fbpx
Loader
EPTV Campinas consulta OBSERVATÓRIO sobre imprudências que levaram a recorde em sinistros de trânsito sem mortes no estado de São Paulo
28133
post-template-default,single,single-post,postid-28133,single-format-standard,bridge-core-2.3.6,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-22.2,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.2.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-28047

EPTV Campinas consulta OBSERVATÓRIO sobre imprudências que levaram a recorde em sinistros de trânsito sem mortes no estado de São Paulo

EPTV Campinas consulta OBSERVATÓRIO sobre imprudências que levaram a recorde em sinistros de trânsito sem mortes no estado de São Paulo

Mês de julho deste ano registrou o maior número de ocorrências sem mortes desde janeiro de 2019

A edição do jornal da EPTV Campinas, emissora afiliada à Rede Globo, em Campinas/SP, do último sábado (04), destacou o registro recorde de sinistros de trânsito não fatais, ou seja, sem mortes, no estado de São Paulo, durante o mês de julho. O diretor-presidente do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, José Aurelio Ramalho, foi consultado pela reportagem para falar sobre essas imprudências no trânsito.

Segundo dados do Infosiga – Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo, o mês de julho deste ano registrou 16.525 ocorrências sem mortes, maior número em um mês desde janeiro de 2019, quando começou essa medição pelos boletins de ocorrência. No comparativo, em julho de 2020, foram registrados 14.072 sinistros sem mortes. Em julho de 2019, foram 14.848 ocorrências sem mortes.

Para o diretor-presidente do OBSERVATÓRIO, os motoristas precisam repensar as imprudências que cometem com frequência. “Quando você tem uma ocorrência de trânsito e sai ileso, é muito mais atribuído à sorte, do que a qualquer outra coisa. Para você ter perdido uma parte do seu corpo, ser mutilado ou vir a óbito, às vezes é um detalhe da ocorrência”, argumentou.

Para Ramalho, essas ocorrências vêm precedidas de negligência, imprudência ou imperícia. “Então, essa desatenção, essa falta de observar o trânsito como um compartilhamento de espaço, principalmente com os mais vulneráveis, pedestres, ciclistas, motociclistas tem levado a esses números alarmantes”, finaliza.

Assista à reportagem completa: https://globoplay.globo.com/v/9829883/

No Comments

Post A Comment