OBSERVATÓRIO | Cinto de segurança no transporte rodoviário: uma preocupação
4354
post-template-default,single,single-post,postid-4354,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Cinto de segurança no transporte rodoviário: uma preocupação

Cinto de segurança no transporte rodoviário: uma preocupação

OBSERVATÓRIO disponibiliza vídeo sobre esse tema e destaca baixa adesão ao dispositivo

Se o cinto de segurança ainda é esquecido por parte dos passageiros de automóveis, sobretudo no banco traseiro, quando a gente se volta para os passageiros de ônibus e vans, a situação é ainda mais gritante e preocupa as entidades de segurança viária.

Apesar da legislação prever o cinto no transporte coletivo intermunicipal e interestadual, essa é mais uma lei que ainda demanda muita conscientização social para ganhar mais adesão.

Só para compreensão de cenário, uma pesquisa recente da ARTESP – Agência de Transportes do Estado de São Paulo (agosto de 2015) em rodovias paulistas, em praças de pedágio, mostrava que 38% dos passageiros no banco traseiro de carros não usavam o cinto de segurança – o que já era alarmante, mesmo com esse número ter sido colhido após intensa campanha educativa.

Agora, imagem o quadro do transporte de passageiros em ônibus e vans que revela também por meio de dados recentes (pesquisa da ANTT -Agência Nacional de Transportes Terrestres, em 2013) que 98% ignoram o cinto de segurança nas viagens, lembra o ONSV (OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária).

Não importa a distância, curta ou longa; ou a situação, mesmo se for numa emergência em ambulâncias, o uso do cinto de segurança, é uma exigência que pode salvar vidas e reduzir significativamente as lesões em qualquer veículo, mas no transporte de passageiros em ônibus e vans, o uso desse dispositivo, pode evitar tragédias de grandes proporções.

Vale ressaltar que no transporte coletivo de passageiros intermunicipal e interestadual, os veículos devem disponibilizar cintos em boas condições e com acesso facilitado a todos os usuários e também que em linhas rodoviárias (ônibus com uma única porta, e aí se inclui os fretamentos) é proibido o transporte de passageiros de pé.

A principal orientação aos passageiros é para não usar veículos que não disponham de cintos, alerta o OBSERVATÓRIO.

A entidade argumenta ainda que estudos comprovam que o cinto de segurança reduz em 70% os riscos de lesões e 40% os riscos de mortes desses passageiros.

Grande parte da segurança nas viagens depende do comportamento do passageiro, que precisa exigir o cinto; e, ao entrar nestes veículos, não deixar de usá-lo; defende a entidade.

“Muitos usuários reclamam que os cintos ficam escondidos, mas eles devem ser o principal fiscal para que a Lei seja cumprida. “Se você entrar num ônibus ou van e não encontrar o cinto, deve cobrar do condutor, em primeira instância; e se não for atendido levar sua reclamação aos órgãos de fiscalização (Agências estaduais e nacionais, responsáveis pela fiscalização). Entretanto, o que se vê muito nos trajetos são cintos disponibilizados e ignorados.”

Para compreender todas essas questões, assista ao vídeo do OBSERVATÓRIO sobre este tema.

Sem comentários
  • Sergio Rodrigues Santana
    Postado às 15:59h, 04 Março Responder

    A principal intenção do uso do cinto de segurança nos automóveis é arrecadar dinheiro com multas, se polícia rodoviária e os políticos e governantes em geral estivessem realmente preocupados com a segurança dos passageiros procurariam uma forma de se usar cinto de segurança em ônibus urbanos, e proibiram que nós passageiros fossemos carregados em pé como gado nesse maldito transporte público. E para deixar claro quero dizer que só uso cinto de segurança nos automóveis para evitar multas, e não uso cinto de segurança em ônibus rodoviários, e quero ver qual “otoridade” vai ter peito e coragem pra me obrigar a utilizar.

Escreva um comentário