OBSERVATÓRIO | ONSV participa de ação do Maio Amarelo no Rio de Janeiro
6018
post-template-default,single,single-post,postid-6018,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

ONSV participa de ação do Maio Amarelo no Rio de Janeiro

ONSV participa de ação do Maio Amarelo no Rio de Janeiro

Promovido pelo deputado Hugo Leal, autor da Lei Seca e presidente da FPTS, ato solene conscientizou sobre acidentes com mortes no trânsito

Distribuição de folhetos com informações e orientações sobre o elevado número de mortos e feridos graves registrados em acidentes de trânsito nas vias e rodovias do Brasil e do mundo, abordagens com a população, distribuição de pins e de camisetas do Maio Amarelo, movimentaram a praça ao lado da Paróquia São José da Lagoa, na Lagoa Rodrigues de Freitas, na Zona Sul do Rio de Janeiro, na manhã do domingo, dia 22 de maio.

As atividades fizeram parte das ações do ato solene do movimento Maio Amarelo, promovido pelo deputado Hugo Leal, autor da Lei Seca e presidente da FPTS (Frente Parlamentar em Defesa do Trânsito Seguro). A atividade foi realizada em parceria com a Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, que levou o projeto ‘Rio se move’, de incentivo à prática de esportes. A jornalista Daniela Gurgel, gestora de Comunicação, representou, no evento, o ONSV (OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária), criador do Maio Amarelo.

O deputado destacou, durante sua fala, que o Maio Amarelo alerta a sociedade sobre suas responsabilidades por um trânsito mais seguro. “Os acidentes de trânsito são a quinta maior causa de morte no mundo. As estatísticas demonstram que precisamos mudar, pois se referem a pessoas, além do grande impacto na economia.”

Ainda durante seu pronunciamento no ato, Leal ressaltou a sanção, na última semana, da Lei 13281/2016, que altera a infração do uso de celular ao volante, passando de grave para gravíssima, com o valor de R$400,00 e que começa a vigora em novembro.

Reitor do Santuário do Cristo do Corcovado, o padre Omar Cardoso afirmou que o Cristo Redentor ficará iluminado de amarelo para conscientizar a população desse movimento. “Estamos sempre de braços abertos para o Maio Amarelo”, declarou.

A experiência sofrida com a perda de um filho foi destacada por Kelly Soares, cujo filho, Kevin, foi vítima de trânsito do cerol, em novembro de 2015. “Entrei nessa luta para conscientizar a população de que essa linha não é brincadeira. Ela mata e dilacera muitas famílias”.

O presidente da ONG Trânsito Amigo, Fernando Diniz, declarou que “o Brasil gasta cerca de R$ 52 bilhões em acidentes de trânsito, mas não investe em educação de trânsito e prevenção”. “O Maio Amarelo precisa permanecer sempre em cada um de nós o ano inteiro”, ressaltou.

O comandante do BPRV, coronel Farias disse que “a principal luta é reduzir o número de acidentes nas rodovias do Rio de Janeiro”. O coordenador da Lei Seca, tenente-coronel Marco Andrade reforçou que o movimento é um pontapé para criar a preservação de vidas. “Hoje temos um problema de saúde pública. Mas nos últimos 7 anos, através da operação Lei Seca, tivemos a diminuição de 35% de alcoolemia”.

Após o ato, o padre Omar Cardoso celebrou uma missa em memória das vítimas de trânsito.

O evento contou com a presença do representante da Secretaria Estadual de Transporte, André Aguiar; do presidente da Comissão de Política sobre Drogas da OAB/RJ, Wanderley Rebello; da Seguradora Líder DPVAT; do Observatório Nacional de Segurança Viária; do coordenador do movimento SOS Estradas, Rodolfo Risoto; do instituto de trânsito.

O movimento tem como proposta chamar a atenção para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo, por meio de uma ação coordenada entre o Poder Público e a sociedade civil, a fim de colocar em pauta o tema da segurança viária e mobilizar toda a sociedade. O objetivo é reduzir em 50% as mortes no trânsito até 2020, meta estabelecida na 1ª Conferência Global de Alto Nível sobre Segurança Viária (2009), reiterada pela ONU.

 

Sem comentários

Escreva um comentário