Matérias

Quem anda a pé precisa de mais atenção

Escrito por Portal ONSV

14 NOV 2017 - 18H56

[vc_row css_animation="" row_type="row" use_row_as_full_screen_section="no" type="full_width" angled_section="no" text_align="left" background_image_as_pattern="without_pattern"][vc_column][vc_column_text]Estudo revela que nos dois Estados mais populosos quem está a pé, corre o maior risco

Dentro do eixo Estudos & Pesquisas do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, publicamos hoje o primeiro estudo da série “Relatório Estatístico de Segurança Viária – PEDESTRE”, com várias análises sobre o modo de transporte mais antigo da humanidade e por qual todos nós em algum momento estamos: a pé. Dentre algumas constatações, os dois Estados mais populosos do país – Rio de Janeiro e São Paulo – mostra que a principal vítima do trânsito é quem está a pé, representando especificamente 40% e 34%, no total de óbitos registrados pelo DataSus em 2015.

A parceria entre o OBSERVATÓRIO e a UFPR (Universidade Federal do Paraná) gerou esse trabalho, mas a série deve apresentar, ao longo desse ano ainda, mais duas edições, com o objetivo reunir estatísticas de diferentes fontes para entregar à sociedade um diagnóstico completo sobre a situação, em termos de segurança viária de diversos grupos de usuários caracterizados por seu modo de transporte, faixa etária, ou mesmo por determinado comportamento de risco. Cada relatório é composto por uma introdução sobre o tema, seguido de perfis estatísticos para o Brasil e cada uma das Unidades da Federação, além de concluído por uma seção de recomendações.

Nesse documento, entre as constatações que mais chamam a atenção é de que, nas cidades com menos de 250 mil habitantes, o modo de deslocamento da maioria da população é a pé, chegando até a 40% de todas as viagens realizadas. Sendo o pedestre, o ator mais vulnerável do trânsito, todas as políticas de mobilidade e segurança devem ter no caminhar a atenção principal. Calçadas, travessias, praças e todo o conjunto de caminhos por onde passa o pedestre deve receber prioridade de investimentos dos governos.

No contexto da segunda metade da Década Mundial de Ações para a Segurança Viária, em que o Brasil ainda apresenta números inaceitáveis de vítimas do trânsito, as práticas de gestão da segurança – um dos pilares da Década indicados pela Organização das Nações Unidas – adquirem importância fundamental na elaboração estratégias adequadas às distintas e contrastantes realidades existentes no território brasileiro.

Esse estudo tem como objetivo principal reunir diversas estatísticas sobre a mortalidade de pedestres no Brasil, de modo a auxiliar na construção de uma estratégia de atuação para a garantia da segurança desse grupo de usuários que, no exercício mais universal do direito de ir e vir – andar a pé –, estão vulneráveis aos riscos de acidentes de trânsito.

Com esse relatório, o OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária cumpre sua missão que é de “desenvolver e compartilhar conhecimentos técnicos e comportamentais para influenciar políticas públicas e sociais, por meio de alianças estratégicas, ações contínuas, estudos e pesquisas a fim de contribuir com a construção de um trânsito mais seguro para o Brasil”.

No final apresentamos as recomendações sugeridas pela equipe técnica diante da explícita necessidade de direcionar maior atenção aos usuários do modo a pé no país, tanto por sua representatividade nos deslocamentos diários, quanto por sua evidente vulnerabilidade constatada por meio das análises de âmbito nacional e estadual. Com isso, destacamos:

  1. Melhoria no planejamento de transportes e engenharia de tráfego visto que o modo a pé demanda investimentos em infraestrutura, em geral, mais baixos (em comparação aos modos motorizados) e impactam positivamente parcela substancial das viagens nas cidades brasileiras.
  2. A faixa de pedestres deve ser um reforço (importante) à preferência de travessia do pedestre nas interseções. Nas travessias em meio de quadra, nas quais não é previsível e clara a linha de desejo, esta deve ser regulamentada pela faixa de pedestre.

  1. A redução dos limites de velocidades em vias urbanas deve ser uma tendência a ser seguida, pois contribui para a preservação da integridade dos usuários mais vulneráveis na medida em que reduz, tanto os riscos de acidentes ocorrerem, quanto a severidade dos mesmos. A alegação contrária a esta medida, de que aumenta os congestionamentos, é contestável pelo menor espaçamento necessário para a circulação de veículos em velocidades mais baixas, de modo que uma via é capaz de acomodar mais veículos em velocidades mais baixas – conceito de densidade em engenharia de tráfego.

Com essa publicação, queremos incentivar governantes, iniciativa privada e também a sociedade, em voltar esforços para que juntos possamos propor melhorias e ações que colaborem para a mudança do comportamento de todos no trânsito, pois no nosso entender, não existe mudança efetiva sem a união de todos.

Esse trabalho foi tema de uma matéria no Jornal da Record, da TV Record compondo a série apresentada pela emissora intitulada “Vidas Atropeladas”, na primeira semana de novembro. Assista a matéria:[/vc_column_text][vc_empty_space][button target="_self" hover_type="default" text="ASSISTA" link="https://noticias.r7.com/jornal-da-record/videos/serie-jr-imprudencia-e-desatencao-de-pedestres-aumentam-o-numero-de-atropelamentos-09112017"][vc_empty_space][vc_column_text][/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Iluminacao_publica_contribui_para_o_transito_seguro
Matérias

Iluminação pública contribui para o trânsito seguro

Com o intuito de orientar os prefeitos e gestores públicos quanto à perenidade das ações do Minas Led*, assim como as melhores práticas no que diz respeito à iluminação pública, a Cemig - Companhia Energética de Minas Gerais, lançou a Revista Minas Led. Em sua primeira edição, traz a entrevista do CEO do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, Paulo Guimarães, que fala sobre a contribuição da iluminação pública para o trânsito seguro e mobilidade urbana.

Grande_Sao_Paulo_registra_aumento_de_mortes
Observadores Certificados

Grande São Paulo registra aumento de 32% no número de mortes no trânsito

O Observador Certificado Marco Antonio Ghiraldello falou ontem (17), pela Radioagência Nacional, da EBC – Empresa Brasil Comunicação, veículo público de comunicação, sobre os principais motivos que levaram o trânsito da Grande São Paulo a registrar aumento no número de óbitos nos primeiros cinco meses de 2024, comparado ao mesmo período de 2023.

Jornal_Manha_Bandeirantes_destaca_aumento_de_sinistro_de_transito_na_grande_sao_paulo
Observadores Certificados

Jornal Manhã Bandeirantes destaca aumento de sinistros de trânsito na Grande São Paulo

O jornal Manhã Bandeirantes de ontem (16), consultou o Observador Certificado e coordenador do Núcleo de Esforço Legal do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, Kenedy Santos Pereira, para falar sobre os principais motivos para os cinco primeiros meses de 2024 serem os mais letais dos últimos seis anos no trânsito da Grande São Paulo.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Portal ONSV, em Matérias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.