fbpx
Loader
Contribuições da Psicologia e Pedagogia para o Trânsito Seguro – Lembrando o Papel da Psicologia no dia do Psicólogo
28886
post-template-default,single,single-post,postid-28886,single-format-standard,bridge-core-2.3.6,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-22.2,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.2.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-28047

Contribuições da Psicologia e Pedagogia para o Trânsito Seguro – Lembrando o Papel da Psicologia no dia do Psicólogo

Contribuições da Psicologia e Pedagogia para o Trânsito Seguro – Lembrando o Papel da Psicologia no dia do Psicólogo

Edirley Fernandes Cardoso

Maria Inês Tondello Rodrigues

Marlene Alves da Silva

Stefania Alvise Marcelo[1]

agosto/2021

 

A psicologia do trânsito teve seu marco no Brasil, em 1913, pelas mãos do engenheiro, Roberto Mange, que importou de Zurique – Suíça testes e técnicas para avaliar os ferroviários da Estrada de Ferro Sorocabana. Até o advento da profissão de psicologia em 1962, essa era uma disciplina da área da educação.

Os pedagogos e os “educadores de trânsito”, devido à ausência de uma doutrina oficial, estabeleciam a partir de suas vivências e suas convicções os conceitos e ações de educação para o trânsito. Somente no Código de Trânsito Brasileiro – CTB, Lei nº 9.503 de 23 de setembro de 1997, que regulamenta no capítulo VI – DA EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO, que foram oficializadas as possíveis ações. A partir daí, trazendo, também, avanços para a segurança viária e foco no comportamento humano.

A Educação para o trânsito está prevista no art. 76 do CTB, o qual norteia e estabelece a necessidade de incluir aos conteúdos programáticos de forma transversal dentro de Ética, Cidadania, Saúde e Meio Ambiente, com equipe multidisciplinar. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação – LDB, teve uma alteração em 2017, definindo Base Nacional Comum Curricular – BNCC, como a nomenclatura para direitos e objetivos de aprendizagem. Através de seus temas contemporâneos, em Cidadania e Civismo, também contempla Educação para o Trânsito. Dessa forma, os pedagogos e educadores de trânsito já possuem referenciais teóricos para suas práticas. O Observatório Nacional de Segurança Viária desenvolveu o projeto EDUCA com material que auxilia educadores do Ensino Fundamental 1 e 2.

Pedagogos e psicólogos trabalham em equipe, cada um dentro de suas peculiaridades, mas, a profissão de psicólogo foi regulamentada no Brasil somente em 1962, passando integrar o setor da saúde. A psicologia do trânsito foi uma das primeiras áreas de atuação do psicólogo desde seu reconhecimento. Os estudos científicos do professor Reinier Rozestraten, elevaram a psicologia do trânsito a outro patamar, envolvendo outras áreas como a Engenharia, analisando o comportamento humano e fatores de percepção de risco. Em 1983 foi criado o primeiro grupo de pesquisa em psicologia do trânsito, pela Universidade Federal de Uberlândia, concedendo as primeiras disciplinas e cursos de especialização na área.

A psicologia do trânsito conversa com outras áreas e o campo do saber é vasto, mas bem definido. Foi um processo demorado, definindo competências, habilidades e responsabilidades desta profissão, tão importante e imprescindível. Essencialmente neste momento em que vivemos a nível mundial, com altos números de mortes, vítimas sequeladas permanentes e acidentes no trânsito concomitante à uma pandemia.

Referências

BRASIL. LEI Nº 9.503, de 23 de setembro de 1997. Institui o Código de Trânsito Brasileiro. Disponível em https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1997/lei-9503-23-setembro-1997-372348-publicacaooriginal-1-pl.html

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. MEC, 2017. Brasília, DF, 2017. Disponível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br/download-da-bncc/

DOTTA, Ático. O condutor defensivo: teoria e prática/ Ático Dotta. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, p.80, 1998.

ROZESTRATEN, R. J. A., & Dotta, A. J. (1996). Os sinais de trânsito e o comportamento seguro (2a ed.). Porto Alegre: Sagra Luzzatto.

SILVA, M.A. (2010). Psicologia do trânsito ou avaliação psicológica no contexto do trânsito. Encontro: Revista de Psicologia, 13(19), 199-208. Disponível em https://seer.pgsskroton.com/renc/article/view/2526

 

[1] Observadores Certificados pelo Observatório Nacional de Segurança Viária, integrantes do Eixo 1 do Grupo de Estudos em Psicologia e Comportamento Humano.

Edirley_Cardoso
Maria_Rodrigues
Marlene_Silva
Stefania_Alvise

Nome: Edirley Fernandes Cardoso

Cidade: Feira de Santana

Estado: Bahia

Observador Certificado desde 2019

Mini Bio: Graduado em Letras Vernáculas – Unopar. Especialista em educação e Interdisciplinaridades – UFRB. Pós-graduando em psicologia do trânsito – FAVENI. Marketing Digital – IBC. Observador Certificado – ONSV. Tutor online na UNEB/UAB – Instrutor de trânsito Sest/Senat.

LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/edirley-cardoso-8167224a

Instagram: @edirleyfernandescardoso

Nome: Maria Inês Tondello Rodrigues

Cidade: Caxias do Sul

Estado: RS

Observadora Certificada desde 2020

Mini Bio: Pedagoga com especialização em Educação de Jovens e Adultos, Mestre em Educação, Instrutora e Multiplicadora de trânsito, especialista em Mobilidade Urbana e Trânsito.

Perfil LinkedIn: Maria Inês Tondello Rodrigues

Instagram: @mari.tondello

Nome: Marlene Alves da Silva

Cidade: Vitória da Conquista

Estado: BA

Observadora Certificada desde 2019

Mini Bio: Psicóloga – Pós Doutora em Psicologia Clínica, Mestre e Doutora em Psicologia com ênfase em Avaliação Psicológica, Psicóloga Perita credenciada pela Policial Federal e ao DETRAN/BA.

Perfil LinkedIn: Marlene Alves da Silva

Instagram: @dramarlenealves

Nome: Stefania Alvise

Cidade: Poços de Caldas

Estado: Minas Gerais

Observadora Certificada desde 2019

Mini Bio: Pedagoga, Educadora de Trânsito especialista em Educação e Ação Social com ênfase em Sustentabilidade e gestão e normatização de trânsito e transportes.

Perfil LinkedIn: Stefania Alvise

Instagram:@stefaniaalvise

No Comments

Post A Comment