Artigos

Lei Seca: falta de organização de dados prejudica ações práticas

Escrito por Portal ONSV

19 JUN 2018 - 15H40

Reportagem publicada pelo Auto Esporte, por meio do site G1, mostra que as autuações causadas pela Lei Seca crescem a cada ano, e já ultrapassam 1,7 milhão desde que a lei foi criada, em 2008. No entanto, a falta de organização de dados para análise das ocorrências envolvendo o consumo de bebidas alcoólicas no trânsito prejudica o planejamento de ações e também a medição dos efeitos de cada mudança na lei, além de descumprir o Código Brasileiro de Trânsito, de 1997. De acordo com José Ramalho, diretor-presidente do Observatório Nacional de Segurança Viária, ouvido pela reportagem, o grande desafio é mais do que ter dados, é analisar e tomar ações práticas. "Se você não sabe onde está, como saber para onde ir?", questiona.

De acordo com o levantamento feito pelo repórter Peter Fussy, mais de 20 anos depois da lei, são poucos os órgãos que coletam informações nos acidentes fatais e relacionam a causa com embriaguez. No Brasil, a Polícia Rodoviária Federal cumpre um protocolo em todos os acidentes com verificação de sobriedade. Nos últimos 10 anos, o órgão relacionou o álcool como causa provável de 66.541 colisões, 4.101 mortes e 16.657 feridos graves.

O problema de não coletar os dados sobre embriaguez não é exclusivo do Brasil. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas 31% dos países fazem testes em todos os acidentes. E ainda, as punições mais severas previstas na lei não impedem os condutores de pegar o volante depois de consumir bebidas alcoólicas.

Leia o conteúdo completo clicando aqui.

Univasf_recebe_comite_regional_prevencao_acidentes_moto
Observadores Certificados

Hospital Universitário da Universidade Federal do Vale do Francisco/PE recebe Comitê Regional de Prevenção aos Acidentes de Moto

O Hospital Universitário da Universidade Federal do Vale do Francisco (HU-Univasf), em Pernambuco, recebeu, no final de maio, a visita de um grupo de membros do Comitê Regional de Prevenção aos Acidentes de Moto (CRPAM) e representantes do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária e do Observatório de Segurança Pública do Município de Petrolina. O objetivo foi mostrar in loco, a partir dos fluxos de atendimentos e internações no Hospital, as repercussões dos sinistros de transporte terrestre para a saúde pública. O HU-Univasf é um dos 45 hospitais gerenciados pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh).

SP2_330_pessoas_morreram_atropeladas_na_capital_de_sao_paulo_em_2023
Matérias

330 pessoas morreram atropeladas na capital de São Paulo em 2023

O SP2, telejornal da TV Globo, da última quinta-feira (13), alertou sobre o crescente risco no trânsito para os pedestres na capital e Grande São Paulo. Somente em 2023, 330 pessoas morreram atropeladas na capital paulista. O CEO do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, Paulo Guimarães, reforçou a necessidade de investimento em campanhas de educação para o trânsito durante a reportagem.

Observador_certificado_ministra_palestra_camara_de_vereadores_de_sao_borja_rs
Observadores Certificados

Observador Certificado ministra palestra sobre segurança viária na Câmara de Vereadores de São Borja/RS

A palestra “Trânsito (in)seguro: Responsabilidades Compartilhadas”, foi ministrada no plenário da Câmara de Vereadores do município de São Borja, no Rio Grande do Sul, pelo Observador Certificado e representante do Maio Amarelo 2024, Eduardo Cadore, no final do mês de maio.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Saiba mais

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Portal ONSV, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.