OBSERVATÓRIO | Grupos irão trabalhar as propostas do Seminário Urbanidade
5843
post-template-default,single,single-post,postid-5843,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Grupos irão trabalhar as propostas do Seminário Urbanidade

Grupos irão trabalhar as propostas do Seminário Urbanidade

Em setembro novo encontro deve mostrar os avanços para a segurança no trânsito

Cerca de 100 pessoas participaram na manhã desta quinta (12 de maio) da 3ª edição do seminário Urbanidade. Dessa vez o tema foi: Ações Coordenadas e Integradas e reuniu profissionais de várias áreas de atuação no trânsito, não só do Distrito Federal, como também de vários Estados.

Em parceria com a FPTS (Frente Parlamentar em Defesa do Trânsito Seguro), o OBSERVATÓRIO está dando continuidade ao trabalho que começou em novembro do ano passado, quando da realização do Seminário Urbanidade “Por uma mobilidade segura” e várias autoridades de diversos setores como a iniciativa privada, poder público, poder legislativo e a sociedade civil organizada puderam expor os gargalos do trânsito e elencar os principais pontos a serem trabalhados dentro de cada eixo definidos pela ONU (Organização das Nações Unidas) como primordiais para a segurança no trânsito: Fiscalização; Infraestrutura e Gestão; Segurança Veicular, Saúde e Educação.

Foram montados 15 GTs (Grupos de Trabalho) que serão integrados por várias entidades públicas e privadas. Cada grupo fará reuniões periódicas (duas por mês), por meio de uma ferramenta disponibilizada pelo OBSERVATÓRIO conhecida como Google Hangout. O representante do OBSERVATÓRIO em cada grupo será o responsável por organizar as reuniões. Serão também disponibilizadas algumas ferramentas de apoio como uma área restrita no site do OBSERVATÓRIO para troca de informações do grupo em questão.

Além disso, a proposta prevê ainda um estudo analítico de cada tema proposto, os objetivos do trabalho, pesquisa de estudos acadêmicos, relatórios gerenciais e por fim, a apresentação dos resultados que está prevista para a Semana Nacional de Trânsito desse ano, ainda sem data confirmada.

Coube ao diretor técnico do OBSERVATÓRIO, engenheiro Paulo Guimarães, explicar toda essa dinâmica, como ficaram os grupos, qual a periodicidade das reuniões, como funcionará o hangout, etc. A partir desse entendimento, foram apresentados todos os 15 temas, três para cada eixo da ONU. São eles:

Na área de Fiscalização:

  1. Criar varas especiais para atender e julgar crimes de trânsito com o intuito de combater a impunidade, além de implantar delegacias especiais para tratar somente dos crimes de trânsito e agilizar o atendimento às ocorrências nessa área.
  2. Disseminar as boas práticas já existentes em algumas áreas da Fiscalização e sabidamente aplicáveis em outros Estados ou municípios, através de manuais, ensino à distância ou mesmo Fóruns.
  3. Padronizar os procedimentos da fiscalização para facilitar o trabalho dos profissionais da área, evitando contestação das regras.

Na área de Infraestrutura e Gestão:

  1. Ampliar os esforços para agilizar os processos de municipalização da gestão do trânsito nos municípios.
  2. Padronizar os boletins de ocorrência para a melhoria da coleta de dados.
  3. Integrar os bancos de dados relacionados a acidentes de trânsito.

Na área de Segurança Veicular:

  1. Implantar a inspeção técnica veicular, conforme já prevê o CTB, garantindo assim a circulação de veículos mais seguros.
  2. Implantar políticas ou programas de incentivo ao uso seguro de motos, abordando todos os itens que contribuam para a segurança do piloto e do garupa.
  3. Incentivar políticas (técnicas/fiscais) que estimulem a introdução e aquisição de equipamentos de segurança para veículos e seus condutores.

Na área da Saúde:

  1. Definir uma política de investimentos para o atendimento exclusivo dos acidentados de trânsito.
  2. Consolidar o serviço de atendimento móvel (SAMU) em todo território nacional.
  3. Trabalhar na reinserção das vítimas com sequelas permanentes ao mercado de trabalho, agindo para que o indivíduo continue produzindo e seja independente.

Na área da Educação:

  1. Implantar a Educação para o Trânsito nas escolas públicas do 1º ao 9º ano, conforme já prevê o CTB.
  2. Consolidar o processo de mudança na formação de novos condutores no Brasil, com o envolvimento dos Detrans, CFCs e Instrutores
  3. Elaborar campanhas permanentes de educação com foco na formação da percepção de risco que o trânsito apresenta.

 

Deputados apoiam e participam dos GTs

O presidente da FPTS, deputado Hugo Leal (PSB-RJ) encerrou o evento dessa quinta com o seguinte questionamento: o que falta para que o nosso trânsito efetivamente seja seguro? A proposta do Seminário Urbanidade foi apoiada por toda a diretoria da Frente e será acompanhada por vários representantes previamente definidos.

Para o deputado Hugo, a proposta do Urbanidade é algo que precisa ter acompanhamento e essa é a tarefa do OBSERVATÓRIO. Já a deputada federal e vice-presidente da FPTS, Christiane Yared (PTN-PR) as propostas podem efetivamente começar a mudar esse cenário que hoje temos no país.

Além dos deputados, para cada eixo de atuação, um representante foi escolhido para falar sobre a expectativa dos trabalhos e dos resultados. Cada um recebeu as pastas contendo o roteiro de trabalho que deve realizar. Pelo grupo Fiscalização, falou a diretora-geral da PRF (Polícia Rodoviária Federal) Maria Alice Nascimento; pelo grupo Infraestrutura e Gestão, o coordenador geral de planejamento normativo e estratégico José Renato Gonçalves; pelo grupo Segurança Veicular, falou o diretor-presidente do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, José Aurelio Ramalho; pelo grupo da Saúde, falou o dr. Gustavo Fraga, diretor da SBAIT (Sociedade Brasileira de Atendimento Integrado ao Traumatizado); e por último, pelo grupo da Educação, falou o presidente do Focotran (Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Trânsito), Horácio Mello.

Além desses representantes, também ocuparam a tribuna do Seminário, o diretor Institucional da Seguradora Líder-DPVAT, Carlos André Guerra.

A próxima fase do Urbanidade será a consolidação de cada um dos 15 GTs para dar início aos trabalhos.

 

 

1Comentário

Escreva um comentário