fbpx
Loader
ESTADO DE SÃO PAULO REGISTRA 194 SINISTROS DE TRÂNSITO COM SUSPEITA DE EMBRIAGUEZ AO VOLANTE DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2021
28549
post-template-default,single,single-post,postid-28549,single-format-standard,bridge-core-2.3.6,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-22.2,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.2.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-28047

ESTADO DE SÃO PAULO REGISTRA 194 SINISTROS DE TRÂNSITO COM SUSPEITA DE EMBRIAGUEZ AO VOLANTE DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2021

ESTADO DE SÃO PAULO REGISTRA 194 SINISTROS DE TRÂNSITO COM SUSPEITA DE EMBRIAGUEZ AO VOLANTE DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2021

Último final de semana contou com duas ocorrências envolvendo motoristas que aparentavam sinais de embriaguez em Campinas/SP e Sumaré/SP

A reportagem do jornal SPTV 2ª Edição da EPTV Campinas, emissora afiliada à TV Globo, destacou o alto índice de sinistros de trânsito com suspeita de embriaguez registrado de janeiro a setembro deste ano no estado de São Paulo. A Coordenadora do Núcleo de Educação do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, Roberta Torres, foi consultada pela reportagem para comentar sobre os possíveis fatores que levaram às 194 ocorrências de trânsito, ontem (08).

Segundo dados do Detran (Departamento de Trânsito) de São Paulo, levantados pela reportagem da EPTV, de 01 de janeiro a 30 de setembro deste ano, em todo o estado foram contabilizados aproximadamente 21 sinistros de trânsito por mês, relacionados a álcool e direção.

Conforme explicou Roberta Torres, “o álcool é um depressor do nosso sistema, a gente, à medida que ingere qualquer quantidade de bebida alcoólica, vai necessariamente perder alguns elementos, como o seu tempo de reação, que vai ser maior, ou seja, muitas vezes aquele pedestre ou aquele ciclista, ou outro motorista que você não vai enxergar, os seus movimentos vão ficar mais lentos. Mesmo que a pessoa não perceba, ou mesmo que ela pense que isso não acontece”, destacou.

Ainda segundo a coordenadora do Núcleo de Educação do OBSERVATÓRIO: “Não é um problema você sair, passear, ir aproveitar, mas sim, a mistura da bebida alcoólica com a direção. A penalidade é o resultado do seu ato. Depois que aconteceu, então o acidente ou a morte, ele já aconteceu. O que a gente precisa sempre é pensar preventivamente. Que as pessoas tenham essa percepção de que, sim é arriscado e que sim, existem outras alternativas de você ir e vir com segurança. Seja por carona, por aplicativo, de ônibus, de táxi, enfim, ouras alternativas”, finalizou.

Assista à matéria completa: https://globoplay.globo.com/v/10021739/

No Comments

Post A Comment