OBSERVATÓRIO | Pneus exigem atenção cotidiana dos condutores
4240
post-template-default,single,single-post,postid-4240,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Pneus exigem atenção cotidiana dos condutores

Pneus exigem atenção cotidiana dos condutores

O OBSERVATÓRIO garante recomendações para ampliar a “vida” do equipamento e para viagens mais seguras

Todo tempo é tempo de ficar atento às condições dos pneus e estepe do seu veículo, mas se o seu carro apresentar trepidações e instabilidade ao volante ou dificuldades para frear, os problemas podem estar relacionados aos pneus e devem ser sanados com rapidez para que você possa dirigir com segurança e evitar acidentes.

O ONSV (OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária) retrata esse tema e apresenta dicas, em mais um vídeo, para que todos possam ser transportados com tranquilidade e sem riscos.

Quando o motorista fica atento às condições dos pneus e estepe, além de economia, ele também ganha mais conforto nos seus trajetos, lembra o OBSERVATÓRIO

Os cuidados com os pneus começam na aquisição do equipamento e para saber todas as especificações, fique atento ao Manual do Veículo, que garante as informações necessárias. O ideal é sempre manter as especificações do pneu original, que são as mais adequadas para a troca.

É sempre importante saber fazer a leitura dos pneus, lembra a entidade. E para isso, o motorista deve observar as informações que o pneu traz na sua lateral. Muita gente não sabe o que elas significam, por isso, o OBSERVATÓRIO ajuda a você a entendê-las. A título de exemplo, todo pneu traz uma numeração semelhante a essa: 195/60/R15 82V. O primeiro número indica a largura do pneu em milímetros (exemplo 195MM). O segundo indica a altura do pneu como uma porcentagem da largura, neste caso 60%(exemplo 117MM). A letra indica o tipo de construção do pneu, no caso a letra “R” indica um pneu Radial. O número que acompanha a letra é a indicação do diâmetro do aro de roda, em polegadas, neste caso seria 15”. O último número é um índice máximo de carga, neste caso o número “82” indica que é até 475 kg.

Por fim, a letra V indica o limite de velocidade que você pode alcançar com o pneu, nesse caso 240 km/h. Quando a letra que indica o índice de velocidade estiver entre parênteses, significa que o pneu pode ultrapassar a velocidade indicada (exemplo (W) mais de 270Km/h).

Tabelas com esses índices também estão disponíveis na internet, nos sites dos fabricantes de pneus.

O OBSERVATÓRIO ressalta ainda que é bom lembrar que os pneus são responsáveis pela aderência ao solo e absorção do impacto do veículo e este é um tema que sempre suscita uma série de perguntas  que este vídeo ajuda os condutores a esclarecer.

Muita gente pensa, por exemplo, que deve trocar os pneus do seu carro, apenas quando eles estiverem carecas. O que é um grande erro. O momento ideal para a troca é quando o desgaste atingir o índice TWI, presente nas ranhuras do pneu cuja função é indicar que seus pneus atingiram o limite mínimo de segurança para utilização. Esse índice é de 1,44mm de profundidade nos sulcos do pneu. É possível localizá-lo pela indicação na lateral da borracha. A troca também deve ser feita em caso de rasgos ou danos irreversíveis.

Dicas para ampliar a conservação desse item:

O vídeo traz ainda alguns procedimentos que podem ajudar a ampliar a “vida” dos pneus; entre eles, é fundamental mantê-los sempre calibrados, com a pressão certa. Para saber os valores, procure na tampa de combustível os valores de calibragem, nas portas ou consulte o Manual do Veículo. Faça a calibragem dos pneus a cada 15 dias, já que pneus murchos reduzem a estabilidade e sofrem maior desgaste, aumentando o consumo de combustível. Por outro lado, pneus calibrados demais também são perigosos e desgastam o centro do pneu.

Outra forma de manter os pneus conservados por mais tempo, além de garantir maior conforto e segurança, é realizar os procedimentos de alinhamento e balanceamento regularmente.

O recomendável é que se confira o alinhamento do carro a cada 5 mil km e o balanceamento e o rodízio de rodas, a cada 10 mil km rodados.

Em algumas situações, quando os pneus são submetidos a impactos de buracos ou podem vir a ser desalinhados por outros motivos, o alinhamento e balanceamento devem ser realizados antes mesmos de se atingir a quilometragem recomendada.

O vídeo do OBSERVATÓRIO garante também muitas outras recomendações:

– alerta para inspeções visuais constantes para verificar os desgastes e validade dos pneus;

– esclarece sobre os diversos tipos de desgastes e seus motivos (falta de alinhamento, balanceamento, problemas na suspensão e folga, calibragem errada etc);

– informa sobre a importância de instalar sempre o melhor pneu no eixo traseiro;

– além de trazer dicas sobre a calibragem do estepe, entre outros.

O OBSERVATÓRIO lembra que é preciso agir com responsabilidade na direção, evitando freadas bruscas que danificam os pneus.

Outra orientação simples e importante diz respeito ao cuidado ao estacionar. Evite parar com parte do pneu encostada na guia, e não ultrapasse o limite de carga dos pneus.

Para assistir ao vídeo, acesse esse link: http://www.onsv.org.br/podcasts/pneus-e-estepe/

Sem comentários

Escreva um comentário