OBSERVATÓRIO | Folgados na pista: OBSERVATÓRIO comenta sobre alto número de motoristas que não usam a seta em São José do Rio Preto
24186
post-template-default,single,single-post,postid-24186,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Folgados na pista: OBSERVATÓRIO comenta sobre alto número de motoristas que não usam a seta em São José do Rio Preto

Folgados na pista: OBSERVATÓRIO comenta sobre alto número de motoristas que não usam a seta em São José do Rio Preto

O jornal “Diário da Região”, de São José do Rio Preto (SP), iniciou na última sexta-feira (13/03), uma série de reportagens especiais intitulada “Folgados na Pista”. O OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária comentou o descaso do não uso da seta pelos motoristas e como esse costume pode causar acidentes e até, levar ao óbito.

Na tarde da quarta-feira (11/03), a equipe do jornal Diário da Região flagrou em 10 minutos, em uma única rotatória da cidade, 55 motoristas mudando de direção sem utilizar a seta. Apesar da infração de trânsito, a prática é comum e tem ficado impune em São José do Rio Preto.

Segundo o porta-voz da Guarda Civil Municipal (GCM) de Rio Preto, não existe uma fiscalização da guarda direcionada ao não uso da seta. “O que existe é o patrulhamento de rotina. É durante o patrulhamento pelas vias que o agente visualiza e aplica a infração”, e explica, “Geralmente, quando o condutor do veículo vê a viatura, ele dá seta, pois sabe que poderá ser autuado”, argumenta sobre o baixo número de autuações.

Para o diretor de relações institucionais do OBSERVATÓRIO, Francisco Garonce, uma das únicas formas de reverter o quadro é através da fiscalização. “O que funciona efetivamente é a fiscalização, porque ela está ali para fazer com que o indivíduo cumpra a lei. Só a fiscalização pode mudar o comportamento de quem sabe o que é certo e o que é errado, mas mesmo assim, decide fazer o errado”, advertiu.

Garonce alerta para a falta de conscientização das pessoas sobre os riscos do trânsito: “O trânsito mata muito mais que o coronavírus e as pessoas continuam a agir como se o coronavírus fosse o mal maior”, encerra.

Conforme o artigo 196 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), deixar de indicar com antecedência, mediante gesto regulamentar de braço ou luz indicadora de direção do veículo, o início da marcha, a realização da manobra de parar o veículo, a mudança de direção ou de faixa de circulação: Infração – grave, cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH); Penalidade – multa de R$ 195,23.

Leia a matéria completa em: https://www.diariodaregiao.com.br/_conteudo/2020/03/cidades/transito/1187614-em-rio-preto-motorista-nao-da-seta-e-fica-impune.html

Foto: Rone Carvalho/Diário da Região

Sem comentários

Escreva um comentário