OBSERVATÓRIO | Fórum Debate os Perigos do Trânsito em Duas Rodas
866
post-template-default,single,single-post,postid-866,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Fórum Debate os Perigos do Trânsito em Duas Rodas

Fórum Debate os Perigos do Trânsito em Duas Rodas


Fórum Debate os Perigos do Trânsito em Duas Rodas

Cerca de 200 pessoas participaram no último dia 11, no Rio de Janeiro, do Fórum Internacional de Traumas de Trânsito, do Congresso ORTRA (XXVI Congresso Internacional de Atualização em Ortopedia e Traumatologia). O evento contou com uma plateia multidisciplinar e trouxe questionamentos de várias áreas quanto a problemática dos acidentes de trânsito envolvendo motociclistas.

Foram três mesas temáticas onde os palestrantes puderam traçar um panorama amplo de vários fatores que colaboram para que, a cada ano, mais e mais motociclistas se envolvam em acidentes fatais e graves no trânsito do Brasil. Médicos, especialistas, vítimas, motociclistas e entidades trouxeram dados que demonstram a urgência na mudança desse cenário.

Um dos pontos quase unânime nos discursos foi o treinamento precário da maioria dos alunos de motocicletas praticados pelos CFCs de norte a sul do país, com aulas práticas que não retratam em nada a realidade das ruas. Nesse ponto, o OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária mostrou a proposta de inovação e modernização da pista de aulas práticas dos futuros motociclistas de Indaiatuba, interior de São Paulo-SP, num projeto em parceria com a Prefeitura Municipal da cidade, a ACAI (Associação dos Centro de Formação dos Condutores e Autoescolas de Indaiatuba) e o Ciretran (Circunscrição Regional de Trânsito) local. A ideia foi melhorar a condição de ensino dos instrutores e, consequentemente, a formação do motociclista.

Segundo pesquisa realizada pelo OBSERVATÓRIO e Ciretran, a nova pista de aulas e provas foi aprovada por mais de 90% dos alunos entrevistados. “Nossa intenção é melhorar a qualificação desse piloto que vai para as ruas de nossas cidades. Precisamos capacitá-lo com o que há de mais próximo da realidade para assim, cobrar dele o que ele realmente aprendeu e não o que nós achamos que ele deveria saber”, explica José Aurélio Ramalho, presidente do OBSERVATÓRIO.

Sobre a mesa “Legislação e atuação parlamentar sobre as motocicletas”, o deputado federal Hugo Leal, presidente da Frente Parlamentar do Trânsito Seguro, disse que: “encontros como esse é que me estimulam a persistir na missão parlamentar de garantir a segurança da circulação viária e a proteção da vida humana no trânsito. As manifestações das vítimas e dos usuários, somadas aos impactantes depoimentos dos médicos traumatologistas, nos dão a certeza de que há ainda um longo caminho para alcançarmos o audacioso desafio da DÉCADA DE AÇÃO PELA SEGURANÇA NO TRÂNSITO 2011 – 2020. Mas vamos chegar lá!” Hugo Leal citou em seu discurso, por diversas vezes, o desempenho do OBSERVATÓRIO no que diz respeito a ser um catalisador de ações junto à sociedade.

Para o médico Aziz Chidid Neto, presidente do grupo Saúde Assim, que presidiu o debate que encerrou o evento, “a moto é um veículo muito inseguro”. Por isso, a formação do motociclista deve ser prioridade entre as autoridades que atuam sobre isso. “Das 83 cirurgias que um neurocirurgião fez o ano passado num hospital do Rio de Janeiro, 65 foram de motociclistas vítimas de acidentes de trânsito. Isso tem que mudar”. Dr. Aziz acredita que a criança é quem deve receber atenção especial no que diz respeito a Educação para o Trânsito. “Se começarmos a trabalhar a importância de um comportamento seguro desde já, teremos um trânsito mais respeitoso e humano, em algumas décadas”, afirma Dr. Aziz. Para ele, todo motociclista que comprasse uma moto, deveria receber uma cartilha com dicas de segurança e direção defensiva, conclui o médico e motociclista atuante.

Sem comentários

Escreva um comentário