Matérias

Rodovias Que Perdoam: Rádio Crea-MG entrevista representante do OBSERVATÓRIO para conhecer mais sobre o projeto

Escrito por Portal ONSV

10 AGO 2021 - 14H00

Implementação pode reduzir em até 25 mil óbitos e feridos graves no prazo de um ano

O conceito Rodovias Que Perdoam é tema da Rádio Crea-MG (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais). Para explicar sobre esse projeto, Frederico Rodrigues, doutor em engenharia de transportes, engenheiro civil, integrante do Núcleo de Infraestrutura do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária e um dos professores do projeto foi o entrevistado do programa.

O conceito ‘Rodovias Que Perdoam’ é uma variação do termo em inglês forgiving roadsides que traduzido para o português quer dizer laterais que perdoam. Nos dois casos, a expressão está ligada à redução da gravidade dos sinistros, permitindo que veículos descontrolados encontrem uma rodovia projetada para diminuir o impacto desses acidentes e, em alguns casos, até mesmo evitá-los. Frederico Rodrigues lembra que motoristas, e os passageiros, não devem pagar com a vida ou sequelas graves e permanentes, por erros cometidos nas estradas.

“A rodovia deve ser preparada para uma das poucas certezas que temos na vida: o ser humano erra e, se a gente sabe que o ser humano erra, a gente não pode ficar com aquela filosofia: se ele tivesse respeitado os limites de velocidade, se ele não tivesse cochilado, se ele não tivesse mexido no celular. Nenhum país bem-sucedido em segurança viária designa ao usuário a responsabilidade de cuidar da sua vida. Essa responsabilidade é do projetista, do executor e do órgão com jurisdição sobre a via e essa é a primeira filosofia que tem que ser quebrada”, argumentou Frederico.

Há mais de cinco anos, o Observatório trabalha com educação, pesquisa e planejamento para estimular o convívio harmônico entre pessoas, veículos e vias. Ele garante que há uma série de medidas possíveis, de engenharia, para reduzir a gravidade dos acidentes. Uma delas é a instalação de dispositivos de contenção na lateral da rodovia, com tecnologias que diminuam a severidade do impacto.

“É preciso ter esta consciência de que duplicar rodovia não é segurança viária, por mais que ela traga benfeitorias, a gente tem como fazer um bilhão de outras coisas sem duplicar. Você fala isso porque não gosta de duplicação? Eu amo duplicação! Só que duplicação é caro e a gente, um país em desenvolvimento, não tem dinheiro para fazer o que a gente quer. As rodovias precisam ter, por exemplo, contenção lateral. Porque mais de 51% das vítimas de acidentes no Brasil são por saída de pista, considerando todo o tipo de vítima”, pontuou.

A preocupação e empenho pela educação e conscientização para o trânsito seguro sempre fez parte da vida do Crea-MG e dos profissionais da engenharia, da agronomia e das geociências. E, para fortalecer seu engajamento na conscientização por um trânsito mais seguro, o Conselho tornou-se parceiro do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária e agora é uma Entidade Laço Amarelo.

Leia a entrevista completa: http://www.crea-mg.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=3000

Ou, ouça pela rádio Crea-MG: http://radiocreaminas.com.br/creaminas/jw.php

[vc_separator type="small" position="center" color="#a3a3a3"][vc_gallery interval="3" images="27891,27892,27893" img_size="full"]

Univasf_recebe_comite_regional_prevencao_acidentes_moto
Observadores Certificados

Hospital Universitário da Universidade Federal do Vale do Francisco/PE recebe Comitê Regional de Prevenção aos Acidentes de Moto

O Hospital Universitário da Universidade Federal do Vale do Francisco (HU-Univasf), em Pernambuco, recebeu, no final de maio, a visita de um grupo de membros do Comitê Regional de Prevenção aos Acidentes de Moto (CRPAM) e representantes do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária e do Observatório de Segurança Pública do Município de Petrolina. O objetivo foi mostrar in loco, a partir dos fluxos de atendimentos e internações no Hospital, as repercussões dos sinistros de transporte terrestre para a saúde pública. O HU-Univasf é um dos 45 hospitais gerenciados pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh).

SP2_330_pessoas_morreram_atropeladas_na_capital_de_sao_paulo_em_2023
Matérias

330 pessoas morreram atropeladas na capital de São Paulo em 2023

O SP2, telejornal da TV Globo, da última quinta-feira (13), alertou sobre o crescente risco no trânsito para os pedestres na capital e Grande São Paulo. Somente em 2023, 330 pessoas morreram atropeladas na capital paulista. O CEO do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, Paulo Guimarães, reforçou a necessidade de investimento em campanhas de educação para o trânsito durante a reportagem.

Observador_certificado_ministra_palestra_camara_de_vereadores_de_sao_borja_rs
Observadores Certificados

Observador Certificado ministra palestra sobre segurança viária na Câmara de Vereadores de São Borja/RS

A palestra “Trânsito (in)seguro: Responsabilidades Compartilhadas”, foi ministrada no plenário da Câmara de Vereadores do município de São Borja, no Rio Grande do Sul, pelo Observador Certificado e representante do Maio Amarelo 2024, Eduardo Cadore, no final do mês de maio.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Portal ONSV, em Matérias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.