OBSERVATÓRIO | Observatório alerta sobre a necessidade da redução da velocidade
2931
post-template-default,single,single-post,postid-2931,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Observatório alerta sobre a necessidade da redução da velocidade

Observatório alerta sobre a necessidade da redução da velocidade


OBSERVATÓRIO alerta sobre a necessidade de políticas para redução da velocidade nos centros urbanos

Esse é o único item que o país não atende recomendação da ONU, em relação aos fatores de riscos de acidentes

Com objetivo de colaborar para o melhor entendimento de toda a socie11a visão de que como órgão técnico, apartidário, e que busca incessantemente a preservação de vidas no trânsito brasileiro, pode contribuir tecnicamente para aprofundar as discussões.

Segundo o OBSERVATÓRIO, o acirramento dos debates sobre a redução da velocidade não é diferente de outras polêmicas já verificadas na sociedade brasileira e que tiveram a solução acertada de se fincarem na cultura nacional, como a obrigatoriedade do cinto de segurança (nos anos 90), a rigidez da Lei Seca, entre outras.

Junto ao posicionamento, o OBSERVATÓRIO encaminhou às entidades envolvidas parecer elaborado pela própria entidade de segurança viária, já disponível em seu site; e ainda ressaltou pesquisa que revela que políticas de redução de velocidade em outros países têm garantido conquistas enormes para a preservação de vidas nas vias.

No material enviado, o OBSERVATÓRIO destaca o exemplo de Londres, na Inglaterra, que conseguiu reduzir em 40% os mortos e feridos no trânsito nos últimos anos. Resultado que atende o preconizado pela ONU (Organização das Nações Unidas) dentro da Década de Ações para Segurança no Trânsito (2011-2020). Entre os principais fatores de mudança para essa conquista inglesa está a redução da velocidade em ruas e avenidas. Hoje, 25% dos principais corredores viários da cidade tem um limite máximo de 30 km/h, totalizando 280 km de ruas com essa velocidade máxima para todos os veículos automotores.

O OBSERVATÓRIO também disponibilizou para as autoridades envolvidas informações relevantes como a do Relatório Global Status Report on Road Safety 2013, publicado pela OMS (Organização Mundial Saúde), que aponta que somente 59 países que concentram 39% da população mundial (2,67 bilhões) têm implementado uma velocidade limite de 50 km/h nos centros urbanos, sendo que as autoridades locais, ainda têm a prerrogativa de reduzir ainda mais esses limites.

O Relatório mostra ainda países que foram classificados de acordo com a implementação de legislações e políticas públicas nos cinco principais fatores de risco, responsáveis por mortes e lesões no trânsito e que devem ser priorizadas: uso do capacete, a não associação de bebida alcoólica e direção, uso do cinto de segurança, uso de cadeirinhas e o limite máximo de velocidade urbana de 50 Km/h, sendo que o Brasil recebeu classificação positiva para os 4 primeiros itens, ficando somente com o quesito “limite de velocidade urbana de 50 Km/h” não atendendo a recomendação da OMS.

O relatório da OMS pode ser consultado no link: http://www.who.int/violence_injury_prevention/road_safety_status/2013/en/.

Sem comentários

Escreva um comentário