Loader
Agência Brasil ouve OBSERVATÓRIO sobre números de acidentes divulgados pelo Ministério da Saúde
19748
post-template-default,single,single-post,postid-19748,single-format-standard,bridge-core-2.3.6,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-22.2,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.2.0,vc_responsive

Agência Brasil ouve OBSERVATÓRIO sobre números de acidentes divulgados pelo Ministério da Saúde

Agência Brasil ouve OBSERVATÓRIO sobre números de acidentes divulgados pelo Ministério da Saúde

A Agência Brasil ouviu o OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária sobre a redução dos números de acidentes de trânsito divulgada pelo Ministério da Saúde no primeiro dia da Semana Nacional de Trânsito 2018, que começou dia 18 e se estende até dia 25 de setembro. A matéria assinada pelo jornalista Pedro Rafael Vilela aponta que, em seis anos, houve uma redução de 27,4% dos óbitos nas capitais do país. Em 2010, foram registrados 7.952 óbitos, contra 5.773 em 2016, o que representa uma diminuição de 2,1 mil mortes no período. Apesar da redução, o país segue longe da meta estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU), que prevê redução de 50% no número de vítimas em 10 anos, contados a partir de 2011, alerta o OBSERVATÓRIO.

Além disso, considerando todas as cidades do Brasil, não apenas as capitais, foram registradas 37.345 mortes de trânsito em 2016, que é o último ano com dados disponíveis no Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde. O número é 14,8% menor do que o registrado, por exemplo, em 2014, quando ocorreram 43.870 óbitos no trânsito brasileiro. A meta do país, em 2020, é não ultrapassar o número de 19 mil vítimas fatais por ano.

“Esse número de 37 mil vidas perdidas em acidentes por ano é superior à população de muitas cidades brasileiras. Infelizmente, quando boa parte da população pensa em trânsito, o que vem à mente são os congestionamentos e chamada indústria da multa, mas o que temos é uma indústria da dor e da morte”, afirma Renato Campestrini, advogado, especialista em trânsito e gerente técnico do Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV). Além das mortes, 600 mil pessoas ficam com sequelas permanentes todos os anos em decorrência de acidentes de trânsito.

Leia a matéria completa em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2018-09/brasil-reduz-mortes-no-transito-mas-esta-longe-da-meta-para-2020

No Comments

Post A Comment