OBSERVATÓRIO | Laço Amarelo – Investimento em Segurança e Informação
16742
post-template-default,single,single-post,postid-16742,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Laço Amarelo – Investimento em Segurança e Informação

Laço Amarelo – Investimento em Segurança e Informação

Renato Campestrini

Que os acidentes de trânsito são uma das principais causas de mortes e seqüelas permanentes em pessoas em idade produtiva no Brasil todos sabem. Em razão disso, além da dor para os familiares que sentem a ausência de um ente querido ou passam a conviver com eles em uma nova condição, a sociedade brasileira é onerada com gastos elevados na saúde, previdência e assistência social.

Muitas vezes, o fato que resultou em acidente foi algo simples, que poderia ter sido evitado com informação de qualidade, com a simples mudança de postura, pois ainda que vivendo na era da informação, da tecnologia, muitos brasileiros se comportam de forma equivocada no trânsito.

Alguns, nas empresas em que trabalham, em razão das chamadas “regras de ouro”, respeitam todos os procedimentos, formalidades de postura no ambiente laboral, entretanto, quando saem as ruas para o deslocamento para suas residências, escola, lazer, colocam suas vidas em risco em veículos inseguros, transitam sem o necessário respeito às regras de circulação e condutas previstas no Código de Trânsito Brasileiro – CTB.

Ao transitar nas vias do nosso país, com freqüência observamos posturas incorretas como crianças soltas no interior do veículo, condutores sem cinto de segurança ou a manusear o celular enquanto dirigem; motociclistas com o capacete sem estar devidamente afivelado dentre outros.

Infelizmente parte dos cidadãos age de tal forma conscientemente diante da sensação de impunidade, mas outra parcela, o faz de modo impensado, e até acredita em informações inverídicas que circulam na internet e nas chamadas redes sociais, tão frequentadas nos smartphones.

Dentro das ações e missões desenvolvidas pelo OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária – ONSV para conscientizar a população dos riscos que o trânsito representa, da necessidade imperiosa de mudar a situação atual, e ciente das carências de Municípios e empresas para elaborar sistemas de gestão e educação para o trânsito, dois programas foram desenvolvidos, o Município Laço Amarelo e a Empresa Laço Amarelo.

Através desses programas, os interessados que aderirem passam a contar com materiais elaborados pelo OBSERVATÓRIO para o desenvolvimento de suas ações durante todo o ano, sempre em conformidade com os temas previstos na Resolução número 654/2017 do Conselho Nacional de Trânsito – CONTRAN.

Determinados materiais podem ser utilizados pelos participantes do programa usufruindo do conteúdo produzido e acrescentando sua logomarca ou brasão no caso dos Municípios.

Também é disponibilizado para os signatários do programa, ferramenta de avaliação da frota, cursos on-line para condutores de automóveis, motocicletas e caminhões, dos indicadores de segurança viária para os Municípios, e para estes o software SOMA – Sistema Observação, Monitoramento e Ação para que possam realizar a gestão do trânsito, cadastro de acidentes, e outros dados importantes para melhorar as condições da segurança viária e, consequentemente, diminuir os riscos de acidentes.

Para participar do programa, o investimento é baixo, sendo que os benefícios para a comunidade são inúmeros, pois a vida não tem preço.

Informações a respeito do programa Município Laço Amarelo ou Empresa Laço Amarelo, podem ser obtidas junto ao Observatório Nacional de Segurança Viária – ONSV através do e-mail: lacoamarelo@onsv.org.br

Renato Campestrini é especialista em legislação de trânsito e gerente-técnico do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária

1Comentário
  • noel silva
    Postado às 05:15h, 24 Maio Responder

    Acho que seria necessário que todos pudessem fazer desse programa, já que vivenciamos que a maior parte dos gestores públicos nos municípios ainda estão de olhos vendadoa para o problema.

Escreva um comentário