Matérias

Bons motoristas são maioria no Rio Grande do Sul

Escrito por Portal ONSV

06 FEV 2018 - 12H33

Infratores contumazes são 22% dos condutores e somaram mais de 1,8 mi de multas

Matéria publicada no site do Detran (Departamento de Trânsito) do Rio Grande do Sul aponta que 78% dos 4,8 milhões motoristas registrados naquele Estado não foram autuados por nenhuma infração no ano de 2017. Já os 22% condutores restantes foram responsáveis por 1,8 milhão de infrações registradas no ano passado.

O balanço leva em conta somente condutores gaúchos que foram autuados nas vias do Rio Grande do Sul. Também não contabiliza infrações com condutores não identificados, como por exemplo, de veículos de pessoa jurídica que não apresentaram condutor.

Dentre esses 1.069.584 milhão de condutores que tiveram alguma infração no ano passado, 62% foram flagrados uma vez durante o ano. Foram 665 mil condutores que tiveram somente uma multa nesse período de 12 meses.

Em contrapartida, as 405 mil pessoas (8% do cadastro de condutores) que cometeram duas ou mais infrações no período de um ano, foram responsáveis por quase 65% das infrações registradas em 2017 (número absoluto).

O balanço do DetranRS identificou, ainda, 5.564 infratores contumazes. Esses gaúchos foram flagrados em dez ou mais infrações durante o ano. Um grupo de 146 gaúchos representa o pior comportamento no trânsito: cometeram mais de 51 infrações no período de 12 meses.

Renato Campestrini, do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, comenta os números: “O Rio Grande do Sul, Estado brasileiro com maior número de municípios integrados ao SNT (Sistema Nacional de Trânsito) - um exemplo para o país, mostra que condutores que seguem as regras são a maioria. Seguir as regras representa menos acidentes e redução no número de autuações, algo necessário no nosso país que mata anualmente mais pessoas no trânsito do que em muitos conflitos armados pelo mundo. Que os demais Estados sigam os passos do Rio Grande do Sul no tocante à municipalização do trânsito e respeito ao Código de Trânsito Brasileiro”.

Leia mais em: http://www.detran.rs.gov.br/conteudo/49219/bons-motoristas-sao-maioria-no-rio-grande-do-sul

Brasilia_segunda_capital_com_mais_infracoes_15_anos_lei_seca
Observadores Certificados

BRASÍLIA É A SEGUNDA CAPITAL QUE MAIS REGISTROU INFRAÇÕES DURANTE OS 15 ANOS DE EXISTÊNCIA DA LEI SECA

Um estudo realizado pela Senatran (Secretaria Nacional de Trânsito) aponta que Brasília ocupa a segunda posição no ranking de capitais que mais registraram infrações durante os 15 anos de existência da Lei Seca. Na capital foram 36 mil registros, ficando atrás apenas de Belo Horizonte, em Minas Gerais, com 48 mil autuações. O Observador Certificado Arthur Magalhães foi consultado pelo DF Record, da TV Record, na última terça-feira (26), para comentar esses dados preocupantes.

Campanha_transito_ideal_todos_episodios_disponiveis
Matérias

CAMPANHA #TRÂNSITOIDEAL: TODOS OS EPISÓDIOS DISPONÍVEIS

A Campanha #TrânsitoIdeal, promovida pelo OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, Uber e o Grupo Cidade Comunicação durante o mês de setembro, para celebrar a Semana Nacional de Trânsito, apresenta uma série com 10 reportagens e 10 podcasts que visam conscientizar a sociedade sobre a importância de participação de cada um nos cuidados de segurança no trânsito.

OC_Mercia_Gomes_Agentes_de_transito_adicional_de_insalubridade
Observadores Certificados

AGENTES DE TRÂNSITO CONTAM COM ADICIONAL DE PERICULOSIDADE COM NOVA LEI

No dia 20 de setembro, entrou em vigor a Lei 14.684, legislação que representa um marco importante na proteção e reconhecimento das atividades desempenhadas pelos Agentes das Autoridades de Trânsito em todo o Brasil. A conselheira do Cetran (Conselho Estadual de Trânsito), consultora em gestão de frotas e projetos de mobilidade urbana e Observadora Certificada, Mércia Gomes, destaca a mudança significativa na lei para esses profissionais.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto