OBSERVATÓRIO | 3ª Conferência Ministerial Global de Segurança Viária: ONU lança chamado para reduzir mortes no trânsito em pelo menos 50% até 2030
24020
post-template-default,single,single-post,postid-24020,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

3ª Conferência Ministerial Global de Segurança Viária: ONU lança chamado para reduzir mortes no trânsito em pelo menos 50% até 2030

3ª Conferência Ministerial Global de Segurança Viária: ONU lança chamado para reduzir mortes no trânsito em pelo menos 50% até 2030

A 3ª Conferência Ministerial Global sobre Segurança Viária da ONU, lançou o chamado para reduzir as mortes no trânsito em pelo menos 50% até 2030. O Brasil é o quarto país com mais mortes no trânsito, segundo dados da OMS – atrás de China, Rússia, Índia e Estados Unidos. Entrevistado pela RFI, o diretor de relações institucionais do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, Francisco Garonce, falou sobre esse desafio.

Como um dos representantes do OBSERVATÓRIO na conferência em Estocolmo, Garonce comentou: “É preciso observar que a frota de veículos dos Estados Unidos é muito maior, com cerca de 120 milhões de carros a mais do que a frota brasileira”, observa.

A média mensal de vítimas em rodovias federais aumentou quando o governo Jair Bolsonaro determinou a suspensão dos radares móveis, em agosto de 2019, a fim de evitar o que classificou como “indústria das multas”. Segundo dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF), compilados pela organização SOS Estradas, entre agosto e outubro do ano passado o número de mortes aumentou 2%, e o de feridos 9,1%.

“Hoje, a Polícia Rodoviária Federal está utilizando os radares móveis, que foram suspensos temporariamente”, afirma Garonce. “O problema é que muitos radares foram instalados fora das normas previstas pela legislação, por exemplo, atrás de árvores. É papel do Ministério Público determinar a regularização”, enfatiza.

Sobre a declaração do presidente Jair Bolsonaro, que defendeu a retirada dos radares pelo “prazer de dirigir”, Garonce observa que a sociedade como um todo precisa abraçar a causa por maior segurança no trânsito.

“Pode-se perder o prazer de dirigir livremente, mas ganha-se em vidas. O ideal é alcançar velocidades de 30 km por hora, para que ninguém mais morra no trânsito”, ainda segundo Garonce, um dos maiores desafios do Brasil é com a segurança dos motociclistas.

“Por exemplo, no Norte e no Nordeste do Brasil o número de vítimas causadas por acidentes com motocicletas já ultrapassa a quantidade de pedestres mortos em acidentes de trânsito”, finaliza.

Leia a matéria completa em: http://www.rfi.fr/br/europa/20200219-onu-quer-reduzir-em-50-os-mais-de-1-milh%C3%A3o-de-mortes-por-acidentes-no-tr%C3%A2nsito

2 Comentários
  • JOSE ALFREDO BRANDAO E SOUSA
    Postado às 14:51h, 21 fevereiro Responder

    Parabéns ao Observatório ONSV por nós representar. Juntos, vamos sim conseguir o cumprimento do pretendido. #tamojunto

  • FABIO MOUTINHO BUENO
    Postado às 01:53h, 25 fevereiro Responder

    Os dados traduzem um desafio que todos temos que enfrentar. Mais educação para o trânsito, trânsito mais seguro.

Escreva um comentário