Loader
Seguro DPVAT: aumenta 186,8% apenas em ocorrências com motocicletas e ciclomotores no Mato Grosso do Sul; OBSERVATÓRIO comenta
24061
post-template-default,single,single-post,postid-24061,single-format-standard,bridge-core-2.3.6,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-22.2,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.2.0,vc_responsive

Seguro DPVAT: aumenta 186,8% apenas em ocorrências com motocicletas e ciclomotores no Mato Grosso do Sul; OBSERVATÓRIO comenta

Seguro DPVAT: aumenta 186,8% apenas em ocorrências com motocicletas e ciclomotores no Mato Grosso do Sul; OBSERVATÓRIO comenta

Segundo o portal “Campo Grande News”, de 2009 a 2018, foram pagas 64.646 indenizações às vítimas de trânsito envolvendo motociclistas e ciclomotores, entre condutores, passageiros e pedestres em Mato Grosso do Sul. O diretor-presidente do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viára, José Aurelio Ramalho, falou com a repórter Rosana Siqueira para a produção da matéria.

De acordo com os dados do relatório da Seguradora Líder, no período de 10 anos – entre 2009 e 2018 -, os pagamentos feitos pelo Seguro DPVAT cresceram 186,8% apenas em ocorrências relacionadas às motocicletas e aos ciclomotores. Já os casos com invalidez permanente são os mais alarmantes: cresceram 358,9% passando de 1.024 benefícios em 2009, para 4.669 em 2019.

Ramalho, diretor-presidente do OBSERVATÓRIO, lembra de alguns fatores que contribuíram para o aumento da frota de motocicletas em todo o país: “Temos a questão do déficit de transporte público no Brasil e do aumento da população nos grandes centros urbanos, que têm levado pessoas a buscar a motocicleta como meio de transporte, pela facilidade de acesso”, diz.

Ramalho também adverte que nem todos os condutores têm qualificação e preparo para usá-las com segurança: “O Código de Trânsito Brasileiro prevê que aulas de condução de motocicleta sejam executadas em vias públicas, ou seja, reproduzindo as condições normais de trânsito. E não há um Detran em nenhum estado da federação que cumpra essa legislação. Ou seja, o exame final é sempre em ambiente confinado”, alerta.

Relacionado ao relatório, o diretor-presidente do OBSERVATÓRIO adverte que há um período de até três anos para requerer o seguro DPVAT após o sinistro, o que pode gerar diferença entre o número de ocorrências do documento e os que ocorrem efetivamente a cada ano. “Os dados do Datasus, do Ministério da Saúde, demonstram que está havendo uma queda no número de mortos nos últimos três anos”, encerra.

Leia a matéria completa em: https://www.campograndenews.com.br/brasil/cidades/em-10-anos-dpvat-triplica-numero-de-indenizacoes-para-quem-anda-sobre-2-rodas

Foto: Campo Grande News

No Comments

Post A Comment