OBSERVATÓRIO | Observatório divulga Carta aos Presidenciáveis e candidatos a Governador
1600
post-template-default,single,single-post,postid-1600,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Observatório divulga Carta aos Presidenciáveis e candidatos a Governador

Observatório divulga Carta aos Presidenciáveis e candidatos a Governador


Observatório divulga Carta aos Presidenciáveis e candidatos a Governador

Com o intuito de colocar o tema “segurança viária” na mesa de discussões e também nos debates em que participam os candidatos à presidência e também a governador, o Observatório Nacional de Segurança Viária divulga hoje a Carta Compromisso aos Presidenciáveis/Governadores. Matando mais de 50 mil brasileiros por ano, o trânsito é hoje um tema que não recebe o devido destaque nos programas diários eleitorais de rádios e TVs. Nas centenas de entrevistas que os candidatos concedem semanalmente, esse tema também é pouco explorado.

A Carta mostra o cenário do trânsito no país, com dados divulgados por diversos órgãos públicos e privados nos últimos anos, pontuando informações sobre mortos e feridos e os incalculáveis gastos públicos decorrentes dos acidentes de trânsito. Além disso, vale lembrar que já temos dois planos bastante abrangentes para o setor (Política Nacional de Trânsito/2004 e o Plano Nacional de Redução de Acidentes/2010) com basicamente todas ações previstas para redução de mortes e feridos, porém, sem a devida atenção dos governantes. A segurança viária não é, definitivamente, uma política de governo no nosso país.

Para nortear as atividades do próximo governo (tanto nacional, quanto dos estados), o Observatório sugere que os esforços foquem em três eixos distintos: dados e informações, gestão integrada e educação. E para encerrar, solicitamos aos CANDIDATOS que se comprometam com as diretrizes da Carta e efetivamente olhe para o trânsito como uma área que merece investimentos em tecnologia, estudos e efetivamente, ações.

Leia aqui a Carta na íntegra:

Sem comentários

Escreva um comentário