Matérias

Morte no trânsito: risco sobre duas rodas na Capital

Escrito por Portal ONSV

24 FEV 2015 - 13H02

"Morte

Apesar de algumas campanhas educativas e rigor na punição financeira para infrações, os números da violência no trânsito ainda impressionam e preocupam.  Entre as dez maiores cidades, Fortaleza é a segunda capital que possui a taxa mais elevada de mortes por 100 mil habitantes, com 27,1, atrás apenas de Recife, com 34,7. Dentro desse panorama, a situação dos motociclistas é mais grave. Os acidentes envolvendo motocicletas disparam na mesma proporção que cresce a frota.

Segundo os dados do “Retrato da Segurança Viária no Brasil – 2014”, relatório da Falconi Consultores de Resultado e o Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), os motociclistas representam aproximadamente metade das vítimas fatais em decorrência de acidentes de trânsito na região Nordeste.

Em 2012, 48,1% dos mortos estavam neste tipo de veículo. A porcentagem de feridos em acidentes com motos é ainda maior, 62%. O índice de mortes envolvendo ocupantes de automóveis também é alto, 26% das vítimas estavam em carros. Em todo o Brasil, 45,7 mil pessoas morreram no trânsito em 2012, o que significa um óbito a cada 12 minutos.

O material foi elaborado a partir do cruzamento de dados de fontes como a Associação Nacional dos Transportes Públicos (ANTP), da Confederação Nacional do Transporte (CNT), do Datasus – Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde, do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Óbitos

O levantamento conclui que os motociclistas são as principais vítimas do trânsito no Brasil. De 2001 a 2012, o número de óbitos entre este perfil de usuário aumentou 140, passando de 15% para 36%. Os motociclistas são os usuários mais atingidos no Nordeste, Norte e Centro-Oeste, representando, respectivamente, 48,1%, 39,1% e 36,4% dos óbitos.

Na análise do diretor técnico do ONSV, Paulo Guimarães, o principal fator para esse cenário é o crescimento acelerado da frota de motocicletas. Conforme ele, entre 2001 e 2012 a frota cresceu 335,77% no Brasil. No mesmo período, o índice registrado no Nordeste foi de 511,16%. Já no Ceará, o percentual aumentou 412%. “Em 2001, a frota de motocicleta no Estado era de 204.95, já a de carro era de 442.548. Em 2012, a frota de motocicleta contabilizava 1.048.571, enquanto a de a carro era de 1.001.634, um crescimento de 126%, enquanto a de motocicletas aumentou 412%. Fica muito claro que o aumento da frota segue interferindo no número de acidentes”, comparou.

Para Guimarães, o resultado do Nordeste está diretamente ligado o desenvolvimento econômico da região. Com a população mudando de classe social, mais veículos são adquiridos e, consequentemente, mais deslocamentos são registrados. “Com uma situação econômica melhor, houve um aumento significativo de deslocamentos diários. Sem emprego, a pessoa passa mais tempo em casa. Com emprego, ela vai de casa para o trabalho, sai para passear ou viajar”, analisou. Mais veículos no trânsito somados a mais deslocamentos diários refletem nos índices de acidentes e mortes.

Comportamento

O crescimento acelerado de motocicletas no trânsito não acompanha o número de habilitações. Segundo as estatísticas do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-CE), em 2012, apenas 175.471 pessoas estavam com a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), categoria A (exclusiva para conduzir motocicleta).

De acordo com Paulo Guimarães, a anterior vulnerabilidade social de um grupo que ascendeu para outra classe não o preparou devidamente para o trânsito. A falta da CNH revela que não houve curso de legislação ou o mínimo de aulas de direção defensiva. “Algumas pessoas cresceram em ambientes mais vulneráveis, não são acostumadas a regras. Então, elas são inseridas no trânsito sem essa percepção, algo que podemos identificar claramente no usuário de motocicleta”, explicou.

Capital perigosa

Fortaleza é a segunda capital com maior número de óbitos 100 mil habitantes, conforme o mapeamento da ONSV. Isso a torna a segunda cidade mais perigosa do país? Paulo Guimarães explica que para realizar essa comparação é preciso reunir várias fontes estatísticas e fazer o cruzamento dessas informações. “Para fazer essa análise é necessário levar em consideração diversos indicadores como a qualidade do transporte ou das rodovias, por exemplo. Veja, as capitais têm características de grandes centros, onde as rodovias cortam o perímetro da cidade. A municipalização do trânsito trata da área urbana, mas tem a interferência das rodovias na área urbana e no fator de mortes. As vítimas do entorno dessa área são levadas para os grandes hospitais de Fortaleza. Em caso de óbito, fica registrado o local de morte em Fortaleza. Além disso, tem o crescimento populacional que não é proporcional ao número de acidentes. Então não dá para olhar um índice e classificar uma cidade mais perigosa do que a outra”, ponderou Guimarães.

Solução

O estudo, afirmou Guimarães, tem dois objetivos. Primeiro reunir todos os dados de trânsito para apoiar gestores nas políticas públicas, que buscam melhorar a segurança viária. “O segundo é mostrar a população, traduzindo em números, o perigo que ela corre. Essa conscientização pode melhorar o comportamento e também fazer com que a população cobre por soluções”, argumentou o diretor técnico do ONSV.

Ainda de acordo com Guimarães, o relatório defende três eixos principais, são eles: a centralização de estatísticas de trânsito do País; criar uma agência que atue na coleta e organização de dados e na coordenação de todos os órgãos ligados ao trânsito; e trabalhar fortemente na educação no trânsito.

“Hoje, a educação no trânsito é muito deficiente. Ela não deve apenas focar do condutor, mas na formação do cidadão, para que a população tenha a concepção de risco e consiga identificar e reagir a esse risco. A gente sonha que um dia as pessoas passem a acreditar nas leis de trânsito e a usá-las, independentemente de ter fiscalização ou não. Essa consciência pode salvar vidas”, comentou o diretor.

Mais números sobre o trânsito

Paulo Guimarães avaliou que a baixa municipalização do trânsito no Brasil é um dos gargalos na segurança viária. Segundo ele, no Brasil, apenas 25% dos municípios são responsáveis pelo trânsito da cidade. Dos 184 municípios cearenses, apenas 57 são integrados ao Sistema Nacional de Trânsito (SNT), ou seja, um pouco menos de 30%. “Se não tem fiscalização, aumenta impunidade e tem consequência direta na insegurança do trânsito”, apontou.

Ao longo dos anos, a medida que cresce a frota de motocicletas aumenta as ocorrências envolvendo motociclistas Instituto Doutor José Frota (IJF). Em 2011, foram registrados 7.985 acidentes. No ano seguinte, foram 8.860. Já em 2013, o IJF contabilizou 9.102 acidentes com motociclistas. Em alguns casos, a vítima se acidentou mais de uma vez.

Segundo dados da Seguradora Líder, responsável pelo seguro DPVAT, cerca de 9,5 milhões de motociclistas estão circulando no Brasil sem a proteção do seguro obrigatório, que garante ao cidadão o direito à indenização em caso de acidentes que resultem em morte, invalidez ou despesas médicas.

Fonte: O Estado

Serie_transitando_qual_a_sua_contribuicao_para_um_transito_seguro
Matérias

Série Transitando: qual a sua contribuição para um trânsito seguro?

O telejornal Meio-Dia Paraná, da RPC, afiliada à TV Globo, realizou na última semana uma série com cinco reportagens sobre comportamento no trânsito. “Transitando: qual a sua contribuição para um trânsito seguro?”, contou com a participação do professor do Departamento de Transportes da UFPR (Universidade Federal do Paraná) e membro do Conselho Deliberativo do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, Jorge Tiago Bastos, explicando questões relacionadas ao comportamento das pessoas e influências diretas no trânsito.

Observatorio_participa_segunda_edicao_esg_energia_negocios_ibp
Matérias

OBSERVATÓRIO participa da 2ª Edição do ESG Energia e Negócios do IBP

Com o objetivo de colaborar para que a sociedade avance em direção a um futuro energético de baixo carbono, o IBP (Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás) realiza a 2ª edição do “ESG Energia e Negócios” nos dias 27 e 28 de maio, em Copacabana, no Rio de Janeiro. O presidente do Conselho Deliberativo do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, José Aurelio Ramalho, participou da abertura do evento, falando dos atuais números do trânsito no Brasil, dos avanços do Movimento Maio Amarelo e do Programa Laço Amarelo. Além disso, Ramalho também entregou a placa de Mantenedor Social ao IBP durante o encontro que reúne cerca de 500 pessoas.

Observadora_Certificada_ministra_palestra_durante_seminario_programa_vida_no_transito
Observadores Certificados

Observadora Certifica ministra palestra durante Seminário do Programa Vida no Trânsito

A Observadora Certificada e representante do Maio Amarelo em Goiás, Elizabeth Gandara, ministrou uma palestra sobre o Movimento Maio Amarelo no dia 15 de maio, durante o Seminário do Programa Vida no Trânsito, realizado no auditório do Paço Municipal do município de Senador Canedo, no estado de Goiás.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Portal ONSV, em Matérias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.