Artigos

Mais de cem crianças morrem, por mês, em acidentes de trânsito no Brasil

Escrito por Portal ONSV

11 OUT 2018 - 14H45

Isso nos faz refletir sobre a responsabilidade dos adultos e o quanto a segurança delas ainda é negligenciada

Uma criança morre a cada quatro minutos no trânsito do mundo, segundo informações disponibilizadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, no ano de 2016, foram 1.292 mortes de 0 a 14 anos, conforme números compilados pelo OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, por meio da parceria mantida com a Universidade Federal do Paraná (UFPR), com informações do Sistema Datasus. Isso significa que 3,5 crianças morrem por dia no país, ou seja, são 105 vidas perdidas.

“Apesar das crianças representarem menos mortes no trânsito, se comparado ao restante da população brasileira, é importante considerar que elas não possuem meios de transporte motorizados próprios, ou seja, ou são transportadas por um adulto habilitado ou estão a pé. Isso nos faz refletir quanto a responsabilidade dos adultos na mortalidade dessas crianças e o quanto a segurança delas ainda é negligenciada no Brasil”, analisa José Aurelio Ramalho, diretor-presidente do OBSERVATÓRIO. A faixa etária de zero a catorze anos representa 23% da população brasileira.

Crianças pedestres são maiores vítimas

Do total de crianças mortas em 2016 em acidentes de trânsito, 35% das vítimas fatais constituíam-se de usuários não motorizados, ou seja, pedestres ou ciclistas. Outros 30% das vítimas fatais seriam ocupantes de automóveis, provavelmente por falta do uso da cadeirinha.

Os adolescentes até 14 anos vitimados como ocupantes de motocicletas representam 10% do total na distribuição das mortes por modo de transporte. Em alguns estados brasileiros, vale destacar que as vítimas fatais de 0 a 14 anos ocupantes de motocicleta representam percentuais bem maiores, superando os 20% em alguns estados do Nordeste (como Piauí e Paraíba) – região onde a utilização da motocicleta é mais difundida.

Números no Brasil

Nos últimos onze anos, de 2006 a 2016, somente os estados do Maranhão e da Bahia registraram aumento no número de mortes de crianças entre 0 e 14 anos no trânsito, de 11% e 2%, respectivamente.

Os estados que apresentaram as maiores reduções no número de mortes no trânsito, acima da média nacional, na faixa etária em questão foram:

  • Amapá – redução de 71%;
  • Roraima – redução de 67%;
  • Rio Grande do Norte – redução de 64%;
  • São Paulo – redução de 61%;
  • Rio de Janeiro – redução de 57%;
  • Rio Grande do Sul – redução de 54%;
  • Rondônia – redução de 53%;
  • Santa Catarina – redução de 52%;
  • Mato Grosso do Sul – redução de 47%;
  • Paraná, Ceará e Espirito Santo – redução de 46%.

Cadeirinha versus aumento das mortes

 “Um olhar um pouco mais específico foi lançado sobre a faixa etária de 0 a 4 anos, devido a serem esses os “usuários-alvo” de medidas como os dispositivos de retenção (bebê conforto e cadeirinha). Considerando as mortes nesta faixa etária e sendo as vítimas ocupantes de automóvel, houve um aumento de 16% das vítimas fatais no país nos últimos 11 anos (passando de 134 para 155). Isso reforça ainda mais a importância dos sistemas de retenção como a cadeirinha, que reduzem a probabilidade de lesões fatais em cerca de 70% entre bebês e de 54% a 80% entre as crianças menores”, destaca o professor doutor Jorge Tiago Bastos, da UFPR e coordenador do estudo.

No entanto, vale lembrar que tal crescimento nas mortes de ocupantes de automóveis na faixa etária entre 0 e 4 anos, pode ter sido em parte influenciado pelo próprio aumento da frota de automóveis, que quase dobrou, partindo de aproximadamente 28 milhões de automóveis em 2006 para aproximadamente 51 milhões de automóveis, em 2016.

Características das crianças nos deslocamentos

Para buscar um melhor entendimento da questão, são aqui enumeradas algumas características particulares aos deslocamentos de crianças, as quais não esgotam o tema, mas proporcionam uma visão geral:

  • Crianças são caracterizadas pela imprevisibilidade nos deslocamentos, ou seja, podem mudar de direção repentinamente, ficando na rota de colisão de automóveis e outros veículos;
  • Crianças possuem estrutura corporal mais frágil, de modo que podem ser mais suscetíveis a traumatismos em caso de impacto;
  • Crianças tendem a ter um nível de atenção menor;
  • Crianças podem não entender devidamente a sinalização de trânsito e possuem baixa capacidade de avaliar situações de risco;
  • Crianças são menores que adultos, portanto mais difíceis de serem vistas;
  • Em muitos locais, as ruas são os únicos espaços públicos que as crianças têm para brincar.

Estratégias de segurança no trânsito para as crianças

 Com o intuito de minimizar os impactos do trânsito na mobilidade de crianças, a OMS recomenda 10 estratégias, cujos efeitos muitas vezes não se restringem apenas à segurança das crianças, mas sim de todo o sistema de trânsito:

  1. Controle de velocidade, pois isso reduz as chances de ferimentos graves/fatais;
  2. Redução da condução sob efeito de álcool;
  3. Fiscalização no uso de capacete, tanto em motocicletas como em bicicletas;
  4. Utilização dos dispositivos de retenção;
  5. Medidas de aumento da possibilidade de ver e ser visto das crianças;
  6. Melhorias na infraestrutura viária;
  7. Melhorias no projeto dos veículos (com áreas de absorção de impacto projetadas não só visando a redução das lesões nos seus ocupantes, mas também nas pessoas que podem ser atropeladas);
  8. Redução dos riscos para jovens condutores (habilitação gradual, por exemplo);
  9. Promoção de cuidados apropriados para crianças lesionadas, pois elas têm grandes capacidades de regeneração;
  10. Supervisão de crianças próximas às ruas.

Exemplo na Itália

Na Itália uma decisão tomada pela justiça condenou os pais de uma menina de um ano e meio morta em um acidente de trânsito em 2017 a cumprir um ano e quatro meses de reclusão (em regime aberto) por terem sido considerados parcialmente culpados pela tragédia familiar. Os pais teriam, de acordo com a sentença, colaborado para o conjunto de circunstâncias que levaram à fatalidade. A análise do acidente mostrou que a menina não estava acomodada no assento infantil específico e vinha no colo da mãe, no banco da frente do carro.

[button target="_self" hover_type="default" text="LEIA O ESTUDO: Mortalidade de crianças no trânsito" link="https://drive.google.com/file/d/18S2SvsV3rsYIfNEPVhyq9cMxhx5jS5eK/view?usp=sharing"]

Seminario_de_prevencao_de_uso_de_alcool_e_drogas
Observadores Certificados

Seminário de Prevenção do uso do Álcool e outras Drogas no Trânsito em Minas Gerais tem palestra de representante do OBSERVATÓRIO

A Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública de Minas Gerais (Sejusp) por meio da Subsecretaria de Políticas sobre Drogas (Supod) realizou no final de maio, o Seminário de Prevenção do uso do Álcool e outras Drogas no Trânsito. O evento, realizado no auditório da Escola de Formação e Aperfeiçoamentos de Sargentos da Polícia Militar de Minas Gerais, em Belo Horizonte, contou com a presença do Observador Certificado e representante do Movimento Maio Amarelo em Minas Gerais, Alexander Magalhães.

Observadores_certificados_tomam_posse_cetran_mg
Observadores Certificados

Observadores Certificados tomam posse junto ao Conselho Estadual de Trânsito de Minas Gerais

No dia 23 de abril, foi realizada a posse dos novos membros do Conselho Estadual de Trânsito de Minas Gerais (Cetran-MG). Na ocasião foram empossados como conselheiros os Observadores Certificados Alexander Ferreira de Magalhães e Kenedy Santos Pereira. A cerimônia ocorreu no Palácio Tiradentes na Cidade Administrativa em Belo Horizonte, e contou com a presença da Secretária de Estado e Planejamento e Gestão, Luísa Cardoso Barreto, presidente do colegiado, do Chefe da Coordenadoria Estadual de Gestão de Trânsito (CET-MG), antigo Detran-MG, Lucas Vilas Boas Pacheco, conselheiros empossados e integrantes da equipe administrativa do colegiado.

Observatorio_debate_sobre_desafios_perspectivas_seguranca_viaria_encontro_esg
Matérias

OBSERVATÓRIO debate sobre desafios e perspectivas da Segurança Viária em Encontro ESG

Com o objetivo de fomentar práticas mais sustentáveis, responsáveis, éticas e alinhadas aos valores do ESG (Ambiental, Social e Governança) no setor, o Setcesp (Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região) realizou nos dias 05 e 06 de junho, o Encontro ESG: Desafios e Oportunidades no Transporte de Cargas, durante a Jornada de Sustentabilidade. O CEO do OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, Paulo Guimarães, esteve entre os debatedores do Painel Segurança Viária ou do Trabalho desafios e perspectivas.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0
Saiba mais

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Portal ONSV, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.