OBSERVATÓRIO | Como a adoção de práticas sustentáveis no setor de transportes impulsiona novos negócios?
4814
post-template-default,single,single-post,postid-4814,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Como a adoção de práticas sustentáveis no setor de transportes impulsiona novos negócios?

Como a adoção de práticas sustentáveis no setor de transportes impulsiona novos negócios?

Os acidentes de trânsito estão entre as principais causas de mortes prematuras ou lesões permanentes no Brasil. De acordo com o último levantamento da ONU (2010), o país estava em quarto lugar no ranking do número de mortes no trânsito no mundo, superado apenas por China, Índia e Nigéria. Estima-se que 10% das mortes ocorridas no trânsito – foram 42.266 em 2013 no Brasil – estejam relacionadas com o transporte corporativo e, por isso, entram na classificação de acidentes de trabalho.

A grandeza desses números e a consciência da importância de ação por parte do setor privado neste momento tão complexo para o país e, por consequência, para as empresas dos mais diversos segmentos – em razão do cenário marcado pela indefinição político- econômica, pela ampliação dos custos com impacto na cadeia da produção e consumo, devem servir como motivador para irmos além do discurso e colhermos resultados efetivos com as boas práticas que devem nortear a segurança viária nas empresas, tendo como objetivos principais a sustentabilidade e a proteção à vida.

O principal desafio é o de desenvolver um modelo capaz de inverter a curva de impactos negativos da insegurança viária tanto para as empresas quanto para a sociedade. Além de reduzir o número de mortes e de lesões permanentes, as ações voltadas para melhorar a segurança viária trazem benefícios para a performance das empresas – aumento de produtividade, redução de afastamento de colaboradores e de gastos com imprevistos, redução de acidentes ambientais com transporte de cargas perigosas, ambiente de trabalho mais saudável, entre outros.

Repensar o transporte nas empresas exige uma visão multifacetada, que transpõe temas como custos com combustíveis, problemas e prazos de logística, envolvendo entregas, acompanhamento e destino final. Os deslocamentos gerados pelas atividades empresariais não se limitam à distribuição de produtos, estão presentes nas atividades administrativas, comerciais e em todas as outras, pois mesmo a pé, os colaboradores estão expostos ao risco e podem agir de forma preventiva para mitiga-los.

As consequências dos acidentes de trânsito afetam direta e indiretamente o setor privado, o meio ambiente e a sociedade, e, suas consequências sociais, econômicas e de saúde pública impactam significativamente os resultados das empresas e da sociedade.

Há inúmeros benefícios de ordem direta e indireta gerados por investimentos em segurança viária nas atividades profissionais. A iniciativa de expor, discutir e incentivar medidas em prol da segurança viária nas organizações é um passo estratégico, pois muitas vezes a organização pode constituir a única ponte entre o colaborador e a disseminação de uma cultura de segurança viária.

Esse olhar passa a ser um diferencial para as empresas que focam no conceito de segurança, pois além do aumento de produtividade e economia em seus processos, fica evidenciada a responsabilidade social empresarial à medida que seus clientes e parceiros percebem sua contribuição para um “transitar” mais responsável – um benefício para todo o sistema de transporte; e, em uma visão mais ampla, um benefício social.

Ainda, muitas das orientações recebidas no ambiente profissional são potencialmente aplicáveis no dia-a-dia de seus colaboradores, na sua convivência social e familiar, iniciando uma mudança de paradigma de médio/longo prazo em relação à cultura de segurança viária no país.

Paulo Guimarães, engenheiro, é diretor-técnico e responsável pelo Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária.
Sem comentários

Escreva um comentário