Loader
BRASIL NÃO REDUZ O NÚMERO DE VÍTIMAS NO TRÂNSITO NEM DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19
30916
post-template-default,single,single-post,postid-30916,single-format-standard,bridge-core-2.3.6,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-22.2,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.9.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-28047

BRASIL NÃO REDUZ O NÚMERO DE VÍTIMAS NO TRÂNSITO NEM DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19

BRASIL NÃO REDUZ O NÚMERO DE VÍTIMAS NO TRÂNSITO NEM DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19

Observador Certificado ressalta necessidade de políticas públicas para reduzir ocorrências de trânsito

Conforme levantamento da reportagem do Jornal do Commercio e da Rádio Jornal de Pernambuco, nem mesmo a pandemia de covid-19 foi suficiente para reduzir o número de vítimas no trânsito brasileiro. Para comentar sobre os dados apresentados pela matéria, o repórter Max Augusto conversou com o Observador Certificado pelo OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, Emanuel Plácido.

Segundo dados do Ministério da Saúde em 2021, em média 642 pessoas foram internadas por dia na rede pública de saúde com lesões causadas por sinistros de trânsito. O número é um recorde. Para se ter uma ideia, dez anos atrás, esse total era 34%. Em 2011, a média diária era de 480 internações. Em 2020 também não foi diferente, mostrando que as medidas de distanciamento social exigidas pela pandemia não conseguiram impedir aumento da violência no trânsito.

Quando o recorte é feito a partir dos dados da PRF (Polícia Rodoviária Federal), o país registrou em 2020, 188 mil internações de pessoas envolvidas nesse tipo de sinistro. Já em 2021, o número aumentou 24%, indo para 234 mil.

Segundo o especialista em segurança no trânsito e Observador Certificado, Emanuel Plácido, o aumento nos índices está diretamente ligado ao fator humano. “A falta de conscientização dos condutores, dos pedestres, das pessoas que utilizam as nossas vias públicas é uma das principais causas desses eventos. Precisamos de políticas públicas voltadas ao ser humano, políticas que façam com que o impacto numa ocorrência desses eventos não cause lesões graves ou mesmo leve a morte”, argumentou.

Ouça a matéria completa:

1 Comment

Post A Comment