OBSERVATÓRIO | OBSERVATÓRIO estuda processo de formação de condutores
1979
post-template-default,single,single-post,postid-1979,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

OBSERVATÓRIO estuda processo de formação de condutores

OBSERVATÓRIO estuda processo de formação de condutores

Para o engenheiro Paulo Guimarães, responsável pela área de Pesquisa e Desenvolvimento do Observatório Nacional de Segurança Viária, três fatores principais contribuem para o aumento da suspensão e cassação de carteiras de habilitação.

“Em 2004, não existia o Renainf (Registro Nacional de Infrações de Trânsito). Então, se o condutor cometesse alguma infração fora de seu estado, não recebia multa ou pontuação”, diz. “Além disso, a modernização e o advento da Lei Seca, com penas mais severas, também contribuiram para o aumento”, complementa o engenheiro.

O principal fator citado por ele, no entanto, é a formação dos condutores. Por isso, o OBSERVATÓRIO deve publicar no próximo mês um trabalho de revisão sobre o processo de formação. “É o maior problema no que diz respeito à cultura de segurança viária. Ele é como uma fábrica de prego torto”, ressalta Guimarães.

Questões

Ele conta que o trabalho foi solicitado ao observatório pela Câmara dos Deputados e tem o objetivo de fazer um diagnóstico de todas as etapas do processo de formação de condutores.

“O psicoteste, por exemplo, será que está adequado? Os critérios são uniformizados. Se ele é tão importante, por que não precisamos fazer durante a renovação? Estas são questões que vamos propor”, afirma Paulo Guimarães.

O especialista questiona a substituição de aulas práticas na rua pelo simulador de direção, previstas pela Resolução 493/ 2014 do Contran. “É mais uma premissa errada. Os simuladores não substituem as aulas práticas em termos de aprendizado”, diz.

Fonte: A Tarde.com

 

Sem comentários

Escreva um comentário