Entrevista

MORTES NO TRÂNSITO CRESCEM 13,5% NA ÚLTIMA DÉCADA; OBSERVATÓRIO E UFPR COMENTAM DADOS À REVISTA FAPESP

Acidentes com motociclistas agravam a insegurança viária no Brasil, exigindo a adoção de melhorias em estradas e a criação de campanhas educativas

Escrito por Portal ONSV

04 OUT 2023 - 11H54

A edição de outubro da revista Pesquisa Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), única revista jornalística especializada em cobrir a produção científica e tecnológica do Brasil, destacou o aumento de 13,5% em mortes no trânsito na última década no Brasil. O OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária e a UFPR (Universidade Federal do Paraná) foram consultados pela reportagem para avaliar os possíveis motivos desse aumento.

Sinistros com transporte terrestre são a principal causa de mortalidade juvenil na América Latina, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU). No Brasil, 392 mil pessoas morreram em decorrência de acidentes de trânsito entre 2010 e 2019, um aumento de 13,5% em comparação com a década anterior, conforme relatório do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgado no começo de agosto. Excesso de velocidade, consumo de bebidas alcóolicas e distrações ao volante, especialmente o uso de celulares, são alguns dos principais fatores de risco, que têm afetado de forma mais intensa homens e usuários de motocicletas. Para ampliar a segurança viária no país, especialistas defendem que é preciso realizar investimentos combinados tanto em infraestrutura de vias e mecanismos de fiscalização, como também na criação de campanhas para educar a população em relação ao cumprimento de leis e a adoção de comportamentos adequados no trânsito.

Cerca de 1,35 milhão de pessoas morrem anualmente no mundo por causa de acidentes viários. Quarenta e nove por cento são pedestres, ciclistas e motociclistas, de acordo com o sociólogo Victor Pavarino, oficial de Segurança Viária e Prevenção de Lesões da Organização Pan-americana da Saúde (Opas) e da Organização Mundial da Saúde (OMS). “Em nível mundial, mais de 90% do total de mortes no trânsito ocorre em países de baixa e média renda, como são os casos de nações latino-americanas”, destaca. Dados da ONU mostram, ainda, que países da região registram 17 óbitos por acidente de trânsito a cada 100 mil habitantes, valor que representa quase o dobro da média europeia, de nove por 100 mil habitantes.

Se as mortes por sinistros de trânsito foram agravadas em todas as modalidades de transporte, entre usuários de motocicleta a situação é alarmante. De 2010 a 2019, os óbitos de motociclistas totalizaram 120 mil vítimas fatais, em comparação com o número de 60 mil registrado na década anterior, segundo levantamento do Ipea, desenvolvido a partir de informações do SUS. Acidentes com motocicletas respondem hoje por 44% das mortes no trânsito de pessoas entre 15 e 29 anos, enquanto atropelamentos são responsáveis pela maior parte dos óbitos de indivíduos com mais de 70 anos. “Em 2021, das 33,8 mil mortes no trânsito, 11,9 mil foram de motociclistas”, enumera o engenheiro civil Jorge Tiago Bastos, da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Segundo o pesquisador, esse número está relacionado, entre outros motivos, ao crescimento da frota de motocicletas registrado nos últimos 25 anos, à expansão dos serviços prestados por esse tipo de condutor e às condições laborais precárias a que estão submetidos, com jornadas extensas e a necessidade de fazer um número grande de entregas.

Para o engenheiro, esse tipo de comportamento arriscado poderia ser evitado por meio de investimentos em educação para o trânsito, que estão previstos no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), a Lei nº 9.503. Sancionada em 1997, a legislação define atribuições de autoridades de trânsito e estabelece normas de conduta, além de determinar infrações, crimes e penalidades para motoristas. “Cidades e estados não têm colocado em prática projetos de educação para o trânsito, apesar de previstos na legislação”, alerta o pesquisador. O Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), por exemplo, tem material paradidático, aprovado em 2017 pelo Ministério da Educação (MEC), voltado para uso em sala de aula de alunos do 1º ao 9º ano do ensino fundamental. Pedro Borges, responsável pela área de Mobilidade Segura do ONSV, explica que os documentos se apoiam na ideia de que a educação no trânsito é um princípio de cidadania. “A proposta é fazer com que a população compreenda que acidentes podem ser evitados, mas isso depende de nossa atitude nas vias”, observa.

Leia a matéria completa, de Cristina Queiroz, publicada originalmente no site da Revista Pesquisa Fapesp: https://revistapesquisa.fapesp.br/mortes-no-transito-crescem-135-na-ultima-decada/

CCRSPVias_reforca_acoes_de_conscientizacao_durante_maio_amarelo
Matérias

CCR SPVias reforça ações de conscientização sobre trânsito seguro neste Maio Amarelo

Como parte da programação da CCR Rodovias neste Maio Amarelo – mês dedicado à conscientização sobre a importância da redução dos sinistros de trânsito, a CCR SPVias, responsável pela administração das principais rodovias do Sudoeste Paulista, realizará ao longo deste mês, diversas ações com o objetivo de sensibilizar os públicos que utilizam as rodovias, como motoristas, motociclistas, pedestres, caminhoneiros, sobre a importância da adoção do comportamento seguro.

Observador_certificado_apresenta_maio_amarelo_na_rede_minas_tv
Observadores Certificados

Observador Certificado apresenta o Maio Amarelo na Rede Minas TV

O programa Brasil das Gerais, da Rede Minas TV – rede de TV pública sediada em Belo Horizonte, Minas Gerais, apresentou aos seus telespectadores a campanha do Movimento Maio Amarelo, que desde 2014 busca conscientizar a população de mais de 30 países sobre as mortes no trânsito. O Observador Certificado Ronaro Ferreira representou o OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária na edição da quinta-feira (09), falando sobre o tema e os principais fatores para o aumento dos sinistros de trânsito.

Grande_Sao_Paulo_registra_serie_de_sinistros_de_transito_com_vitimas
Matérias

Grande São Paulo registra série de sinistros de trânsito com vítimas fatais

A CBN São Paulo alertou na última segunda-feira (13), para a série de sinistros de trânsito com vítimas fatais registrados na Grande São Paulo, desde sexta-feira (10). Para explicar sobre como reduzir as mortes e conscientizar as pessoas, a reportagem consultou o head de Mobilidade Segura do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, Pedro Borges.

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Portal ONSV, em Entrevista

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.