Matérias

3º ano seguido com alta de mortes no trânsito brasileiro

DW Brasil consulta professor da UFPR e membro do Conselho Deliberativo do OBSERVATÓRIO para avaliar o atual cenário de mortes no trânsito

Escrito por Portal ONSV

25 MAR 2024 - 09H29

A reportagem da última terça-feira (19), do jornal DW Brasil - Deutsche Welle emissora internacional da Alemanha - alertou para o 3º ano seguido de alta de mortes no trânsito brasileiro. Para avaliar o atual cenário de mortes no trânsito brasileiro, a reportagem consultou Jorge Tiago Bastos, professor do Departamento de Transportes da UFPR (Universidade Federal do Paraná) e coordenador do acordo de cooperação técnica entre a universidade e o OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária.

A mortalidade no trânsito brasileiro vem crescendo constantemente nos últimos cinco anos, desde 2019. O total de mortes passou de aproximadamente 32 mil em 2019 para cerca de 34 mil em 2022, último ano com dados disponíveis no Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), mantido pelo Ministério da Saúde. É a inversão de uma tendência: entre 2014 e 2019, a quantidade de mortes caía ano após ano. Agora, são três anos seguidos de subida.

A reversão coloca o Brasil ainda mais longe de alcançar um objetivo estipulado pela Organização Mundial da Saúde (OMS): a de reduzir pela metade os números de mortes no trânsito no mundo até 2030. O país não é um caso isolado: mais de 60 nações registraram um aumento da mortalidade no trânsito na última década.

Segundo uma nota técnica do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), não foram só avanços em fiscalização e infraestrutura que reduziram as mortes na década passada. A crise econômica, que diminuiu o número de veículos nas ruas e estradas, também teve influência.

Agora, com a economia crescendo aproximadamente 3% ao ano, há o temor de que aconteça o contrário. “Com o reaquecimento econômico, essas taxas vão subir”, previu Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho, um dos autores da publicação.

O pesquisador, no entanto, acredita que a mortalidade não deve retornar aos piores níveis caso seja observada uma condição: o investimento em políticas de segurança no trânsito.

Carvalho afirma que algumas das medidas que evitaram um aumento ainda mais vertiginoso das mortes no trânsito no Brasil entre 2000 e 2014 foram a redução dos limites de velocidade, a concessão de rodovias com melhoria de infraestrutura e mais rigidez para punir e multar infratores. "Se houver um afrouxamento das políticas punitivas, os impactos começam a aparecer", disse.

Onde as mortes têm crescido mais?

Desde que o total de mortes voltou a crescer, o aumento se concentra nas regiões Norte e Centro-Oeste. O crescimento é mais intenso em estados como Mato Grosso, Roraima, Rondônia e Amapá.

No início da década passada, quando a mortalidade atingiu patamares recordes antes de começar a cair, um aumento significativo também acontecia no Nordeste. De 2019 para cá, porém, os estados nordestinos apresentam estabilidade na taxa de mortes – ainda que em um nível alto.

Na comparação com outras partes do país, a frota de veículos no Norte, Nordeste e Centro-Oeste só cresceu mais recentemente. "Historicamente, essas regiões tinham uma taxa de motorização menor devido ao nível de desenvolvimento mais baixo", disse Jorge Tiago Bastos, professor da UFPR e membro do Conselho Deliberativo do OBSERVATÓRIO. “E quando o desenvolvimento não se dá de maneira organizada, pode levar a um aumento do número de mortes”.

O desenvolvimento desordenado, combinado a outros fatores, cria um cenário preocupante. "Os locais onde morrem mais pessoas também são locais onde o sistema de saúde tende a ser pior, a formação do condutor é pior, as condições das rodovias são piores", disse o professor.

Outro fator importante é a composição da frota: em alguns estados, há uma proporção maior de motocicletas. Como elas são mais baratas que outros tipos de veículo, geralmente há uma quantidade maior em regiões mais pobres.

As motos são o modo de transporte que mais causam mortes no país, proporcionalmente. Em caso de colisão, não há nada protegendo o corpo do condutor. Assim, os acidentes costumam ser mais graves.

Leia a matéria completa: https://www.dw.com/pt-br/o-que-explica-a-nova-alta-de-mortes-no-tr%C3%A2nsito-do-brasil/a-68552779

Foto: Oslaim Brito/TheNEWS2/Zuma/picture aliance/Divulgação.

Cerca_de_62_pessoas_envilvidas_em_sinistros_de_transito_no_rio_de_janeiro_em_2023
Observadores Certificados

Cerca de 62 pessoas envolvidas em sinistros de trânsito por dia no Rio de Janeiro em 2023

O telejornal Bom Dia Alerj da TV Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro), de hoje (21), apresentou uma reportagem sobre violência no trânsito nos grandes centros urbanos e destacou uma pesquisa que classifica o estado do Rio de Janeiro entre os três com os motoristas mais rudes do Brasil. O especialista em Gestão e Direito de Trânsito e Observador Certificado, Maicon de Paula, foi consultado e defendeu a Educação para o Trânsito como instrumento para diminuir a violência no trânsito.

Regiao_do_grande_abc_registra_mes_de_maio_mais_letal_desde_2015
Observadores Certificados

Região do Grande ABC registra o mês de maio mais letal no trânsito desde 2015

A edição de ontem (20), do Diário do Grande ABC, em São Paulo, destacou que apesar do mês de maio ser marcado como uma época de conscientização para a segurança no trânsito, a Região do Grande ABC registrou o mais letal no trânsito desde 2015. O Observador Certificado Regis Frigeri foi consultado pela reportagem para falar sobre a eficácia das campanhas anuais de conscientização promovidas pelo Maio Amarelo diante do aumento de sinistros de trânsito.

Faixa_azul_deve_chegar_a_200km_na_cidade_de_sao_paulo_ate_o_final_do_ano
Matérias

Faixa Azul deve chegar a 200 km na cidade de São Paulo até o final do ano

A Faixa Azul é um projeto da prefeitura de São Paulo que cria uma pista exclusiva para motos em avenidas movimentadas da cidade. Iniciada em 2022, teve rápida expansão para se tornar uma bandeira eleitoral e deve chegar a 200 quilômetros no fim do ano. O head de Mobilidade Segura do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, Pedro Borges, foi um dos especialistas que falou ao Globo na última quarta-feira (19), sobre os resultados apresentados.

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Portal ONSV, em Matérias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.