Matérias

Observador Certificado defende novo estudo de plano viário em Juiz de Fora/MG

Escrito por Portal ONSV

08 SET 2021 - 16H11

Ciclistas entregadores enfrentam risco nas faixas exclusivas de ônibus, atribuem prática à falta de respeito dos condutores de outros veículos e falta de espaço seguro para ciclistas

Reportagem do jornal Tribuna de Minas, de ontem (07), destaca o uso inadequado das faixas exclusivas para ônibus e táxis por condutores de outros tipos de veículos em Juiz de Fora, município no estado de Minas Gerais, e que resultou em 511 autuações entre janeiro e julho deste ano. Apesar de as vias serem sinalizadas, é possível flagrar infrações em alguns minutos de observação, principalmente na Avenida Barão do Rio Branco, na região central, onde ciclistas que atuam como entregadores costumam utilizar as faixas destinadas aos ônibus. Entretanto, esse tipo de violação às leis de trânsito não está entre as registradas pela fiscalização, visto que as bicicletas não são emplacadas.

O Observador Certificado do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, especialista em Engenharia de Transportes e consultor, José Luiz Britto Bastos, ressalta que a faixa exclusiva é muito séria e importante, porque é uma das condições fundamentais para a melhora do transporte público. Os veículos e, particularmente, as bicicletas, segundo José Luiz, atrapalham o fluxo de ônibus e provocam riscos. “É proibido por lei. A lei precisa ser respeitada. No Rio de Janeiro e em São Paulo, há câmeras voltadas para as faixas exclusivas, para flagrar as pessoas que trafegam nas vias exclusivas.”

Entre os pontos que motivam os entregadores a usarem as faixas exclusivas estão a segurança e as condições das ruas da cidade. À Tribuna, eles contam que sentem maior segurança ao lado dos ônibus do que nos espaços que são destinados a eles juntamente com outros tipos de veículos, mesmo quando há ciclorrotas.

No caso de Juiz de Fora, José Luiz, defende que é preciso pensar em uma ciclovia para a cidade, para que os ciclistas tenham espaços mais adequados para trafegar. “Juiz de Fora precisa de um novo estudo, na cidade toda, para estabelecer onde é possível ter vias exclusivas. Precisamos dessa modificação geral do plano viário para trabalharmos as questões de mobilidade urbana, restringindo cada vez mais o uso do automóvel.” Segundo ele, é um trabalho que precisa ser feito por etapas, tendo início no Centro e, depois, seguindo para os principais corredores, até chegar nas regiões mais afastadas.

O Observador Certificado argumenta que é preciso pensar no que o município deseja para o futuro: se quer – e suporta – continuar com tantos automóveis circulando, se os carros vão continuar com a prioridade no tráfego e quais soluções podem ser tomadas a partir desta orientação, considerando que há diferentes problemas. “A via do motorista é infinitamente melhor e mais segura do que a via do pedestre. A calçada tem obstáculos, rampas, buracos. Como diz o arquiteto dinamarquês Jan Gehl, a cidade é para as pessoas, e temos que pensar primeiro nelas.” Para isso, ele frisa, é preciso modificar o sistema de transporte público, aumentar o número de faixas exclusivas, investir na bicicleta como modal e implantar ciclofaixas e ciclovias, além de incentivar as caminhadas a pé, em distâncias menores.

José Luiz também identifica que há um problema grave de desrespeito às leis em Juiz de Fora. Segundo ele, é preciso tratar a educação para o trânsito também como uma prioridade absoluta, intensificando campanhas e estratégias de formação e informação.

Leia a reportagem completa: https://tribunademinas.com.br/noticias/cidade/07-09-2021/entregadores-enfrentam-riscos-na-faixa-exclusiva-de-onibus-para-driblar-dificuldades-no-trafego.html

Foto: Reprodução Jéssica Pereira/Tribuna de Minas

Cerca_de_62_pessoas_envilvidas_em_sinistros_de_transito_no_rio_de_janeiro_em_2023
Observadores Certificados

Cerca de 62 pessoas envolvidas em sinistros de trânsito por dia no Rio de Janeiro em 2023

O telejornal Bom Dia Alerj da TV Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro), de hoje (21), apresentou uma reportagem sobre violência no trânsito nos grandes centros urbanos e destacou uma pesquisa que classifica o estado do Rio de Janeiro entre os três com os motoristas mais rudes do Brasil. O especialista em Gestão e Direito de Trânsito e Observador Certificado, Maicon de Paula, foi consultado e defendeu a Educação para o Trânsito como instrumento para diminuir a violência no trânsito.

Regiao_do_grande_abc_registra_mes_de_maio_mais_letal_desde_2015
Observadores Certificados

Região do Grande ABC registra o mês de maio mais letal no trânsito desde 2015

A edição de ontem (20), do Diário do Grande ABC, em São Paulo, destacou que apesar do mês de maio ser marcado como uma época de conscientização para a segurança no trânsito, a Região do Grande ABC registrou o mais letal no trânsito desde 2015. O Observador Certificado Regis Frigeri foi consultado pela reportagem para falar sobre a eficácia das campanhas anuais de conscientização promovidas pelo Maio Amarelo diante do aumento de sinistros de trânsito.

Faixa_azul_deve_chegar_a_200km_na_cidade_de_sao_paulo_ate_o_final_do_ano
Matérias

Faixa Azul deve chegar a 200 km na cidade de São Paulo até o final do ano

A Faixa Azul é um projeto da prefeitura de São Paulo que cria uma pista exclusiva para motos em avenidas movimentadas da cidade. Iniciada em 2022, teve rápida expansão para se tornar uma bandeira eleitoral e deve chegar a 200 quilômetros no fim do ano. O head de Mobilidade Segura do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, Pedro Borges, foi um dos especialistas que falou ao Globo na última quarta-feira (19), sobre os resultados apresentados.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Portal ONSV, em Matérias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.