Matérias

OBSERVATÓRIO foi ouvido na série de reportagens da rádio BandNews FM sobre álcool e direção

Escrito por Portal ONSV

19 DEZ 2017 - 13H44

A série de reportagens da rádio BandNews FM sobre beber e dirigir que abordou as falhas da legislação brasileira nesse quesito ouviu, no início de dezembro, o OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária. Coube ao gerente técnico da entidade, Renato Campestrini falar sobre o assunto à apresentadora Gabriela Mayer.

Ouça a série completa:

cap 1 - http://www.bandnewsfm.com.br/2017/12/04/brasil-esta-entre-os-cinco-paises-no-mundo-com-mais-mortes-no-transito/

cap 2 - http://www.bandnewsfm.com.br/2017/12/05/como-funciona-legislacao-brasileira-e-os-debates-sobre-ela/

cap 3 - http://www.bandnewsfm.com.br/2017/12/06/como-funciona-fiscalizacao-da-lei-seca-no-brasil/

cap 4 - http://www.bandnewsfm.com.br/2017/12/07/os-custos-da-imprudencia-dos-motoristas-para-saude-publica-brasileira/

cap 5 - http://www.bandnewsfm.com.br/2017/12/08/os-desafios-que-o-brasil-tem-no-combate-imprudencia-de-condutores-alcoolizados/

Campestrini destacou a falta de dados sobre acidentes de trânsito envolvendo motoristas embriagados, já que falta unificação no registro dos boletins de ocorrência e as consequências disso para o sistema. “Quando você tem os dados mínimos que precisam constar num boletim de ocorrência você consegue fazer todo mundo conversar praticamente a mesma língua. Obter dados é importante para atacar os fatores de risco”, disse o gerente técnico.  Uma resolução do Contran (Conselho Nacional de Trânsito) estabelece o registro nacional de acidentes de trânsito e prevê os dados mínimos que um boletim de ocorrência deve ter. mas a medida nunca foi regulamentada.

O OBSERVATÓRIO também contribuiu com a reportagem expondo o custo dos acidentes de trânsito no Brasil, que somou mais de R$ 52 bilhões em 2015. Foram tirados R$ 255,69 do bolso de cada cidadão, dinheiro de impostos que deixou de ser investido em melhorias. Os gastos são potencializados pela gravidade das colisões, já que beber e dirigir não resulta só em alterações físicas para o condutor, mas também mudanças de comportamento.

Diante desse cenário, o Brasil tem muito trabalho pela frente. Apostar na fiscalização e na comunicação pode ser um começo. Para o OBSERVATÓRIO, mudar a cultura dos motoristas deveria começar cedo. “Precisamos colocar a Educação de Trânsito nas escolas. Fazer com que as crianças, quando estiverem mais presentes no meio, tenham consciência da percepção do risco, das atitudes desejáveis para evitarem se envolver em um acidente e causar mortes ou ferimentos em outras pessoas”, reforçou Campestrini.

Cerca_de_62_pessoas_envilvidas_em_sinistros_de_transito_no_rio_de_janeiro_em_2023
Observadores Certificados

Cerca de 62 pessoas envolvidas em sinistros de trânsito por dia no Rio de Janeiro em 2023

O telejornal Bom Dia Alerj da TV Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro), de hoje (21), apresentou uma reportagem sobre violência no trânsito nos grandes centros urbanos e destacou uma pesquisa que classifica o estado do Rio de Janeiro entre os três com os motoristas mais rudes do Brasil. O especialista em Gestão e Direito de Trânsito e Observador Certificado, Maicon de Paula, foi consultado e defendeu a Educação para o Trânsito como instrumento para diminuir a violência no trânsito.

Regiao_do_grande_abc_registra_mes_de_maio_mais_letal_desde_2015
Observadores Certificados

Região do Grande ABC registra o mês de maio mais letal no trânsito desde 2015

A edição de ontem (20), do Diário do Grande ABC, em São Paulo, destacou que apesar do mês de maio ser marcado como uma época de conscientização para a segurança no trânsito, a Região do Grande ABC registrou o mais letal no trânsito desde 2015. O Observador Certificado Regis Frigeri foi consultado pela reportagem para falar sobre a eficácia das campanhas anuais de conscientização promovidas pelo Maio Amarelo diante do aumento de sinistros de trânsito.

Faixa_azul_deve_chegar_a_200km_na_cidade_de_sao_paulo_ate_o_final_do_ano
Matérias

Faixa Azul deve chegar a 200 km na cidade de São Paulo até o final do ano

A Faixa Azul é um projeto da prefeitura de São Paulo que cria uma pista exclusiva para motos em avenidas movimentadas da cidade. Iniciada em 2022, teve rápida expansão para se tornar uma bandeira eleitoral e deve chegar a 200 quilômetros no fim do ano. O head de Mobilidade Segura do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, Pedro Borges, foi um dos especialistas que falou ao Globo na última quarta-feira (19), sobre os resultados apresentados.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Portal ONSV, em Matérias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.