OBSERVATÓRIO | OBSERVATÓRIO opina sobre flexibilização da lei de trânsito
22366
post-template-default,single,single-post,postid-22366,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

OBSERVATÓRIO opina sobre flexibilização da lei de trânsito

OBSERVATÓRIO opina sobre flexibilização da lei de trânsito

Propostas apresentadas pelo presidente Bolsonaro para flexibilizar as leis de trânsito que, segundo ele, servem para desburocratizar e reduzir gastos, podem causar consequências negativas para a segurança da sociedade, conforme explica o diretor-presidente do OBSERVATÓRIO, José Aurelio Ramalho, em entrevista para a web rádio do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul.

“Sequer, qualquer um foi ouvido e também não foi apresentado nenhum estudo e nenhuma sustentação para essas modificações. Quem vai pagar essa conta é o próprio Governo Federal, através dos acidentes que hoje já representam mais de R$ 52 milhões aos cofres públicos para atendimento a vítimas de acidentes”, ressalta.

Ramalho comenta sobre uma forma eficaz de como acabar com a “indústria das multas”: “Respeitando as leis de trânsito. Quando nós vemos uma placa de 70 km/h, vamos reduzir a 69km/h., quando nós vermos uma faixa de pedestre, vamos parar. Nós vamos usar o cinto, não usaremos o celular enquanto dirigimos. Não beber quando for dirigir, colocar as crianças na cadeirinha. Se eu fizer tudo isso, nós vamos falir a indústria da multa”.

Ouça a entrevista completa em: http://radio.tce.rs.gov.br/2019/06/25/flexibilizar-o-codigo-de-transito-aumentara-os-gastos-publicos/

Sem comentários

Escreva um comentário