OBSERVATÓRIO | Painel – Fiscalização
4373
post-template-default,single,single-post,postid-4373,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Painel – Fiscalização

Painel – Fiscalização

Fiscalização deve ser vista como uma aliada para a segurança

Quase todo motorista acha que existe muita fiscalização nas vias, mas os números provam o contrário. De acordo com estudos, para cada 10 mil multas cometidas, apenas uma é registrada pela fiscalização de trânsito. Outros dados também confirmam que as equipes de fiscalização são insuficientes para monitorar o comportamento dos motoristas em todo o Brasil.

No país, três a cada quatro cidades não contam com equipes de fiscalização no trânsito. Num cenário de cerca de 5500 municípios, isso significa que menos de 1500 cidades fiscalizam seus motoristas e veículos, segundo informações do DENATRAN.

De acordo com o órgão, o ideal seria a proporção de um agente para fiscalizar entre 1 a 2 mil veículos. Mas só a título de exemplo, o cenário na maior metrópole do país, São Paulo, é de  1850 agentes de trânsito para 8 milhões de veículos. Esse dado revela que cada agente fiscalizaria 4300 carros. Imaginem nos outros municípios.

Se o olhar for para as rodovias federais, o país conta com 10400 policiais rodoviários para acompanhar uma frota de 82 milhões de veículos – isso representa um policial rodoviário para 8 mil carros. Em países como a Espanha, a fiscalização é muito mais intensa. São 3 mil carros para cada agente.

Entretanto, para além dos números, quem cumpre a legislação não gostaria da fiscalização por qual razão; já que ela também é um pilar imprescindível para a segurança?

Esses números e as questões como as colocadas acima, além de experiências modelos de fiscalização como a Operação Lei Seca, em Pernambuco, serão os temas do Painel “Fiscalização”, que abrirá os debates do Seminário Urbanidade, por uma mobilidade mais segura, nesta terça, dia 3/11, em Brasília, no Auditório do Correio Braziliense.

As experiências revelam que onde a fiscalização é eficiente, a sociedade aprova e muda de comportamento, resultando em menos multas e mais segurança para todos, defende o ONSV (OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária).

Esse painel de debates será coordenado pelo diretor-técnico do OBSERVATÓRIO, Paulo Guimarães, com a participação dos debatedores: Maria Alice Nascimento Souza, diretora da Polícia Rodoviária Federal; Coronel André Cavalcanti, coordenador-Executivo da Operação Lei Seca; por Silvio Médici, presidente-Executivo da ABEETRANS; e pelo coronel Marco Andrade, coordenador da Operação Lei Seca.

Sem comentários

Escreva um comentário