OBSERVATÓRIO | O período é de chuvas intensas. Evite a aquaplanagem
8418
post-template-default,single,single-post,postid-8418,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

O período é de chuvas intensas. Evite a aquaplanagem

O período é de chuvas intensas. Evite a aquaplanagem

Estar atento às condições dos pneus contribui muito para a redução dos riscos de acidentes em situações de aquaplanagem

Embora o período seja de chuvas, especialmente na região Sudeste, elas, por vezes, costumam surpreender pela intensidade, o que, consequentemente, pode gerar situações complicadas que o condutor de veículo terá de enfrentar. Comprometimento da visibilidade, pista molhada e aquaplanagem (na qual o motorista pode perder totalmente o controle do veículo) são algumas das situações que podem contribuir para a ocorrência de graves acidentes.

Essas condições exigem decisões seguras e comportamentos preventivos quando se busca a segurança no trânsito. Cuidar da manutenção dos pneus é uma delas. O condutor consciente deve estar sempre atento às condições dos sulcos dos pneus e nunca deixar de calibrá-los de acordo com as recomendações do manual do proprietário.

A aquaplanagem ocorre com o acúmulo e pressão da água sob os pneus. Isso faz com que seja reduzido o atrito dos pneus na superfície da pista, possibilitando a perda de controle do veículo. Por isso, em condição de chuva é necessário reduzir a velocidade e redobrar a atenção. Se sentir que está com o carro aquaplanando, de imediato, tire o pé do acelerador até que possa sentir os pneus novamente no chão.

Nessas condições, evite frear. E, em caso de necessidade, freie devagar evitando assim o travamento das rodas. Veículos com freio ABS permitem que o motorista freie com mais segurança até mesmo nestas situações.

Em curvas, o cuidado deve ser maior, pois se houver aceleração ou frenagem rápida, o carro pode ser lançado para fora da estrada.

Outra orientação  importante é buscar seguir marcas de pneus deixados por outros carros, pois nestes locais o risco de acúmulo de água é bem menor,. Basta lembrar o que até mesmo os pilotos de fórmula um fazem isso – buscam seguir o rastro dos pneus para evitar derrapagens.

Siga algumas dicas sobre como se comportar:

– Em situações de aquaplagem, quando o motorista está em linha reta, o carro vai ficar solto e virar em qualquer direção. Caberá ao motorista mais força para controlá-lo para mantê-lo na direção correta.

– Se as rodas de tração aquaplanarem, pode haver um aumento em seu velocímetro e RPM (rotações por minuto) do motor, conforme os pneus começarem a girar.  O motorista deverá, então, soltar o pedal do acelerador, reduzir a velocidade e manter o carro em linha reta.

– Se as rodas da frente aquaplanarem, o carro vai começar a escorregar para fora da curva. Reduza a velocidade e busque mantê-lo em linha reta.

– Se as rodas de trás aquaplanarem, a traseira do carro vai começar a virar para o lado e derrapar. Oriente seus pneus na direção da derrapagem até que os pneus traseiros parem de aquaplanar e entrem em contato com o solo, então rapidamente vire para a direção oposta para endireitar seu veículo.

– Se todas as rodas aquaplanarem, o carro deslizará para a frente em linha reta, como se fosse um grande trenó. Mantenha a calma, reduza bem a velocidade soltando o pedal do acelerador e controle o volante na direção da estrada. Assim, quando um ou mais pneus recuperarem a tração com o solo, você conseguirá dirigir com mais tranquilidade.

– Pneus desgastados potencializam a chance do carro aquaplanar. Verifique, portanto, a situação dos sulcos e faça a calibragem rotineira, seguindo a pressão definida no manual do veículo.

– Quando mais longa e mais fina a área de contato, menor a probabilidade de um pneu passar por aquaplanagem. Um veículo mais pesado em um pneu inflado adequadamente diminui o risco de aquaplanagem, mas o oposto é verdadeiro para pneus com baixa pressão.

– Os sulcos de um pneu são feitos para expelir a água dele, mas às vezes o acúmulo de água é tão alto que o pneu não consegue dispersá-la; portanto, lembre-se que liberar o pedal do acelerador retarda o carro o bastante para que o pneu seja capaz de recuperar o contato com a superfície.

Sem comentários

Escreva um comentário