade muito distante das pessoas, principalmente em Cidades pequenas.
    O ONSV tráz o programa para a realidade dentro do Município e acredito que deixa muito mais pessoal os problemas que podemos estar enfrentando na nossa localidade.

  • Jolserley Marcio Barbosa
    Posted at 18:03h, 03 março Responder

    Mais uma vez o ONSV mostrando sua preocupação com tudo que envolve a segurança no transito, esse projeto só vem agregar mais possibilidades de cidades menores a terem acesso e conhecimento sobre o que pode ser feito para melhorar e preservar mais vidas quando falamos de transito.

  • João Batista da Silva Neto
    Posted at 16:00h, 04 março Responder

    Muito bom. Matéria incrível, projeto melhor ainda! Toda ação que visa a segurança da sociedade é bem-vinda. Parabéns!

  • Jose Antonio de Almeida
    Posted at 18:23h, 04 março Responder

    Ainda não tinha visto ou ouvido algo a respeito deste projeto, Como as cidades de Belo Horizonte, Campo Grande, Curitiba, Palmas e Teresina foram envolvidas, interesse do município ou foram procuradas? .

  • SOLANGE RIBEIRO DA SILVA
    Posted at 08:16h, 08 março Responder

    Acredito que a contribuição social, do Observatório é fundamental, para a melhoria do trânsito, e com o passar dos anos vamos ganhando forças, para que possamos de forma ética, embasados em todos os estudos nacionais de trânsito, para cobrar de forma efetiva do nosso Governo mudanças, para a obtenção de resultados significativos, todo projeto apresentado, colocado em prática é importante para aumentarmos nosso conhecimento, para que possamos criar novas estratégias de ações sociais em prática.

  • Antônio Peixoto de Melo
    Posted at 19:25h, 08 março Responder

    A contribuição do ONSV é sempre bem-vinda, sobretudo no sentido de estimular, de envolver a sociedade, Órgãos e Entidades de Trânsito, os Órgãos Públicos para desenvolver mecanismos visando levar educação para pedestres, ciclistas, condutores e principalmente nos núcleos escolares.
    Parabéns ao PVT pela realização do ll fórum em Salvador- BA

  • José Luiz Britto Bastos
    Posted at 12:01h, 10 março Responder

    No mundo os acidentes de trânsito têm sido causa de grande preocupação para todos os países. São mais de 1,35 milhão de vidas ceifadas por ano. No Brasil , segundo o ONSV, por ano, os acidentes de trânsito são responsáveis por deixar 400 mil pessoas com algum tipo de sequela. Somos o 5º pais do mundo em vítimas fatais no trânsito, uma tragédia que supera em muito os números de vítimas de muitas guerras em andamento pelo mundo. Aqui, no trânsito, a cada minuto são perdidas 5 vidas. Nesse sentido, somente com educação, ações de engenharia e fiscalização podemos reduzir esses números e sob esse aspecto o Programa Vida no Trânsito (no Brasil), internacionalmente conhecido como Projeto Road Safety in Ten Countrie, é muito bem vindo, sobretudo, apoiado pelo ONSV, instituições voltadas e preocupadas em promover ações destinadas a reduzir as fatalidades decorrentes dos acidentes de trânsito, aumentando sempre que possível, a segurança viária, afinal, no trânsito, ninguém deveria morrer ou se ferir!

  • ALINE CECCONI
    Posted at 12:19h, 10 março Responder

    Para a educação do trânsito se tornar mais abrangente é necessário um Projeto que englobe mais pessoas e consiga de fato atingir cidades menores com pouco ou nenhum acesso a essa educação. O Projeto PVT será de grande valia, pois vai atingir todas as esferas necessárias para que as informações cheguem a população em geral, e é isso que um projeto de educação voltado para o trânsito deve ter como objetivo para se tornar efetivo e a meta final ser cumprida.

  • GILSON DE JESUS CARDOSO
    Posted at 20:28h, 10 março Responder

    Projetos/programas sérios como VIDA NO TRÂNSITO e EDUCA demonstram que educação, engenharia e fiscalização são eficazes e trazem economia para 0s governos sejam municipais, estaduais ou federais. O ONSV através do assessoramento acreditamos que contribuirá muito para os municípios que desejam evoluir na área de preservação de vidas e internações causadas por acidentes de trânsito.

  • Geraldo Medeiros Filho
    Posted at 18:12h, 11 março Responder

    Para uma melhor análise, seria necessário maiores informações sobre o projeto. Mas, considerando que já existe em outros países, imagino que tenha resultados positivos.
    A integração de diversos agentes, possibilitará sair da análise especializada em uma única área, para visualizar e analisar os problemas do trânsito, pelo ponto de vista de entidades com especialidades em áreas diversas e proporcionará mais celeridade aos processos.

  • FLAVIA VEGH BISSOLI
    Posted at 14:31h, 12 março Responder

    Louvável a iniciativa, no entato o projeto precisa de mais adesão e vontade politica dos órgãos públicos, da forma como se encontra é certo é que não iremos atingir a meta,

    É necessário muita entrega e comprometimento para conter e reverter a situação, já que não temos uma cultura de edcuação de trânsito.

  • Alexander Ferreira de Magalhães
    Posted at 13:42h, 13 março Responder

    Os acidentes de trânsito representam um problema de saúde pública a nível mundial dado ao aos seus alarmantes índices de óbitos e feridos os quais ensejam impactos sociais e econômicos de elevadíssimo custo para a sociedade. Esse fenômeno apresenta-se como um enorme desafio para os gestores públicos exigindo a coordenação de ações e esforços que envolvam todos, não somente os gestores, mas também os diversos segmentos sociais que podem contribuir com a causa (OSCIP, empresas, instituições, escolas, etc).
    Assim, entendo que todo projeto que vise à redução de acidentes é louvável, tal como o projeto Vida no Trânsito, o qual prevê o desenvolvimento de ações de promoção da saúde e cultura de paz no trânsito e de prevenção das lesões e mortes causadas por acidentes. O projeto preconiza a adoção de medidas de forma intersetorial entre diversos atores gerando oportunidades de colaboração e coordenação conjuntas da saúde com outros setores (segurança, educação, etc) governamentais e não-governamentais.
    No artigo que noticia o projeto em questão, ressalto a pertinência do posicionamento dado pelo relações institucionais do ONSV, Francisco Garonce, ao destacar que esforços nas áreas de educação, engenharia e fiscalização no trânsito, tratam-se de investimentos e não de gastos, por haver um retorno econômico mediante a diminuição de custos advindos de internações e tratamento de vítimas de acidentes de trânsito.
    Também ressalto a importância do apoio disponibilizado ao projeto pelo ONSV ao concitar a adesão de outros municípios, se oferecendo para atuar como facilitador desse engajamento, posicionamento este que vai ao encontro do objetivo social do Observatório que é de promover ações que colaborem e potencializem um trânsito mais seguro, ético e humano no nosso pais.

  • Paulo Adriano Ferreira Alves
    Posted at 13:39h, 16 março Responder

    O Programa Vida no Trânsito (PVT), e mais uma importantíssima ferramenta ofertada para a árdua tarefa na redução nos índices de acidente no Brasil e Países integrantes, tenho muito orgulho de ter a oportunidade de fazer parte de toda essa grandiosa ofertada, parabéns ao (ONSV), grande veiculo de preservação a vida.

  • (FREDY) CARLOS FREDERICO TEJADA
    Posted at 19:55h, 17 março Responder

    Chama a atenção positivamente a reunião de vários órgãos internacionais de peso e o apoio de parceiros nacionais e internacionais mobilizados para a redução de acidentes de trânsito.
    Entretanto, julgo que há mais órgãos públicos e privados com potencial para avançar na causa. O melhor cenário será sempre conquistado com a união de todas as forças para resultados mais expressivos.
    Com a mobilização dos setores de saúde, trânsito, transporte, segurança e educação, o Programa Vida no Trânsito que está na pauta do ONSV pode contribuir para alavancar não só a parte educativa, mas ser catalizador da maior adesão à municipalização da gestão do trânsito.

  • Nádia Sudário
    Posted at 23:00h, 17 março Responder

    O Programa Vida no Trânsito só virá a agregar às ações do ONSV junto aos municípios. Um objetivo importante seria alcançar a maioria senão, todos os municípios brasileiros iniciando pelo programa EDUCA, fantástico por sinal, sendo este readequado aos fatores locais para melhor amplitude e capilaridade das atividades propostas. O Vida no Trânsito pode reduzir ainda mais os drásticos índices de acidentes e más condutas no transito local. Entretanto, é preciso união entre as esferas de poder e sociedade, bem como parceiros e o simples fato de cada um se reconhecer responsável e parte integrante de um trânsito mais seguro e humano.

  • Leandro de Oliveira Machado
    Posted at 10:50h, 18 março Responder

    Programas de educação para o trânsito são de extrema importância, o objetivo é salvar vidas, através de mudanças não só de comportamentos, mas sim de atitudes. Essas ações conjuntas entre a sociedade civil, instituições e governos são fundamentais para a eficácia dos projetos de educação para um trânsito cada vez mais humano, todos os entes envolvidos nesses projetos devem trabalhar em sinergia para que essas ações surtam efeito a curto, médio e longo prazo, e assim vidas sejam preservadas.

  • JOSÉ VANILSON ABREU DA SILVA
    Posted at 14:58h, 18 março Responder

    É necessário que esse programa chegue em todos os municípios brasileiros, muitas das vezes o administrador do município deixa de fazer algo por falta de suporte técnico,precisamos dessas mudanças, alertar a sociedade sobre a necessidade de mudanças em nossos comportamentos e atitudes.

  • Jackeline Silva dos Santos
    Posted at 14:38h, 21 março Responder

    Me chamou a atenção mais uma vez a importância da EDUCAÇÃO na busca por um trânsito mais seguro e o empenho da ONSV quando da criação do EDUCA, que visa ampliar os caminhos para de alguma forma influenciar na mudança do comportamento do cidadão de modo que, suas atitudes não visem apenas não serem alcançados pela lei, mas que internalizem o entendimento de que há uma necessidade de todos usufruírem da segurança viária e consequentemente de uma convivência harmônica e mais humana. A Metodologia PVT, a Fundação Bloomberg, seu modelo de gestão (EPP) me remeteu a pensar que quanto mais municípios engajados em participar/colaborar, melhor.
    Uma frase da metodologia PVT para reflexão: “A comunidade local é dona do problema, assim como da solução.”

  • Luciano Souto
    Posted at 12:06h, 23 março Responder

    Porto Alegre conta com os estudos do programa Vida no Trânsito, e vem contribuindo muito para os estudos e análises do planejamento das ações de redução da acidentalidade.
    Dados são importantes para um planejamento eficiente e eficaz,pois o combate aos acidentes de trânsito precisa de uma resposta rápida.

  • ROSITANIA PEREIRA DE FARIAS
    Posted at 16:38h, 24 março Responder

    O programa Vida no Trânsito é de grande relevância para a realização de campanhas educativas, uma vez que o mesmo tem um papel fundamental na coleta de dados de acidentalidade no país, é uma pena que alguns estados ainda não tenha implantado em seus municípios por falta de conhecimento. O programa Vida no Trânsito foi implantado no maranhão em 2015 e tem como parceiros DETRAN,SECRETARIA DE SAÚDE,PRF,PM/MA,SMTT, é importante e necessária a divulgação da metodologia e objetivos do Programa Vida no Trânsito. em todo país, para fins de entendimento do mesmo..

  • Elidiana Flávia Pereira Leão
    Posted at 08:17h, 25 março Responder

    O papel do ONSV está trazendo grande contribuição ao Projeto Vida no Trânsito, na criação do Programa Educa, que tem o objetivo de difundir a educação para o trânsito aos futuros cidadãos, que pode chegar a diversas partes do nosso país, internalizando nas crianças, desde os primeiros anos da vida escolar, conceitos de responsabilidade, respeito, cidadania. A educação para o trânsito, junto com a engenharia e a fiscalização, são fundamentais para a preservação da vida no trânsito.

  • Edirley Fernandes Cardoso
    Posted at 11:12h, 25 março Responder

    Eu apoio, compartilho e divulgo boas ações como estas do ONSV em prol da vida. Esforços com estes de criar pactos, projetos educacionais que transforme nossa realidade por meio de atitudes e posturas fundamentadas num processo de educação que se inicia na base. Por isso, o EDUCA, tem suma importãncia na vida dos nossos brasileirinhos que no futuro serão com certeza condutores mais educados e conscientes no trânsito.

  • Regiani Juciani Lacerda
    Posted at 12:30h, 25 março Responder

    Unir forcas, estrategia que mostra a importância de atuar coletivamente para ter sucesso nos objetivos comuns.

  • EVANDRO SIEBRA DA SILVA
    Posted at 13:11h, 25 março Responder

    Espero que o Projeto Vida no Trânsito – PVT seja amplamente expandido, uma vez que estará sendo feito em apenas 5 cidades brasileiras. O estado no qual resido, por exemplo, não foi contemplado. Mas acredito que com o sucesso, outras localidades sejam alcançadas. Sobre o EDUCA, fico feliz em saber que existe um conteúdo muito bem direcionado e que poderá mudar a vida das pessoas através do processo educativo. Espero que todos municípios adiram ao projeto.

  • HIDERALDO RODRIGUES GOMES
    Posted at 17:01h, 25 março Responder

    Todas as ações que se veem para um transito mais seguro, este é mais um entre muitos, verifica-se a importância de EDUCAÇÃO, podemos ter todos os envolvidos , seja engenheiros, agentes de transito, agentes de governo, organizações de saúde, para aplicar métodos para que cada vez mais tenhamos menos acidentados, mas a EDUCAÇÃO é e será sempre o mais relevante.

  • Gilson Tude da Rocha
    Posted at 19:57h, 25 março Responder

    Estas ações aplicadas na capital baiana muito louvável, por isso acredito que pelo ensino da matéria trânsito nas escolas 1º e 2º grau para as crianças seja o melhor caminho para a diminuição de acidentes. Porque na juventude nos temos amigos diversos.

  • STALEN HUALANS MENEZES FELINTO
    Posted at 16:53h, 26 março Responder

    Certamente programas bem planejados e executados tais como o PVT, exigem um esforço e uma colaboração intersetorial constante e deve ser um modelo a ser replicado em todo o país. É a partir de ações conjuntas e fundamentadas na realidade de cada região, que podemos construir novas formas de cuidado. Infelizmente, muitos gestores ainda podem conceber como “modelo de cuidado”, o exclusivamente curativo, centrado no hospital como única possibilidade. Mesmo se constituindo enquanto imprescindíveis, os atendimentos em primeiros socorros e as emergências dos hospitais, são formas de cuidado existentes para amparar os cidadãos quando a sua integridade já foi violada. Portanto, devemos sinalizar para a promoção da saúde e a prevenção dessas comorbidades como eixos de cuidado indispensáveis para a saúde das populações. Ao reconhecer iniciativas como o referido programa, lembro-me dos ideais da Reforma Sanitária Brasileira, que buscava sempre a partir de uma reforma intersetorial, produzir mudanças nos valores preeminentes da sociedade visando a construção de políticas públicas pautadas pela dignidade humana e pela democracia.

  • Romolo de Oliveira Tacchelli
    Posted at 21:31h, 26 março Responder

    Muito interessante e de extrema importância a iniciativa do educa em atuar no ponto principal para a transformação do transito melhor, que é a mudança de comportamento e atitude das pessoas. É fundamental que a conscientização seja por ferramentas educacionais, para que a aprendizagem seja mais eficiente e eficaz.

  • Elequicina Maria dos Santos
    Posted at 12:58h, 28 março Responder

    Considero de suma importância a pareceria entre o Observatório e o Projeto Vida no Trânsito ( PVT) nessa busca pela preservação de vidas. Interessante se faz a divulgação desse Programa para outros municípios, no sentido de que possa ser disponibilizado conhecimento nessa área, sendo um papel primordial para os Observadores Certificados.

  • NORBERTO FIUZA DE CAMPOS
    Posted at 21:43h, 28 março Responder

    Não conhecia o Programa, com toda vênia, não encontrei maiores conteúdos no site do Observatório, acho muito interessante e relevante, merecendo um trabalho mais efetivo no sentido de sua divulgação. Procurei mais informações a respeito em outros canais e pelo que verifiquei, o Programa se ancora em alguns eixos básicos, quais são: 1. Articulação Intersetorial; 2. Qualificação e integração das informações (Passos da Etapa de Qualificação e integração das bases de dados. PVT); 4. Elaboração de um plano de ações integradas e intersetoriais de segurança no trânsito e execução das intervenções intersetoriais e integradas; 5. Monitoramento do Projeto.
    A qualificação dos atores envolvidos no enfrentamento da morbimortalidade no trânsito está nos cerne do que se visa na implementação do Projeto Vida no Trânsito: a construção de capacidades, empoderando os profissionais locais, de modo a viabilizar sustentabilidade das intervenções. Em outros termos, a apropriação do projeto pelos atores locais.

  • EDSON JAMES RASERA
    Posted at 00:10h, 29 março Responder

    O Observatório cumpre no Programa Vida no Trânsito um papel importantíssimo para a sociedade. A interação de órgãos gestores dos setores de saúde, trânsito, transporte e segurança pública mas também, em diferentes níveis, as áreas de educação, comunicação, planejamento, ministérios públicos, conselhos comunitários, entidades corporativas e outros segmentos da sociedade, é necessária para a obtenção de resultados sólidos e eficazes em todos os segmentos ligados a área de Trânsito, principalmente na redução de acidentes e diminuição do índice de mortes.

  • DANIELA FERNANDA CORGOZINHO
    Posted at 01:30h, 29 março Responder

    Parabéns pelos projetos Educa e Vida no Trânsito, tenho certeza que este é o caminho , educar para salvar vidas! Realmente as pessoas precisam entender que as leis de trânsito existem para proteger sua vida!

  • Edson Antonio Lamin
    Posted at 15:19h, 29 março Responder

    Vejo como de suma importância a união dessas organizações voltadas para o mesmo objetivo, que é a conscientização de todos integrantes do trânsito, onde através dessa união conseguimos chegar com nosso conhecimento em mais lugares, que não conhecem ou não sabem ou não se interessam pela posição em que se encontram, pois você tem um projeto de educação para o trânsito, leva até o conhecimento do prefeito que pede para conversar com secretário de educação e o mesmo não tem o interesse, foi o que aconteceu em uma cidade vizinha aqui a minha, onde eu mesmo tentei fazer esse elo da prefeitura com o DETRAN/RJ que se dispôs a vir na cidade, mas quando se tem pessoas fechadas a frente de certos segmentos quem paga o preço é a população, que poderia ter mais conhecimento de assunto tão importante.

  • Tatiane D Oliveira Luiz
    Posted at 17:27h, 29 março Responder

    Excelente iniciativa, a qual trará somente benefícios e no geral, pois apesar de ser usado em um determinado local pessoas de fora também se aproveita, pois onde a educação viária, certamente atinge o povo no geral. O projeto Educa é magnífico e deve estar em todos os Municípios, necessitamos de educação para o trânsito e a iniciar por nossas crianças. Parabéns observatório!

  • MARGARETH GRAMACHO FADIGAS
    Posted at 07:10h, 30 março Responder

    Tenho participado das reuniões do Comitê Gestor do Programa Vida no Transito de Salvador, como representante do Órgão Executivo Rodoviário. Dado ao grande sucesso do Programa, ele está sendo expandido para 13 municípios, inicialmente, priorizados pelo número de acidentes/habitantes.

    diante da sensação, que frequentemente nos abate, de investirmos tanto esforço e recursos para pouco resultado, esse Programa nos revigora a esperança de que podemos consegui mudar o quadro de morbimortalidade do trânsito na Bahia.

  • MORGANA GARIBALDI DIEFENTHAELER
    Posted at 13:10h, 30 março Responder

    Participei do Congresso Trânsito e Vida no ano de 2019, em Salvador, e observei os excelentes resultados que o programa já vem alcançando. Além disso, me recordo do suporte que o programa ofereceu para o Seminário Nacional de Trânsito, promovido pelo Núcleo Interdisciplinar de Trânsito da UFRGS, do qual faço parte. Será maravilhoso quando o projeto puder se estender para o país inteiro.

  • André ferreira dos Santos
    Posted at 17:45h, 30 março Responder

    Nas cidades municipalizadas ou não, programas como este se forem implantados e outros desenvolvidos pelo ONSV poderá contribuir na redução de mortos e feridos identificando as características locais de cada município e as suas particularidades conseguira diminuir os impactos sobre a sociedade. Por esse motivo precisamos do apoio dos políticos locais e também da sociedade para a execução desses projetos, Porque educação no trânsito nas escola é um dos caminhos para diminuir a violência dos jovens ao volante.

  • Ronaldo Ivan da Cruz Mesquita
    Posted at 20:39h, 30 março Responder

    É importante que projetos que contemplam a educação para o trânsito, tenham o apoio necessário para sua aplicabilidade. É na escola no primeiro ciclo que se molda o futuro do adulto. Se a partir das séries iniciais os alunos começam a se familiarizar com a educação para o trânsito e esse processo é continuado, guando adulto teremos, pedestres e condutores de veículos conscientes, da importância de boas praticas no transito e no respeito ao nosso bem mais precioso que é a vida. Serão respeitadores da lei, terão uma compreensão da importância de um trânsito saudável. Ainda nas escolas o tema trânsito é trabalhado na transversalidade, as parcerias são fundamentais para que esses projetos possam ser aplicados.

  • Ronald Vittal
    Posted at 23:00h, 30 março Responder

    Através do programa EDUCA consegue-se mudar não só o comportamento, mas principalmente a atitude das pessoas que se faz através da educação, fazendo com que os indivíduos não deixam de cumprir a lei para não serem punidos, e sim porque internalizam o entendimento de que, a atitude segura no trânsito existe para proteger toda a sociedade.
    Já o Programa “Vida no Trânsito”, voltado à redução das mortes e lesões causadas no trânsito se utiliza do envolvimento e interação de órgão gestores de vários setores, como de saúde, trânsito, transporte e segurança pública, as áreas de educação, comunicação, planejamento, ministérios públicos, conselhos comunitários, entidades corporativas e outros segmentos da sociedade.

  • Delnandina MMMonteiro
    Posted at 02:11h, 31 março Responder

    O artigo faz uma referencia sobre o II Fórum Vida no Trânsito realizado em Salvador (BA), e as propostas do ONSV, destacando as ações que serão desenvolvidas no ano em curso. Assim como, a apresentação do programa EDUCA. Garonce, divulga sobre o “ assessoramento que o observatório estará prestando aos municípios que estiverem efetivamente interessados em participar do Programa Vida no Trânsito e que não participam por desconhecimento”, esclareceu. Parabenizamos o ONSV pela iniciativa, e esclarecemos que temos constatado o desconhecimento do Programa Vida no Trânsito em municípios mais distante da capital. As nossas maiores dificuldades para divulgação é sem duvida a internet .

  • Marcia Cristina Araújo Pereira
    Posted at 13:54h, 02 abril Responder

    Importantíssima a relação do que Garonce diz:: “aquilo que se investe em educação, ações de engenharia e de fiscalização na área de trânsito se reverte em uma economia que é muito maior, principalmente quando a gente fala das despesas relacionadas a internações e a tratamentos decorrentes dos eventos de trânsito”

  • Gizela Eliane Ferreira da Costa Roewer
    Posted at 19:52h, 02 abril Responder

    Optar pela vida das pessoas deve ser o princípio que deve nortear todas as medidas mitigadoras para em trânsito seguro. O município que aderir ao Projeto Vida no Trânsito, estará trabalhando para um trânsito mais seguro e acessível para todos, ou seja, construindo cidade para as pessoas.

  • Anderson Clayton da Silva Borges
    Posted at 20:18h, 04 abril Responder

    Antes do Programa Vida no Trânsito o Observatório deveria fazer um programa para a municipalização de TODOS os Municípios. uma vez que será necessário que TODOS os municípios sejam integrados ao Sistema Nacional de Trânsito (S.N.T), pois não adianta ter o programa Vida no Trânsito nas grandes cidades e as pequenas Cidades nem se quer sabem o que é trânsito, uma vez que o índice de acidente de transito é bem alto nos pequenos municípios principalmente daqueles que não são municipalizado. EM muitos municípios o desconhecimento em Trânsito é notório, então o Observatório deverá fazer uma campanha MASSANTE.

  • JUCIMARA MESSIAS FERNANDES LIMA
    Posted at 11:38h, 05 abril Responder

    Em salvador tive o privilégio de acompanhar a explanação da palestra do Garonce que sempre é muito esclarecedora, as metodologias precisam ser amplamente divulgadas nos municípios, muitos deles nem ao menos conhecem o programa. Os resultados das ações sempre retornam de maneira positiva para os próprios municípios. Meu desejo é que os observadores possam contribuir de forma efetiva para todas essas mudanças que precisam muito acontecer.

  • Nizandro Martins Ramos
    Posted at 18:05h, 05 abril Responder

    O Programa Educa é um projeto bastante interessante, tem que ser estimulado o seu uso em todo o Brasil, principalmente através da parceria órgão público/ONSV. Muitos gestores de escolas públicas podem ter o maior interesse em utilizar o Educa, mas não provêm de recursos para a sua aquisição. Acredito que a educação para o trânsito tem que ser iniciada no ensino fundamental e ser um processo contínuo, visto que nossos adultos no Brasil já não conseguem se interessar mais por esse tipo de assunto.

  • Gisele Pereira
    Posted at 20:31h, 05 abril Responder

    Programa Vida no Trânsito deve ser divulgado e tenho certeza que trará grandes resultados, já está comprovado que a educação no trânsito deve ser para todos e que os frutos disso é sem dúvida a diminuição de acidentes.
    Não há dúvidas de que o que se gasta em divulgação, reduz se em custos como hospitais, seguros e até mesmo valores inegociáveis como é a vida.
    O apoio dos municípios deve é de fundamental importância, pois só conseguiremos “mover montanhas” quando todos estiverem engajados no mesmo objetivo.
    Não há dúvidas de que juntos somos mais fortes.

  • Demétrius Silveira
    Posted at 14:47h, 06 abril Responder

    Pena que muitos motorista andam normal dentro da legalidade quando se ver Fiscalização, como por
    exemplo se ver um radar fixo a 80 km logo apos passar eleva a velocidade acida da permitida para a via.

  • Daniel Furtado Alves
    Posted at 11:56h, 23 junho Responder

    Todo e qualquer programa voltado a garantia da vida será sempre de grande valia para a população. Percebo que o desafio mor não é conscientizar a população e sim, conscientizar e buscar apoio dos governantes para dar andamento nos projetos, pois existem boas ideias em destaque que não recebem a devida atenção e por vezes caem no esquecimento. Programas como Vida no Trânsito, Maio Amarelo e tantos outros devem estar em constante utilização e adequação para atender os anseios de cada momento do país, mas nem sempre isso é possível. Quem perde é a sociedade!

  • Viviane Eduarda
    Posted at 21:20h, 23 junho Responder

    O PVT Programa de Vida no Trânsito tem como foco a redução das mortes e das lesões graves no trânsito, pautada na qualificação das informações, gerindo dados e pesquisas que possam promover o programa e alavancar um trânsito mais seguro. As ações do PVT são voltadas para a intervenção em dois fatores de risco principais no Brasil, um é a Condução de veículos sob efeito de bebida alcoólica e a outra é o desrespeito as velocidades máximas nas vias publica, este problemas são frequentes nas cidades brasileiras e quanto mais municípios aderirem ao programa, maiores serão as reduções no número de óbitos ou mesmo na gravidade das lesões. Identificando o maior número de dados das realidades viária se torna ainda mais possível atuar na causa raiz com interversões mais consistentes.

  • João Francisco Leandro
    Posted at 18:17h, 24 junho Responder

    Conforme apresentado pelo OBSERVATÓRIO o Programa EDUCA.
    Nem tem oque se comentar pois sabemos que a melhor e perfeita maneira de conscientização é a educação, pois na maioria das vezes quando aplicada penalidades com multas, suspensão da CNH, etc.
    Este cidadão que está sendo penalizado já cometeu infrações inúmeras e apenas agora foi flagrado diante dos fatos.
    Isso quando o pior não acontece e tal infrator quando punido, já envolveu em acidentes que muitas das vezes tira a vida de inocentes.

  • ELISIO SOUZA MELO
    Posted at 21:20h, 26 junho Responder

    Tive a oportunidade de participar do Congresso no qual Garonce apresentou o Programa Educa e falou sobre o Programa Vida no Trânsito, já conhecia o Programa Educa, li todos os livros tanto do professor como do aluno e acho excelente dentro de sua proposta. Realmente a Educação para o Educação precisa ser conhecida principalmente pelas pessoas que tomam as decisões públicas neste país. Sim, Salvador teve um ótimo desempenho na redução de acidentalidade.

  • Albeerto Lopes Cruz
    Posted at 18:38h, 01 julho Responder

    O projeto PVT é uma ótima iniciativa, precisamos ampliar e seria muito bom envolver as autoescolas.

  • Celso Luiz ferreira
    Posted at 18:54h, 01 julho Responder

    Entendo que a mudança do comportamento no trânsito começa pelo entendimento dos riscos e consequências dos atos inseguros no trânsito, seja de pedestres, ciclistas e condutores de veículos motorizados, o programa Educa, surge com uma ferramenta que tem potencial para mudar esse cenário atual.
    Como nos diz a art. 144 da CF/88, a segurança viária deve ser efetivada tendo como pilares a engenharia, EDUCAÇÃO e fiscalização, entendo que a educação é o meio que tem maior potencial para conscientizar pessoas, sobre seu papel para a melhoria do convívio social e da segurança no trânsito,

  • ROBERTO OLIVEIRA GARCIA
    Posted at 19:35h, 03 julho Responder

    Acredito que ações preditivas com ênfase em focos específicos tornam o programa efetivo, foram colocados como exemplo, dois fatores de risco a serem explorados, um é a direção sob efeito de bebida alcoólica, que mesmo com o endurecimento da legislação, ainda é comum condutores serem flagrados diariamente conduzindo seus veículos alcoolizados, o que diminui o tempo de reação e aumenta as chances de acidentes, o outro, é o trânsito com velocidades incompatíveis, que comprovadamente agravam as lesões e multiplicam o número de mortes.

  • Rosa Moraes
    Posted at 10:38h, 06 julho Responder

    Programa vida no trânsito não tinha conhecimento, o Programa Educa vem para que a educação para o trânsito seja trabalhada de forma transversal no ensino fundamental, contribuindo para a formação de um comportamento seguro no trânsito.

  • Jose Carlos Lo. da Silva
    Posted at 20:07h, 06 julho Responder

    O impacto econômico dos acidentes e da violência no Brasil, pode ser medido em unidades de terapia intensiva, e dias de permanência geral.
    Neste sentido o programa soma na redução desse cenário.

  • Gerson Jorge da Silva
    Posted at 21:25h, 07 julho Responder

    Gerson Jorge da Silva

    O programa educacional é relevante tanto para as crianças quanto para os adultos, os projetos do ONSV tem se mostrado eficiente, posso citar abertamente o maio amarelo que esta fazendo sucesso.
    Mas a base realmente é a educação e comprometimento com a segurança no sistema viário, isto com certeza é bem trabalhado pelo OBSERVATÓRIO.

  • Maria Inês Tondello Rodrigues
    Posted at 12:42h, 11 julho Responder

    Parabéns ao ONSV. Ações concretas e eficazes. Isso que precisamos no trânsito. Concordo que a educação é o caminho. Precisamos internalizar nos usuários do sistema trânsito que condutas devem ser tomadas por atitudes que visem o correto e salutar, que busquem a valorização da vida e não do bolso. Os usuários do trânsito precisam entender que suas condutas fazem A diferença. Não avançamos o sinal vermelho por convicção de evitar o risco e não por ter uma fiscalização que possa me autuar e gerar uma multa. Ações concretas como essa do ONSV fazem com que continuemos acreditando que é possível fazer do trânsito um ambiente seguro e mais humano.

  • RENAN CARDOSO PAULINO
    Posted at 22:32h, 11 julho Responder

    Eventos como Seminários, Palestras, Fóruns, entre outros, colaboram para a divulgação de projetos de bastante relevância, como é o caso do PVT – Programa Vida no Trânsito, para os Stakeholders se interessarem e aplicarem em suas gestões.
    O investimento em educação reverte-se em redução de custo de longo prazo, pois trabalha-se a quebra de conceitos e paradigmas errados, que após reconstruídos, podem reduzir o número de acidentes, que contribuem para a redução de custos, ou seja, um ótimo investimento.

  • Jean José Almeida Araújo
    Posted at 22:26h, 13 julho Responder

    A educação para o trânsito, vertente obrigatória e encontrada no Código de Trânsito Brasileiro necessita de nortes para sua realização em todo o Brasil e materiais como esse apresentados servem de subsídio e trazem mais conhecimento e meios para que essa política de segurança seja aplica com vigor e traga retornos muito positivos como a mudança de comportamento e a construção de uma nova cultura de segurança viária. Bom seria se muito mais cidades tivessem acesso a esses projetos para que este trabalho alcançasse ainda mais pessoas e obtivesse resultados ainda mais satisfatórios.

  • Sebastião Pereira da Silva
    Posted at 00:21h, 15 julho Responder

    O Projeto Vida no Trânsito é uma excelente oportunidade para que as informações possam chegar corretamente aos municípios,, e consequentemente ás escolas etc.. e com a colaboração do Observatório Nacional de Segurança Viária – ONSV, através dos seus colaboradores Observadores Certificados nos Municípios, o conhecimento chegará mais qualificado ainda, portanto, isso faz com que os gestores possam entender de fato a importância deste projeto para seu município.. Sabemos que só através da educação é que vamos conseguir implantar informações profundas e duradouras no ser humano, transformando em um individuo mais humanizado. Infelizmente muitos só passam a cumprir com suas obrigações no transito quando se veem vigiados por algum tipo de fiscalizador, porém, com a ideia do PVT acredito que conseguiremos transformar verdadeiramente o cidadão para o transito, para isso acontecer precisa-se de boas parcerias entre todos.

  • VALDILSON AP. LOPES
    Posted at 14:39h, 16 julho Responder

    Sou suspeito para falar sobre a Educação para o trânsito, pois para mim é algo prazeroso e lúdico essa temática. Interessante que ao analisar a maioria dos condutores, eles agem de forma segura para evitar ser alvo da fiscalização de trânsito. Nas palavras de Garonce: “Ao mesmo tempo estamos trabalhando junto ao Ministério da Saúde para fazer com que as regras sejam esclarecidas e sejam colocadas de uma forma tal que os municípios participem”. Acredito que a participação do município é extremamente necessária para que as ações sejam efetivas.

  • MARCELO LUIZ ALVES
    Posted at 00:41h, 19 julho Responder

    A basa para um trânsito mais humano e consciente é a educação, o PVT que inicialmente está sendo desenvolvida na cincos cidades terá um efeito positivo no trânsito, desejo muito que se estenda em todos país, pois essa ação vai fortalecer o combate ao índice de mortalidade no trânsito.

  • JANSEN RICARDO
    Posted at 23:50h, 19 julho Responder

    Mais um grande evento que contribuiu decisivamente para redução da morbimortalidade no trânsito com ações em toda uma década de ações em prol da vida. É compreendido que se unir os pilares da Educação, Engenharia e Fiscalização em prol da vida no trânsito discutindo caminhos e desafios para um transito com menos mortes. O governo deve reter maiores recursos nestes pilares para se evitar gastar com reparação de acidentados nas vias cotidianamente. A capital baiana tem se empenhado em rever as planilhas de dados para se planejar o futuro, partindo do presente. Ao aderir ao programa os municípios conquistarão mais condições de evidenciar politicas publicas em prol da segurança viária.

  • Guto Giovani de Oliveira Castro
    Posted at 19:29h, 21 julho Responder

    Trabalhamos com PVT aqui em Natal (RN). Trata-se de um programa formado por uma comissão multidisciplinar indispensável e que oportuniza aos gestores o planejamento e desenvolvimento de suas ações de educação para o trânsito, engenharia e fiscalização.

  • wlamir lopes da costa
    Posted at 12:26h, 23 julho Responder

    Importantes trabalhos desenvolvidos pelo Observatório seja com o Projeto Educa que é brilhante e muito bem estruturado, como o Programa Vida no Trânsito que abrilhanta e engrandece ainda mais a participação do Observatório como ponto de referência nacional das questões relacionadas a segurança no trânsito.

  • Fernando Márcio Fernandes
    Posted at 00:34h, 24 julho Responder

    A principal preocupação neste momento é superarmos a pandemia. Nos aflige, assusta, e traz muitas incertezas. Perguntamos quando tudo voltará ao normal que, agora será um “novo normal”, projetos e sonhos adiados, por enquanto. Mais uma vez aprendemos que temos que “pensar no outro”, a vida no trânsito também é assim. O programa “vida no trânsito” é um novo começo, conheci há alguns anos, iniciativas de sucesso do Projeto Road Safety in Ten Countries em Belo Horizonte, houve presença dos representantes dos órgãos internacionais apoiadores, e com certeza foram iniciativas de muito sucesso, com retorno esperado. O PVT estruturado pelo “Observatório” com visão e foco bem definidos nos traz esperanças de um trânsito melhor e mais humano. Temos muitas leis e projetos com iniciativas pontuais em todo o Brasil que se perdem no caminho. Projeto EDUCA, “através dele que nós vamos conseguir mudar não só o comportamento, mas principalmente a atitude das pessoas e isso, só se faz através de processos educativos, em que os indivíduos não deixam de cumprir a lei para não serem punidos…” Estou ansioso para conhecê-lo.

  • Camila de Assis
    Posted at 22:18h, 24 julho Responder

    Programas como o Vida no Trânsito são de grande relevância para a sociedade, e é importante constatar que está na pauta do Observatório Nacional de Segurança Viária. Outra importante questão levantada pelo artigo é que precisamos salientar para o poder público e nossos legisladores que a redução de acidentes de trânsito representa uma economia aos cofres públicos. Logo o valor que seria utilizado com tratamentos e internações de pessoas envolvidas em acidentes de trânsito pode ser revertido para uma melhor qualidade de vida aos cidadãos.

  • Fabio Bertrani Leme
    Posted at 23:35h, 25 julho Responder

    É de total relevância a divulgação do Programa Vida no Trânsito, pois percebo que muitas vezes não é de conhecimento dos gestores dos órgãos de trânsito. Assim como fico surpreso que ainda tem gestores que desconhecem o ONSV.
    Imagino que a Pandemia da Covid19 tenha atrapalhado a divulgação desses programas essenciais. Recordo que ainda no início deste ano, um pouco antes do anúncio da quarentena e das políticas de isolamento social foi apresentado o Laço Amarelo em reunião do GT de Mobilidade Urbana do Consórcio de cidades que meu município faz parte.
    A efetivação desses programas é muito importante, ainda mais no momento que precisamos reduzir os números de acidentes de trânsito, para consequentemente reduzir o numero de vitimas que certamente vão ocupar um leito hospitalar, que poderia ser disponibilizado por um paciente infectado com o novo coronavírus.

  • EDIRA POLIDO DO
    Posted at 20:51h, 27 julho Responder

    Muito interessante a metodologia do programa vida no trânsito. Seria importante se fosse expandido para mais municípios.

  • Carlos Pereira Terto Junior
    Posted at 22:58h, 28 julho Responder

    O Programa Vida no Trânsito atuando de forma conjugada com o Observatório Nacional fará o casamento perfeito para a orientação e educação da população quanto aos seus deveres e obrigações no trânsito. A união de metodologias trará benefícios a longo prazo à população brasileira que terá um trânsito mais seguro e com pedestres e condutores atuando de forma mais responsável e atenta.

  • Maria de Fátima Siqueira Dantas
    Posted at 16:26h, 30 julho Responder

    O programa EDUCA é importantíssimo, vem preconizar com seu objetivo o seguinte conceito: “ Nós vamos conseguir mudar não só o comportamento, mas principalmente a atitude das pessoas e isso só se faz através de processos educativos”.
    Entendo que a Educação para o Trânsito é bastante relevante para a sociedade, sendo assim, para corroborar a Lei 9.503 de 23/09/97 tem um capítulo que trata exclusivamente deste assunto. Em minha opinião, sem educação ( Conhecimento)não podemos conquistar a excelência e nenhuma área da nossa vida, e, no trânsito temos que ter além da educação, cortesia, solidariedade, amor empatia…
    O Capítulo VI da Lei 9503/97– trata da Educação para o Trânsito, do artigo 74 até o artigo 79.
    Artigo 74 “A educação para o trânsito é direito de todos e constitui dever prioritário para os componentes do SNT”; Qual o Órgão de trânsito está apto no Brasil e, principalmente para os municípios de 40.000/habitantes?
    Artigo 76 “ A educação para o trânsito será promovida na pré-escolar e nas escolas de 1º, 2º e 3º graus…”;
    As Polis que já estão Municipalizadas deveriam cumprir o § 2º do artigo 74 do CTB e a Resolução do CONTRAN 515/14 que dispõe sobre a criação das Escolas Públicas de Trânsito e o seu funcionamento, ainda faculta a criação de convênio com Órgão da Educação, União Estados e Municípios. Mas alguns gestores públicos municipais/Prefeitos pensam de imediato nas despesas, e não na contribuição educativa e comportamental dos seus munícipes com a criação desse Órgão.

  • Arison Benevenuto Sales de Oliveira
    Posted at 21:55h, 30 julho Responder

    Quando é de conhecimento de todos que a Educação, Engenharia e Esforço Legal ( 3 E’s) devem atuar de forma harmônica os resultados positivos começam a ganhar destaque. Como posso fiscalizar se não garanto condições físicas e ambientais favoráveis? Ou se o usuário não compreende a informação que estou transmitindo? A educação é um aspecto muito importante na formação de condutores e orientação para pedestres.

  • Manoel Soares Pinheiro Junior
    Posted at 18:21h, 02 agosto Responder

    Trânsito já é considerado pela OMS, como doença, o que precisamos é fomentar dentro dos órgãos de trânsito e saúde, seja eles municipais e estaduais, os projetos que destinam receitas para atuarem em ações educativas, lembro que no Pará o projeto Vida no Trânsito, porém ele não tinha divulgação basicamente só a capital que teve algumas ações, mais sempre era aliado a ações do órgão municipal, e com um pequeno numero de material, e complicado quando esses projetos chegam, pois as vezes quem fica na linha de frente não conhece nada da área, e assim os projetos vão sendo esquecido acabados, desativados, hoje percebo as prefeituras ainda não acordaram para que seu transito seja valorizado digo seu órgão gestos, quando temos um departamento efetivamente funcionando, podemos ter realmente ações municipais e estes buscando parcerias com os estados e governo federal, aliado aos grande projetos seja de cunho nacional ou internacional.

  • LUCIELE SANTOS VACCHI PASSOS
    Posted at 17:06h, 03 agosto Responder

    Um excelente Projeto, que deve ser expandido á todo o Brasil. A abrangência importante e de destaque como o “Programa Vida No Trânsito” precisa romper fronteiras e chegar a outros estados e municípios que venham agregar valor para índices cada vez menores de mortes e acidentalidade. Com a devida participação de todos, sociedade civil e governos, interessados em fomentar ações que diminuam os acidentes e seus impactos sociais, todos teremos benefícios. Um excelente Projeto, que deve ser expandido á todo o Brasil.

  • Sonia Cristina Gonçalves
    Posted at 00:09h, 04 agosto Responder

    Importantíssima a divulgação em larga escala do Programa Vida no Trânsito para que se alcance a participação do maior número de municípios possível no Brasil. Deve-se buscar o engajamento não só dos governos, mas de toda sociedade, em prol da conscientização através de uma educação que resgate o respeito à vida, à saúde, ao meio ambiente e à segurança no trânsito. E, dessa forma, ajudar a desenvolver cidadãos que evitarão cometer infrações não por causa da punição, mas sim por terem a solidariedade enraizada em seus princípios e valores.

  • Lúcia Helena Cassiano Michelon
    Posted at 09:34h, 04 agosto Responder

    Mostra ser um completo Projeto que agrega mais órgãos e pessoas à causa. Unir saúde e educação é um caminho excelente. Como sociedade devemos fortalecer a importância das pesquisas em nossas universidades, tão desacreditadas por nossos líderes políticos. Desejo que os estudos e pesquisas a´pontados para o Trânsito em nossas universidades estejam protegidos e prossigam, não sendo parte das pesquisas que perderam suas verbas para tal.

  • Adenilton Alves Bezerra
    Posted at 20:37h, 04 agosto Responder

    Excelente iniciativa, pois é através da divulgação que se alcança os objetivos, e o programa vida no trânsito é de suma importância para um transito que ao longo dos anos só se fala em morte. Que tais ações se concretizem não apenas em 2020, mais também nos anos subsequentes.

  • Daniele Aparecida da Silva Cruz
    Posted at 14:07h, 05 agosto Responder

    Os programas, tanto Vida no Trânsito quanto Educa deveriam ser expandido para todo território Nacional, acredito que todos os municípios trabalhando de forma alinhada, teríamos resultados significativos, por isso muito importante dar voz ao Observatório, aumentando o número de observadores, ações alinhadas, geram excelentes resultados!

  • EMILSON JOSÉ DE SOUSA
    Posted at 23:31h, 07 agosto Responder

    como multiplicadores de conhecimentos e opiniões precisamos fazer chegar aos mais longínquos municípios do brasil programas de educação para o transito, mostrando a importância da preservação da vida. Mesmo tendo estes um baixo índice de acidentes fatais ou não de transito.

  • Élida de Souza Cândido
    Posted at 21:27h, 08 agosto Responder

    O Programa Vida no Trânsito, vem como meio de expor ao poder público a necessidade de cumprimento do capítulo VI do Código de Trânsito Brasileiro – CTB, art. 74 – que diz: a educação para o trânsito é um direito de todos e constitui dever prioritário dos órgãos e entidades componentes do Sistema Nacional de Trânsito. Além disso, é sabido que segurança no trânsito é uma questão de saúde pública e os esforços coletivos apontarão a realidade local e permitirão a redução da mortalidade no trânsito.

  • João Alexandre Mendes
    Posted at 16:00h, 09 agosto Responder

    Necessitamos unir esforços. Assim como o Programa Vida no Trânsito, alguns municípios e Estados, desempenham uma sistematização (ações) em busca da redução do alarmante índice de acidentes no trânsito. Neste sentido, acredito que as ações do Observatório, dos Observadores, fomentam a criatividade de todos operadores do trânsito, visando, portanto, uma padronização de atividades, mobilizando, a sociedade em prol de um trânsito mais humano e seguro.

  • Lilian
    Posted at 13:32h, 11 agosto Responder

    Um excelente Projeto, que deve ser expandido á todo o Brasil. Muito interessante a metodologia do programa vida no trânsito, as pessoas precisam entender que as leis de trânsito existem para proteger sua vida!

  • JOSIRLEY DA SILVA
    Posted at 23:43h, 11 agosto Responder

    O PVT , um programa que , de fundamental importância, que seja alcançado por uma grande parte dos municípios brasileiros,, pois tem foco na redução dos índices de mortalidade como a direção e bebida alcoólica , o excesso de velocidade dentre outras, enquanto o Educa, visa trazer a criança ja esta educação para o trânsito com isto contribuindo para a formação de um cidadão consciente no trânsito .

  • Sandro Alves Xavier
    Posted at 13:52h, 12 agosto Responder

    É uma iniciativa importante principalmente por trazer ao conhecimento da sociedade projetos voltados a redução de acidentes é da violência no trânsito.

  • Juliana Guimaraes
    Posted at 16:35h, 12 agosto Responder

    O PVT é um projeto importantíssimo que incentiva um trabalho intersetorial e conjunto entre as diversas entidades e áreas ligadas direta ou indiretamente ao trânsito com o objetivo fundamental de fortalecer as políticas de prevenção de lesões e mortes no trânsito. Precisamos apoiá-lo e fortalecê-lo para que atinja os mais diversos municípios do nosso Brasil, ampliando nossa rede de ação em busca de um transito mais seguro.

  • Albervan Barreto
    Posted at 01:14h, 14 agosto Responder

    A educação é transformadora em todos os seguimentos, no trânsito vem através da mudança de maus hábitos, da mudança de Cultura. O Educa irá agregar muito ao Pitágoras que desenvolvo na minha cidade Ilhéus BA e juntos seremos a mudança movida pela educação, transformando nossas crianças e adolescentes, futuros condutores, em agentes multiplicadores de um trânsito mais seguro para todos.

  • VERONICA LEMOS
    Posted at 07:01h, 14 agosto Responder

    Programa de extrema importância. que coaduna com os objetivos do Observatório Educa, onde através da educação desde o ensino fundamental atingiremos o objetivo da mudança comportamental dos cidadãos, para que de forma eficiente possamos vivenciar um trânsito fluido e harmônico em todo Brasil.

  • EDERSON DE OLIVEIRA LIMA
    Posted at 20:56h, 14 agosto Responder

    Boa noite. Importantíssimo o projeto. É preciso fazer o indivíduo entender que enquanto está no trânsito, ele decide quem vive ou quem morre, que suas más ações podem ferir ou até mesmo matar, porém, as boas atitudes salvam vidas, inclusive a sua.

  • ANDRÉ SILVA RESENDE
    Posted at 13:35h, 15 agosto Responder

    O PVT (PROGRAMA VIDA NO TRÂNSITO) É UM PROGRAMA QUE INICIALMENTE FOI DESENVOLVIDO PARA AS CAPITAIS, NU ENTANTO POR MEIO DE CONVENIO COM O MINISTÉRIO DA SAÚDE ESTADUAL ESSE PROGRAMA PODE SEM IMPLANTADO TAMBÉM NOS MUNICÍPIOS, EM MEU ESTADO FIZ O CONVITE A DR. LISANDRO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA QUE ELE VIESSE A SERGIPE FIRMAR O CONVENIO PARA QUE OS MUNICÍPIO DO INTERIOR TAMBÉM FOSSEM CONTEMPLADOS COM O PROGRAMA, PARA ISSO O MUNICÍPIO TEM QUE TER AO MENOS UMA PESSOA QUE TENHA FEITO O CURSO PVT PARA QUE SEJA IMPLANTADO.

  • Anderson Boás Viana
    Posted at 16:55h, 15 agosto Responder

    O programa Vida no Trânsito é um projeto do governo que visa redução de acidentalidade, mortes e lesões no trânsito e promoção da saúde. O ONSV vem contribuir de forma relevante para o fortalecimento do projeto e aproximação do projeto aos municípios que ainda não fazem parte. Durante o II Fórum Vida no Trânsito que aconteceu em Salvador (BA), no dia 28 de novembro, foi possível apresentar o Programa Educa do ONSV, que é um material excelente voltado para educação para o trânsito.
    Sabemos que 2020 muito do pensado e planejado enquanto metodologia teve que ser adaptado ao “novo normal”, porém a temática e importância do projeto continuam firmes e vivos.
    Porém, é importante destacar a possibilidade de desenvolvermos ações adaptadas a essa nova realidade, assim como a possibilidade do uso do educa através de ensinos a distância.

  • Cynthia Ferreira
    Posted at 20:46h, 15 agosto Responder

    O Programa Vida no Trânsito, tem como principal característica o trabalho intersetorial com o conjunto de diversos setores ligados direta ou indiretamente cujo objetivo principal é o fortalecimento de políticas de prevenção de lesões e mortes no trânsito. Mas para se alcançar tais objetivos nobres se faz necessário, elaborar um planejamento conjunto de ações, envidar esforços no sentido de integrar outros órgãos, instituições e demais entidades. Para um funcionamento eficaz, mister se fazer uma análise individualizada, assim é possível identificar o perfil de determinação dos mortos e feridos graves. Esse é um programa que vêm conseguindo de maneira eficiente reduzir o número de fatalidades ao repensar o desenho das vias, reduzir velocidades e priorizar pedestres e ciclistas. Parabéns ao Observatório por mais essa grande conquista em prol da vida!

  • CINTHIA GABRIELLE TOLENTINO DE ALMEIDA
    Posted at 07:57h, 17 agosto Responder

    O Artigo expõe com clareza o objetivo do programa Vida no Trânsito e elucida as diretrizes do mesmo, fazendo com que nós, educadores tenhamos uma esperança sobre o que há por vir. O texto deixa claro que o principal foco é conscientizar, internalizar questões de segurança para o bem comum , desconstruindo a ideia sobre atos assumidos apenas por receio da fiscalização, o que acredito ser a chave para a redução de mortes e acidentes .

  • Amanda Conceição
    Posted at 09:37h, 17 agosto Responder

    A metodologia e objetivos do Programa Vida no Trânsito é muito importante e eficaz para que possamos trabalhar onde mais ocorre os acidentes e assim podermos reduzir os números que é a principal meta do PVT.

  • Wendy Simelmann
    Posted at 10:20h, 17 agosto Responder

    A matéria demonstra que ações de melhorias na engenharia de tráfego em conjunto com práticas efetivas de fiscalização, contribuem para a redução do índice de acidentes de trânsito, e se inserirmos nesse contexto, programas de educação, poderemos elevar ainda mais a obtenção desses resultados favoráveis.

  • Thiago Soares Manco Duenhas
    Posted at 17:00h, 17 agosto Responder

    A reportagem nos traz a importância do fator Educação no trânsito, como fator repressivo de acidentes, Medidas educativas-preventivas são menos onerosas para todos os envolvidos no projeto, levando sempre em consideração que a prevenção é a melhor solução para evitar acidentes.

  • Lucas Cunha Daniel
    Posted at 20:37h, 17 agosto Responder

    A globalização do conhecimento de que o trânsito mata, é uma ferramenta essencial para que nosso futuro seja bem diferente do que vivemos hoje.
    O programa EDUCA, juntamente com o Programa Vida no Trânsito (PVT) vai ajudar muito mais do que imaginamos.
    O conhecimento vai se expandindo aos poucos e vai crescendo e passando a mensagem de que temos que cuidar do próximo para que todos , em uma sociedade harmônica, alcancemos a excelência de sermos mais sábios e empáticos.

  • Cintia Garcia
    Posted at 22:15h, 17 agosto Responder

    Os Projetos Vida no Trânsito e Educa são um ferramentas muito importantes na Educação… Pois sendo a educação a base para tudo… O Projeto Educa chegando as escolas faremos das nossas crianças de hoje motoristas conscientes de amanhã

  • José Eduardo Cardoso de Faria Monteiro
    Posted at 17:46h, 18 agosto Responder

    O Brasil precisa urgentemente de mais seriedade por parte dos governantes em relação a várias questões e o trânsito é uma delas. São de boas iniciativas, como está que precisamos…

  • Carlita Moraes Bastos
    Posted at 10:25h, 19 agosto Responder

    Sem educação não há solução! O conhecimento nos leva ao entendimento, entendimento este, capaz de mudar o comportamento, atitudes, consciência da importância de defesa da vida no trânsito. Vejo o Programa EDUCA como um divisor de águas, se implantado em todos os municípios do País. A lei 9.503 de 23 de setembro de 1997 do Código de Transito Brasileiro, determina que é obrigação do município promover e participar de projetos e programas de educação e segurança trânsito/viária. Conforme estudo do Observatório o Brasil apresenta 29% de seus municípios integrados ao Sistema Nacional de Trânsito, apesar de pequeno é um percentual significativo. Acredito que na medida que a municipalização avança, o programa EDUCA tem mais chances de permear estes municípios e cumprir sua missão.

  • Danilo Costa
    Posted at 12:19h, 19 agosto Responder

    Diversas ações e nomenclaturas para educação para o trânsito são lançadas, mas sem a adesão verdadeira teremos sempre programas sem resultados. Acredito que todos os esforços de recursos financeiros e humanos devem convergir para uma educação escolar e com fixação da temática trânsito em grade curricular. Outrossim deve haver a exigência para aqueles que são gestores na área de transito possuam ou se capacitem para se-lo de forma tecnica e com experiencia comprovada ou em aquisição. Os programas internacionais e nacionais são válidos, mas como difundi-los se sequer temos um índice satisfatório do básico que é a educação e a municipalização do trânsito.

  • Thiane Macêdo
    Posted at 14:33h, 19 agosto Responder

    Educação é base em tudo!
    Todos projetos desenvolvendo pelo Observatório são muitos importante é práticos, ou seja de fácil adesão . Infelizmente muitos muitos (interior) não tem o conhecimento dessas ações e com o papel do observador esses projetos serão mais divulgados para todos. O Projeto Vida no Trânsito, mobiliza toda a sociedade em prol de um trânsito mais seguro e isso é de suma importância.

  • ALEXANDRE GONÇALVES DE MATOS
    Posted at 02:10h, 20 agosto Responder

    Estou ansioso para fazer parte desta grande família que compõe o Observatório Nacional de segurança Viária, com a certeza de que somente essa parceria trará a real oportunidade de contribuir com o meu atual município de São Roque.

Post A Comment