fbpx
Loader
Dicas da Observadora Certificada: “Ciclistas e a pandemia”
26237
post-template-default,single,single-post,postid-26237,single-format-standard,bridge-core-2.3.6,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-22.2,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.2.0,vc_responsive

Dicas da Observadora Certificada: “Ciclistas e a pandemia”

Dicas da Observadora Certificada: “Ciclistas e a pandemia”

A primeira Dicas da Observadora Certificada do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária de 2021, é escrita por Stefania Alvise, Observadora Certificada em Poços de Caldas, sul de Minas Gerais, e tem como tema o ciclista e o período de pandemia da covid-19.

Com a pandemia, o isolamento social exigiu das pessoas novas estratégias para conviver e até se exercitar. Desta maneira, muitos colocaram em prática aquela antiga proposição de pedalar. Todos nós sabemos que as bicicletas são meios de transporte ecologicamente corretos e contribuem para a saúde física e mental do ciclista, fortalece o sistema respiratório, cardiovascular e muscular, trabalha a concentração, a atenção e o foco. Além disso, podemos verificar que o uso de celular enquanto as pessoas pedalam é quase zero, elas preferem tirar fotos de paisagens e selfies quando estão paradas.

É uma atividade saudável que pode ser realizada de maneira individual ou em grupo, seguindo todos os protocolos exigidos devido à pandemia. Muitas pessoas já migraram para este tipo de transporte pela economia no tempo e pelos benefícios à saúde. Porém, há falta de lugares específicos para estacionamento de bicicletas, ciclovias que permitam o trânsito dos usuários em segurança e a falta de respeito dos condutores de veículos que, muitas vezes, ao invés de manterem o distanciamento de 1,5m (previsto no art. 201 do Código de Trânsito Brasileiro – Lei 9503/97), colocam os ciclistas em risco, jogando-os para fora ou apertando-os nas vias. Estes por sua vez, também devem seguir as regras de trânsito, se não houver ciclovias, procurar pedalar sempre à direita, enfileirados, utilizar os equipamentos de proteção adequados à atividade como capacete, luzes de sinalização, adesivos refletivos nos pedais, pneus, frente e trás, além de buzina e espelho retrovisor. O correto para a bicicleta, que também é um veículo, é circular sempre na mão de direção da via, tudo isso para sua própria segurança.

As estatísticas de acidentes envolvendo ciclistas possuem família, sentimentos e sonhos interrompidos! O respeito mútuo começa por nós, cidadãos! Quando exigimos melhora nas condições das vias, ciclovias que sejam eficazes e úteis, interligando pontos estratégicos das cidades, baseados em estudos de mobilidade urbana para que a população possa, sem medo, usufruir para lazer ou ir ao trabalho, estamos vivendo momentos de transformações importantes e o “novo normal” exige responsabilidade individual em prol do coletivo. No trânsito, sua responsabilidade salva vidas!

Stefania Alvise – Observadora Certificada pelo OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária em Poços de Caldas- MG

Foto de Vlad Fonsark no Pexels

No Comments

Post A Comment